08/04/2020

 

A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA Unicamp, considerando a estimativa de pico de contaminação do CoronaVírus, ocorrer entre abril e maio, está em Campanha de Arrecadação de Equipamentos de Proteção Individual, para atender a demanda da Área da Saúde, e gostaria de poder contar com ajuda e cooperação de todos, nesta corrente de apoio dedicada aos profissionais do Centro de Saude da Comunidade da UNICAMP e orgãos do campus em atividades essenciais, estamos aceitando doações de descartáveis como;

Mascaras Cirurgica descartável,

Mascara Respirador PFF2,

Avental bilaminado ou TNT, 

Luva estéril,

Gorros e toucas, óculos de proteção visual, tubo tipo falcon para swab rayon/testes de COVID, Swab Rayon, sabonete liquido/espuma bactericida, Álcool Gel 70º ou qualquer contribuição espontânea que entenderem de utilidade para  auxiliar nossos profissionais enfrentarem com tranquilidade, segurança e proteção, este momento crítico da pandemia COVID-19.

Cordialmente,

Equipe CIPA-Gestão 2020

 

#Mantenha-se atualizado  https://www.unicamp.br/unicamp/coronavirus/doacoes

 

 
06/04/2020

Selecionamos abaixo, dois links com textos que podem ser interessante, para leitura, com informações sobre o CoronaVirus.

 

O perigo do coronavírus para quem tem diabetes         Por Dr. Carlos Eduardo Barra Couri para Revista Saúde.

https://saude.abril.com.br/blog/futuro-do-diabete/coronavirus-para-diabetes/

Maioria dos casos graves da covid-19 são de pessoas entre 30 e 90 anos  

Por Lucas Agrela  Publicado em 26 mar 2020 na Revista EXAME                                                                                  https://exame.abril.com.br/ciencia/maioria-dos-casos-graves-da-covid-19-sao-de-pessoas-de-30-a-90-anos/ 

Atenciosamente,

Equipe CIPA Central

                                                                                                                                                                         

 

 

 

 
01/04/2020

 
Gabinete do Reitor  Universidade Estadual de Campinas - Cidade Universitária "Zeferino Vaz" 


Resolução GR nº. 34/2020, de 22/03/2020

Reitor: Marcelo Knobel   

Dispõe sobre medidas complementares à Resolução GR n.º 24/2020, em virtude da quarentena decretada no Município de Campinas e no Estado de São Paulo pandemia do Coronavírus (Covid-19)   O Reitor da Universidade Estadual de Campinas,   - Considerando o agravamento da crise sanitária ocasionada pela pandemia do coronavírus, declarada no dia 12/03/2020 pelo Diretor-geral da OMS;  - Considerando as medidas preventivas tomadas na Unicamp, em especial a Resolução GR n.º 24/2020; - Considerando o Decreto Estadual n.º 64.879, de 20 de março de 2020, por meio do qual se reconhece o estado de calamidade pública no Estado de São Paulo, com a suspensão das atividades não essenciais até 30 de abril de 2020; Baixa a seguinte Resolução:    Art.1º - As Unidades de Ensino e Pesquisa, Centros e Núcleos e Órgãos da UNICAMP deverão suspender suas atividades presenciais a partir do dia 23 de março até 30 de abril de 2020, devendo ser mantidas apenas as atividades absolutamente essenciais. § 1º - Os diretores de Unidades de Ensino e Pesquisa, Centros e Núcleos e Órgãos ficam responsáveis por emitir autorizações para mobilidade de servidores para atender as atividades essenciais. § 2º - Para os fins previstos nesta Resolução presumem-se essenciais as seguintes situações, sem exclusão de outras a serem definidas nos termos do parágrafo anterior: 
 
I – as atividades assistenciais de saúde e hospitalares, inclusive as atividades do CEB;

II – as atividades administrativas de suporte às atividades assistenciais de saúde;

III – serviço de limpeza das áreas hospitalares e demais áreas em funcionamento presencial;

IV - serviço de vigilância; V – serviço de alimentação;

VI – serviços administrativos necessários para a continuidade do funcionamento da Universidade;

VII – serviços de suporte de TI;

VIII – atividades que requerem cuidados pessoais, como biotérios, estufas, e equipamentos de grande porte que não podem ser desligados. 
 
§ 3º -  Os servidores que não exercem atividades essenciais deverão permanecer em quarentena e em teletrabalho no período.   
           Gabinete do Reitor  
 
 

§ 4º - As atividades administrativas essenciais ao funcionamento da Universidade poderão ser realizadas em regime de contingenciamento ou rodízio, permitido o teletrabalho no período, conforme planejamento específico de cada local, a ser divulgado no site institucional, nos termos do art. 2º da Resolução GR n.º 24/20. 
 
Art. 2º - As medidas aqui adotadas estão sujeitas à reavaliação, a qualquer momento, conforme evolução da situação da pandemia.   

Art. 3º - Esta Resolução entrará em vigor na data de sua assinatura.  
 
 
 
 
Marcelo Knobel

REITOR 

 

 

https://www.unicamp.br/unicamp/eventos/2020/03/27/unicamp-prorroga-suspensao-das-atividades-presenciais-ate-304

 
18/03/2020

O Ministério Público do Trabalho e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), estimam que as doenças relacionadas ao trabalho vitimem mais de 5.500 pessoas por dia no mundo.

Acompanhe a edição de nº 16 acessando o link:

http://www.mptemquadrinhos.com.br/flip/numero16/index.html#1

 

 

 
18/03/2020

Clique para Assistir: https://youtu.be/n794F4uK61d8

 

 
16/03/2020

Em cumprimento as orientações superiores da Administração Central, referente suspensão das atividades, informamos que a Reunião Ordinária  agendada para o dia 19/03, foi cancelada, e será remarcada oportunamente.
 
Qualquer dúvida ou contatos, estamos disponíveis remotamente, através do endereço de e-mail: cipa@unicamp.br
 
Atenciosamente,
 

CIPA Central - Gestão 2020

 
 
********************************************************************************************************************************************************************************
 
 
11/02/2020

A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA Central, representada pelo Vice Presidente Marcio Clebson dos S. Alves, participou da reunião na manhã desta segunda -feira (10), com o Superintendente do Hospital de Clinicas Prof. Dr. Antonio Gonçalves de Oliveira Filho , Sergio Lacerda e João Marcos Quattrer da Divisão de Manutenção/HC, Marcos Bueno da Ortopedia/HC , Elisiene Lobo e Margarida representantes do STU , com objetivo de discutir estratégias que contribuam para a promoção da segurança no Hospital, com vistas na implantação  de uma  equipe de Brigadistas e de Sistema de Segurança Contra Incêndios dentro do  HC.

O Vice Presidente, considerou como positivo a discussão relacionada a Sinalização, Sistema de Alarmes, Rota de Fuga e Equipamentos de Proteção e Combate a Incêndios.

O próximo passo será a execução das ações discutidas na reunião.

 
23/01/2020

A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA é regulamentada pela norma NR nº 05 do Ministério do Trabalho e Emprego.

O principal objetivo da comissão é prevenir acidentes, doenças decorrentes do trabalho, e outras situações de risco que poderão comprometer a saúde e integridade física dos trabalhadores.

Os membros da CIPA recebem o nome de cipeiros, e são colaboradores eleitos ou nomeados, para representar os demais funcionários da empresa, são responsáveis por fiscalizar a empresa e as condições de trabalho a que os colaboradores são submetidos, devendo fazer rondas frequentes nos postos de trabalho, para ouvir reclamações, documentar e poder agir.

É importante que o cipeiro esteja ciente de suas responsabilidades e se proponha a ser protagonista de mudanças e adequações.

Algumas atribuições do cipeiro:

  • Participar dos Cursos e Treinamentos oferecidos pela CIPA Central, 
  • Consultar as Normas Regulamentadoras e se manter atualizado sobre assuntos relacionados a segurança do trabalho;
  • Ser um agente multiplicador, colaborando com o treinamento de segurança dos demais trabalhadores;
  • Denunciar possíveis falhas de segurança nos ambientes/postos de trabalho;
  • Sugerir e buscar soluções em conjunto com a CIPA Central e as áreas afins (SESMT e DSTr).

Tem interesse em conhecer mais sobre o assunto? entre em contato conosco e solicite material de apoio.cipa@unicamp.br

 
04/12/2019

UNIDADE/ORGÃO

NOME COMPLETO

MATRÍCULA

CATEGORIA

BC

MARISA CRISTINA DE MORAES COSTA 

20630

ELEITA SUPLENTE

BC

FERNANDA ALVES LANDIN

300661

ELEITA TITULAR

BC

ROBERTO ORLANDO PEREIRA

1520

INDICADO SUPLENTE

BC

VANDERLEI PAZIANO DE MATOS

143073

INDICADO SUPLENTE

CAISM

WANDERSON DE SOUZA VIANA

307987

ELEITO TITULAR

CAISM

RODRIGO SIEWERT

310092

ELEITO SUPLENTE

CAISM

ROSE LUCE GOMES DO AMARAL

298233

ELEITA TITULAR

CAISM

GABRIELA BARROS GONÇALVES

295823

ELEITA TITULAR

CAISM

EVANIR LOPES TEIXEIRA

292640

ELEITA SUPLENTE

CAISM

ALFREDO VIEIRA CARNAUBA

295517

ELEITO TITULAR

CAISM

IGOR CAMPOS DO NASCIMENTO

310352

INDICADO TITULAR

CAISM

MARCELA APARECIDA CARREIRA

302640

INDICADO TITULAR

CAISM

RICARDO NASCIMENTO TRONCHIN

304210

INDICADO TITULAR

CAISM

DAYANNA SILVA SANTOS

287078

INDICADO TITULAR

CAISM

SOLANGE APARECIDA BARBUTTI

163082

INDICADO SUPLENTE

CAISM

DENIS BARBOSA CACIQUE

295518

INDICADO SUPLENTE

CCUEC

ANTONIO CARLOS MACHADO DE CAMPOS

188948

ELEITO TITULAR

CCUEC /CENAPAD/ GGTE

LUIS DE LIMA NETO

308565

INDICADO TITULAR

CEL

EDMILSON ANTONIO ORTOLAN

130737

INDICADO TITULAR

CEL

APARECIDA INOCENCIA NOGUEIRA

115649

INDICADO SUPLENTE

CEMIB

ELSON ANDRÉ DA SILVA

268208

INDICADO TITULAR

CEMIB

JESSICA MARIA INÁCIO

297876

INDICADO SUPLENTE

CEMEQ

SIDNEI JOSÉ DOS SANTOS

224839

INDICADO TITULAR

CEMEQ

FERNANDO AUGUSTO DE ARAUJO

302543

INDICADO SUPLENTE

COTIL / PFL

ANDREZA SILVESTRINI

299061

INDICADA PRESIDENTE

COTIL / PFL

EDMILSON FERNANDO HONÓRIO

84468

INDICADO SUPLENTE

COTUCA

ALLAN GUSTAVO DE SOUZA

302530

ELEITO TITULAR

COTUCA

EDGARD LUIS TADASHI KINCHOKU

299453

ELEITO TITULAR

COTUCA

ONOFRE BADIO FERNANDES

82121

INDICADO TITULAR

COTUCA

LAUDESSANDRO PALMIERI

303714

INDICADO SUPLENTE

COTUCA

TÂMARA REGINA DA SILVA VIEIRA

300817

INDICADO SUPLENTE

CPQBA

FELIPE SANTOS PAGLIARINI

301448

ELEITO TITULAR

CPQBA

CAMILA DELARMELINA SILVA

297314

ELEITO TITULAR

CPQBA

SINÉSIO BOAVENTURA JUNIOR

246107

INDICADO TITULAR

CPQBA

PAULO RICARDO DA SILVA

298335

INDICADO SUPLENTE

DGA

LUIZ ANTONIO DOS SANTOS

234290

ELEITO TITULAR

DGA

ALDO GOMES DOS SANTOS

70041

INDICADO TITULAR

DGA

ANTONIO LÁZARO DO AMARAL

294078

INDICADO SUPLENTE

DGRH

FERNANDA MARIA ANDRADE VARGAS

290436

ELEITA TITULAR

DGRH

RICARDO BRAGA DIAS

297731

ELEITO SUPLENTE

DGRH- DSTR

EGIDIO VEGLIA

299900

INDICADO SUPLENTE

FCA

LEANDRO GOMES DE OLIVEIRA

301538

INDICADO TITULAR

FCA

ENZO GOMES BEATO

283130

INDICADO TITULAR

FCA

JAMISON DE MELO VALIERO

299833

INDICADO SUPLENTE

FCM

JOÃO DANIEL DE MOURA

105953

ELEITO TITULAR

FCM

GETÚLIO MARCELINO GOMES

308186

ELEITO TITULAR

FCM

JOSEANE MORARI RICCIARDI DE AGUIAR

302355

ELEITA TITULAR

FCM

ANA PAULA DALLA COSTA

303564

INDICADO - PRESIDENTE

FCM

CRISTINA TANIKAWA

297297

INDICADO TITULAR

FCM

FLAVIA SOARES

310400

INDICADO TITULAR

FCM

ELAINE MAURI GONZALEZ

306441

INDICADO TITULAR

FCM

RODRIGO GONÇALVES DE LIMA

301975

INDICADO TITULAR

FCM

ALVARO GALETTE JUNIOR

166049

INDICADO SUPLENTE

FCM

ROGÉRIO MARQUES DA SILVA

87891

INDICADO SUPLENTE

FCF

MATHEUS BORGHI

310254

INDICADO SUPLENTE

FCF

DEBORA ZORRON BERLINCK

315043

INDICADO TITULAR

FE

GIOVANNA DA COSTA ROMARO

297753

INDICADO TITULAR

FEA

MARCELO LUIS DA SILVA

181323

ELEITO TITULAR

FEA- DEPAN

ALESSANDRA SILVA COELHO

251780

ELEITA TITULAR

FEA

MAURO BRASILEIRO

112771

INDICADO PRESIDENTE

FEA

MIRIAM CAMILA GARCIA DE LIMA

299511

INDICADO TITULAR

FEA

EDUARDO ADILSON ORLANDO

306554

INDICADO TITULAR

FEA

VALQUIRIA RODRIGUES FERREIRA

293813

INDICADO TITULAR

FEA

SANDRA REGINA PINHEIRO DE LIMA

300283

INDICADO SUPLENTE

FEA

REGIANE PALHARES

300608

INDICADO SUPLENTE

FEA

FREDERICO OLIVEIRA SOARES

197114

INDICADO SUPLENTE

FEAGRI

CLÓVIS TRISTÃO

181579

ELEITO TITULAR

FEAGRI

PROFA .DRA. JULIANA APARECIDA FRACAROLLI

307168

ELEITO SUPLENTE

FEAGRI

GIOVANI ARCANJO BROTTO

296768

INDICADO SUPLENTE

FEAGRI

TÚLIO ASSUNÇÃO PIRES RIBEIRO

250341

INDICADO SUPLENTE

FEAGRI

THIAGO LUIS BRASCO

294249

INDICADO TITULAR

FEC

GERALDO DANIEL ALVES BOSSO

275611

ELEITO TITULAR

FEC

EDSON LUIS MOREIRA

301568

INDICADO TITULAR

FEC

RENATO ANTONIO GOMES

309389

INDICADO TITULAR

FEC

LUCIANO PASSOS

249840

INDICADO SUPLENTE

FEC

WAGNER PIZANI GUIDI

24473

INDICADO SUPLENTE

FEEC

CARLOS ROBERTO DE SOUZA

76112

ELEITO TITULAR

FEEC

SOLANGE AUXILIADORA PIANCA ZAGATTO

302833

INDICADO TITULAR

FEEC

LARISSA CRISTINA DELBONI DE SOUZA

307507

INDICADO SUPLENTE

FEF

MARCIO CLEBSON DOS S. ALVES

305461

ELEITO TITULAR

FEF

HELIO VIANA DOS SANTOS

164119

INDICADO TITULAR

FEF

RAFAEL CAMARGO VIANNA

304515

INDICADO SUPLENTE

FEM

ELI PAULINO DE SOUZA

168874

INDICADO TITULAR

FEM

JEFFERSON ANTONIO DE SOUZA

118575

INDICADO SUPLENTE

FENF

RODRIGO TEGON LORENZI

300451

INDICADO TITULAR

FENF

HENRIQUE CERETTA OLIVEIRA

300897

INDICADO SUPLENTE

FEQ

FABRICIO DOS SANTOS

302523

INDICADO TITULAR

FEQ

DISNEY RICARDO TOMAZELLI

252841

INDICADO SUPLENTE

FOP

WANDERLEI FRANCISCO VIEIRA

275468

ELEITO TITULAR

FOP

LUANA MICHELE GANHOR

295065

ELEITA TITULAR

FOP

JOSÈ ALFREDO DA SILVA

213420

ELEITO SUPLENTE

FOP

VALERIA ALESSANDRA P. DEFAVARI FRANCO

290705

ELEITA TITULAR

FOP

GISLAINE REGIANE ALVES PITON

296000

ELEITO TITULAR

FOP

KATIA CRISTINA LOURENÇO DIAS

217476

ELEITO SUPLENTE

FOP

LUIZ FRANCESQUINI JUNIOR

306078

INDICADO TITULAR

FOP

REIS MARCELINO COIMBRA JUNIOR

304592

INDICADO TITULAR

FOP

LUIZ CLAUDIO NEHRING

194875

INDICADO TITULAR

FOP

MARCELO CORRÊA  MAISTRO

286307

INDICADO PRESIDENTE

FOP

FABIO HAACH TEO

303766

INDICADO SUPLENTE

FOP

MARIANA P. F. LAZARINI

28302-4

INDICADO SUPLENTE

FOP

MAICON RICARDO ZIEBERG PASSINI

30399-2

INDICADO SUPLENTE

FOP

RENATA C.U. V. CONSOLINI

22337-9

INDICADO SUPLENTE

FT

CLAUDIO MAESI

297693

ELEITO TITULAR

FT

CLÉSIA MÁRCIA LIZARDO

142441

INDICADO TITULAR

FT

RITA DE CÀSSIA CARVALHO

84778

INDICADO TITULAR

FT

JULIANA DA SILVA CAMARGO

154733

INDICADO SUPLENTE

FT

RODRIGO GONÇALVES SILVESTRE

294934

INDICADO SUPLENTE

GASTROCENTRO

SIVALTER APARECIDO DOS SANTOS

209899

INDICADO TITULAR

HC/ CC

ROSANE CARDOSO DE SOUZA

306742

ELEITA TITULAR

HC/LPC /Coleta

SILVIA HELENA MARTINS GONÇALVES

191604

ELEITA SUPLENTE

HC/LPC /Coleta

ELIETE DE ALVES E ALVES

150142

ELEITA SUPLENTE

HC/ Enf. De Pediatria

NIVALDO APARECIDO DE ASSIS

283903

ELEITO TITULAR

HC /UTI

GISELE LOPES MOURA MILANI

299823

ELEITO TITULAR

HC/ UTI

ERICA DA SILVA MORAES

306916

ELEITO TITULAR

HC /Fisioterapia

ROSANGELA APARECIDA ALVES GRANDE

271667

ELEITO SUPLENTE

HC /CC

MARIA MACILENE S. FONSECA SOTANA

302792

ELEITO TITULAR

HC /DM

CAROLINA GASETA

300850

ELEITO TITULAR

HC /DEM

ELOI CARDOSO NETO

217263

ELEITO TITULAR

HC/UR

VALDENICE LOPES FIGUEIRA

306994

ELEITO TITULAR

HC

JOÃO MARCOS S. QUATTRER

226327

INDICADO - PRESIDENTE

HC

MARIA DE FATIMA ARICETTI

269468

INDICADO TITULAR

HC

FELIPE CARRIJO FIGUEIREDO

299350

INDICADO TITULAR

HC

SARA REGINA PEREIRA PINTO

275786

INDICADO TITULAR

HC

OLIVIA CRISTINA VIEIRA RIBEIRO

306725

INDICADO TITULAR

HC

OROZIMBO JOSE DAOLIO

307360

INDICADO TITULAR

HC /DENF/SEAMPE

EVA ROSANGELA DA SILVA NUNES

293727

ELEITA SUPLENTE

HC /Amb/Oftalmo

RUDNEI CAVALHEIRO

259055

ELEITO SUPLENTE

HC

LUCI PEROTO

241351

INDICADO TITULAR

HC

ANTONIO ROVILSON DE FREITAS

287785

INDICADO SUPLENTE

HC

BENEDITO LAURIVALDO MARTINS

121720

INDICADO SUPLENTE

HC

JOSÈ ELMO MARTINS

136107

INDICADO SUPLENTE

HC

RAQUEL LOURDES LOPES VIEIRA

299707

INDICADO SUPLENTE

HC

MARIA FRANCISCO

197246

INDICADO SUPLENTE

HC

SÉRGIO ALEXANDRE DA COSTA

150517

INDICADO SUPLENTE

HC

WILSON ANTONIO MENDES

166715

INDICADO SUPLENTE

HC-DND

ISAURA MODESTO

151882

ELEITA SUPLENTE

HC/CIN

ANA CRISTINA BERNICCHI

272868

ELEITA SUPLENTE

HC /SSPR

JURACY FERREIRA

96300

ELEITA TITULAR

HEMOCENTRO

DAIANE DE ALMEIDA

309264

ELEITA TITULAR

HEMOCENTRO

KIARA CRISTINA SENGER ZAPPONI CERRI

310401

INDICADO TITULAR

HEMOCENTRO

BEATRIZ DE MORAES MARTINELLI

295486

INDICADO SUPLENTE

IA

ELISEU DE LIMA LUCIO

297059

INDICADO TITULAR

IA

MARCOS AURELIO BERNARDES DE SOUZA

296840

INDICADO TITULAR

IA

SOLANGE DE BRITO ARAÙJO

192406

INDICADO SUPLENTE

IA

POLYANA A. PACHECO

298914

INDICADO SUPLENTE

IB

ANTONIO ALVES FERREIRA FILHO

228931

ELEITO TITULAR

IB

CARLOS ROBERTO CUSTÒDIO DE ALMEIDA

138282

ELEITO TITULAR

IB

NILSON BRANCO

253057

INDICADO - PRESIDENTE

IB

ÉRIKA FERRARESSO DOS ANJOS

276341

INDICADO TITULAR

IB

TIAGO SOARES ROCHA

301902

INDICADO TITULAR

IB

PRISCILA CRISTINA DA SILVA

290780

INDICADO SUPLENTE

IB

JOSÉ RAIMUNDO RIBEIRO DOS REIS

251844

INDICADO SUPLENTE

IB

GUSTAVO BUENO BELLINI

308180

INDICADO SUPLENTE

IC

WILLIAM SERAFIM

301833

INDICADO TITULAR

IC

WELLINGTON DE OLIVEIRA HENRIQUE

307248

INDICADO TITULAR

IC

DANIEL KRETTELLIS OLIVEIRA

307399

INDICADO SUPLENTE

IC

FLAVIO ROMEU LUZIA

159786

INDICADO SUPLENTE

IE

JOSE FERNANDO DA COSTA

97691

INDICADO TITULAR

IE

FÀBIO LUIZ DA SILVA

314149

INDICADO SUPLENTE

IEL

GERALDO MEDEIROS ANALHA

304618

INDICADO TITULAR

IEL

ANTONIO CARLOS ROCHA

300248

INDICADO SUPLENTE

IFCH

ANTONIO BENEDITO SANTOS

217395

ELEITO TITULAR

IFCH

LEANDRO FERREIRA MACIEL

299821

INDICADO TITULAR

IFCH

REGINALDO ALVES DO NASCIMENTO

298226

INDICADO SUPLENTE

IFGW

JOÃO MENDES DE OLIVEIRA

74608

ELEITO SUPLENTE

IFGW

ZAIRO MENDES CRISPIM

24490

ELEITO TITULAR

IFGW

MARCO ANTONIO FURLAN

252948

ELEITO SUPLENTE

IFGW

JULIO CESAR GUEDES

193674

ELEITO TITULAR

IFGW

ANDRE REBAC DE PAULA

201839

ELEITO SUPLENTE

IFGW

FABIO ANDRIJAUSKAS

303566

ELEITO TITULAR

iFGW

MILTON DE ALMIEDA E SILVA

82562

ELEITO SUPLENTE

IFGW

PEDRO MIGUEL RAGGIO SANTOS

252387

ELEITO TITULAR

IFGW

ARNALDO LUIZ LIXANDRÃO FILHO

299490

INDICADO - PRESIDENTE

IFGW

SARAH SALCES DOURADO

298303

INDICADO TITULAR

IFGW

CLAUDENETE VIEIRA REAL

267911

INDICADO TITULAR

IFGW

RUY MARVULLE BUENO

313108

INDICADO TITULAR

IFGW

CEZAR RODRIGO AGUIAR DOS SANTOS

303561

INDICADO SUPLENTE

IFGW

ROSANE PALISSARI

287997

INDICADO SUPLENTE

IFGW

AYRES NERY DA CUNHA JUNIOR

298179

INDICADO SUPLENTE

IFGW

EDSON PEDRO CECILIO JUNIOR

303484

INDICADO SUPLENTE

IG

RITA TIEMI MATSUBARA KARASAWA

303924

ELEITO TITULAR

IG

ANTONIO MARCOS PEREIRA DE MOURA

144398

ELEITO TITULAR

IG

JOSUE DAVID DE PAULA

314740

INDICADO TITULAR

IG

EUFRÀSIO JOSÉ DE CARVALHO

314736

INDICADO SUPLENTE

IMECC

GERALDO MARTINS

208957

ELEITO TITULAR

IMECC

OSVALDINO RODRIGUES DOS SANTOS

192007

INDICADO TITULAR

IMECC

EDSON VALDIR PAPASSÍDERO

301658

ELEITO TITULAR

IMECC

ALEXANDRE JONATAS PINA

304695

INDICADO SUPLENTE

IQM

HENRIQUE PIVA

299164

ELEITO TITULAR

IQM

MARCIO BATISTA DOS SANTOS

301863

ELEITO TITULAR

iQM

ANTONIO CARLOS SIQUEIRA DA SILVA

8630

ELEITO TITULAR

IQM

LUPERCIO ANTONIO DE MOURA MARTINS

30027

ELEITO SUPLENTE

IQM

PAULO SÉRGIO DO AMARAL

251917

ELEITO TITULAR

IQM

CAIO NAKAVAKI DE OLIVEIRA

298122

INDICADO PRESIDENTE

IQM

HENRIQUE PIVA VARANELLI

299164

INDICADO TITULAR

IQM

ANDERSON S. PEDROZA

286169

INDICADO TITULAR

IQM

MICHELE CANDIDA DOS SANTOS

290802

INDICADO TITULAR

IQM

HELDER PANTAROTTO

246328

INDICADO SUPLENTE

IQM

ANDREZA CAMILOTTI DIONÌSIO

298331

INDICADO SUPLENTE

IQM

ANNELIZE ZAMBON BARBOSA ARAGÃO

303709

INDICADO SUPLENTE

IQM

WILSON NUNES GONÇALVES

290744

INDICADO SUPLENTE

NEPP

PAULO RICARDO LANGE

302488

INDICADO TITULAR

PREFEITURA

JOSÉ FERREIRA DA SILVA

302488

ELEITO TITULAR

PREFEITURA

JOSÈ APARECIDO CALDERARO

80951

ELEITO SUPLENTE

PREFEITURA

ALESSANDRA BORTOLETTO DIMIRAS

306440

INDICADO TITULAR

PREFEITURA

LAURO DOS SANTOS

122122

INDICADO SUPLENTE

PRG

CLÒVIS DE SOUZA

80268

INDICADO SUPLENTE

PROEC

DENILSON FERREIRA ALVEZ

300585

INDICADO TITULAR

REITORIA/CASA DO LAGO

ALTAMIRO JOSÈ DA SILVA

126238

ELEITO SUPLENTE

REITORA/CIPA

FRANCISCO GENÉZIO LIMA DE MESQUITA

80373

INDICADO - PRESIDENTE

REITORIA/CPO

LUCIANA FERNANDES DE SOUZA

273694

INDICADA SUPLENTE

REITORIA /DEPI/

ANDERSON DE OLIVEIRA VENTURINI

302694

ELEITO SUPLENTE

REITORIA /DEPI/

JORGE LUIZ FLORÊNCIO

230022

INDICADO TITULAR

REITORIA/ COCEN

GENÉZIO JATOBÁ

282341

ELEITO TITULAR

REITORIA/SAR

BRUNA FRANCIELI ANGELO BRAGA

300689

INDICADO TITULAR

REITORIA/SAR

EBER DE SOUZA MAGALHAES

283257

INDICADO SUPLENTE

SVC

WALDOMIRO LEAL

302028

INDICADO SUPLENTE

SVC

SIDNEY DA SILVA SANTOS

299496

ELEITO TITULAR

SVC

RALFO RYOZO KUBOTA

296824

INDICADO TITULAR

 

 
 
03/12/2019

 
02/12/2019

Realizado no dia 29 de novembro de 2019, o  Seminário contou com a presença da Vice Reitora Teresa Dib Zambon Atvars e a participação de Profissionais especializados na área de Segurança do Trabalho e da Saúde do Trabalhador, que apresentaram temas de grande relevancia para a concientização dos trabalhadores nas boas praticas de redução de riscos no ambiente de trabalho.

 

 

 
21/11/2019

PARABÉNS AOS CANDIDATOS ELEITOS.

INFORMAMOS QUE, O CURSO DE CAPACITAÇÃO, OCORRERÁ NOS DIAS 4,5 E 6 DE NOVEMBRO DE 2019.

 A POSSE ESTA AGENDADA PARA O DIA 06 DE DEZEMBRO DE 2019 AS  8H30 NO AUDITÓRIO DO GGBS/DGA.

Unidade / Órgão Nome Completo Categoria
DGA/GRÁFICA Luiz Antonio dos Santos titular
Reitoria/Casa do Lago  Altamiro José da Silva suplente
CAISM Alfredo Vieira Carnauba titular
HC/UR Valdenice Lopes Figueira titular
HC/Enf. de Pediatria Nivaldo Aparecido de Assis titular
HC/LPC/COLETA ELIETE DE ALVES E ALVES suplente
IFGW Fabio Andrijauskas titular
Reitoria/Prefeitura Jose Aparecido Calderaro suplente
HC/UTI Érica da Silva Moraes  titular
FT Cláudio Maesi titular
IFGW Pedro Miguel Raggio Santos titular
Hemocentro  Daiane de Almeida titular
HC/Fisioterapia Rosângela Aparecida Alves Grande suplente
FCM Joseane Morari Ricciardi de Aguiar titular
CAISM Evanir Lopes Teixeira  suplente
HC/DEM/COMPRAS ELOI CARDOZO NETO titular
FEEC Carlos Roberto de Souza titular
HC/DENF/SEAMPE Eva Rosangela da SIlva Nunes suplente
FCA Leandro Gomes de Oliveira titular
CAISM Gabriela Barros Gonçalves titular
FEAGRI CLOVIS TRISTAO titular
FOP Luana Michele Ganhor titular
FOP KATIA CRISTINA LOURENÇO DIAS suplente
HC/Amb Oftalmo RUDNEI CAVALHEIRO suplente
REITORIA/DGRH RICARDO BRAGA DIAS suplente
Biblioteca Central Fernanda Alves Landim titular
FEAGRI Juliana Aparecida Fracarolli suplente
Reitoria/Prefeitura JOSÉ FERREIRA DA SILVA titular
HC/DM Carolina Gaseta titular
BCCL Marisa Cristina de Moraes suplente
IFCH Antonio Benedito Santos titular
IQM Lupercio Antonio de Moura Martins suplente
COTUCA EDGARD LUIS TADASHI KINCHOKU titular
IB  Carlos Roberto Custódio de Almeida  titular
CCUEC Antonio Carlos Machado de Campos titular
DEPAN/FEA Alessandra Silva Coelho titular
COTUCA Allan Gustavo de Souza titular
Reitoria/DEPI Anderson de Oliveira Venturini suplente
FOP GISLAINE REGIANE ALVES PITON Ttitular
FEA MARCELO LUIS DA SILVA titular
IQM  PAULO SERGIO DO AMARAL titular
FCM Getúlio Marcelino Gomes titular
IMECC Geraldo Martins titular
REITORIA/COCEN GENESIO JATOBA titular
FEC Geraldo Daniel Alves Daniel Bosso titular
IFGW Marco Antonio Furlan suplente
CAISM Wanderson de Souza Viana titular
CAISM  RODRIGO SIEWERT suplente
HC/DND  Isaura Modesto suplente
HC/CC Rosane Cardoso de Sousa titular
IFGW João Mendes de Oliveira suplente
IMECC EDSON VALDIR PAPASSÍDERO titular
FEF MARCIO CLEBSON DOS S. ALVES titular
REITORIA/SVC Sidney da Silva dos Santos titular
FOP Valeria Alessandra P. Defavari Franco titular
IQM Marcio Batista Dos Santos titular
IQM Antonio Carlos Siqueira da Silva titular
FOP José Alfredo da Silva suplente
REITORIA/DGRH Fernanda Maria Andrade Vargas titular
IFGW/DFMC André Rebac de Paula suplente
IFGW Milton de Almeida e Silva suplente
HC/UTI Gisele Lopes Moura Milani  titular
IB  Antonio Alves Ferreira Filho titular
FCM João Daniel de Moura titular
HC/SSPR Juracy Ferreira titular
HC/CC Maria Macilene S. Fonseca Sotana titular
IQM Henrique Piva titular
CPQBA Camila Delarmelina Silva titular
CPQBA  Felipe Santos Pagliarini titular
HC/CIN  Ana Cristina Bernicchi suplente
IG Antonio Marcos Pereira de Moura titular
FOP Wanderlei Francisco Vieira titular
IFGW ZAIRO MENDES CRISPIM titular
HC/LPC/COLEA SILVIA HELENA MARTINS GONNÇALVES  suplente
IG RITA TIEMI MATSUBARA KARASAWA titular
IFGW JULIO CESAR GUEDES titular
CAISM ROSE LUCE GOMES DO AMARAL titular

 

 

 
11/11/2019

A  CIPA Central UNICAMP, promoveu a formação dos Novos Cipeiros 2019.

 
 
29/10/2019

Esta lista foi corrigida, pois faltava alguns candidatos eleitos.

Abaixo lista divulgada sem correção.

UNIDADE / ÓRGÃO

NOME COMPLETO

CATEGORIA

HC/UR

VALDENICE LOPES FIGUEIRA

TITULAR

HC/ENF. DE PEDIATRIA

NIVALDO APARECIDO DE ASSIS

TITULAR

HC/LPC/COLETA

ELIETE DE ALVES E ALVES

SUPLENTE

IFGW

FABIO ANDRIJAUSKAS

TITULAR

PREFETIURA

JOSE APARECIDO CALDERARO

SUPLENTE

HC/UTI

ÉRICA DA SILVA MORAES 

TITULAR

FT

CLÁUDIO MAESI

TITULAR

IFGW

PEDRO MIGUEL RAGGIO SANTOS

TITULAR

HEMOCENTRO 

DAIANE DE ALMEIDA

TITULAR

HC/FISIOTERAPIA

ROSÂNGELA APARECIDA ALVES GRANDE

SUPLENTE

FCM

JOSEANE MORARI RICCIARDI DE AGUIAR

TITULAR

CAISM

EVANIR LOPES TEIXEIRA 

SUPLENTE

HC/DEM/COMPRAS

ELOI CARDOZO NETO

TITULAR

FEEC

CARLOS ROBERTO DE SOUZA

TITULAR

HC/DENF/SEAMPE

EVA ROSANGELA DA SILVA NUNES

SUPLENTE

FCA

LEANDRO GOMES DE OLIVEIRA

TITULAR

CAISM

GABRIELA BARROS GONÇALVES

TITULAR

FEAGRI

CLOVIS TRISTAO

TITULAR

FOP

LUANA MICHELE GANHOR

TITULAR

FOP

KATIA CRISTINA LOURENÇO DIAS

SUPLENTE

HC/AMB OFTALMO

RUDNEI CAVALHEIRO

SUPLENTE

REITORIA/DGRH

RICARDO BRAGA DIAS

SUPLENTE

BIBLIOTECA CENTRAL

FERNANDA ALVES LANDIM

TITULAR

FEAGRI

JULIANA APARECIDA FRACAROLLI

SUPLENTE

REITORIA/PREFEITURA

JOSÉ FERREIRA DA SILVA

TITULAR

HC/DS

CAROLINA GASETA

TITULAR

BCCL

MARISA CRISTINA DE MORAES

SUPLENTE

IFCH

ANTONIO BENEDITO SANTOS

TITULAR

INSTITUTO DE QUÍMICA

LUPERCIO ANTONIO DE MOURA MARTINS

SUPLENTE

COTUCA

EDGARD LUIS TADASHI KINCHOKU

TITULAR

IB 

CARLOS ROBERTO CUSTÓDIO DE ALMEIDA 

TITULAR

CCUEC

ANTONIO CARLOS MACHADO DE CAMPOS

TITULAR

DEPAN/FEA

ALESSANDRA SILVA COELHO

TITULAR

COTUCA

ALLAN GUSTAVO DE SOUZA

TITULAR

DEPI

ANDERSON DE OLIVEIRA VENTURINI

SUPLENTE

FOP

GISLAINE REGIANE ALVES PITON

TTITULAR

FEA

MARCELO LUIS DA SILVA

TITULAR

IQM 

PAULO SERGIO DO AMARAL

TITULAR

FCM

GETÚLIO MARCELINO GOMES

TITULAR

IMECC

GERALDO MARTINS

TITULAR

REITORIA/COCEN

GENESIO JATOBA

TITULAR

FEC

GERALDO DANIEL ALVES DANIEL BOSSO

TITULAR

IFGW

MARCO ANTONIO FURLAN

SUPLENTE

CAISM

WANDERSON DE SOUZA VIANA

TITULAR

CAISM 

RODRIGO SIEWERT

SUPLENTE

HC/DND 

ISAURA MODESTO

SUPLENTE

HC/CC

ROSANE CARDOSO DE SOUSA

TITULAR

IFGW

JOÃO MENDES DE OLIVEIRA

SUPLENTE

IMECC

EDSON VALDIR PAPASSÍDERO

TITULAR

FEF

MARCIO CLEBSON DOS S. ALVES

TITULAR

REITORIA/SVC

SIDNEY DA SILVA DOS SANTOS

TITULAR

FOP

VALERIA ALESSANDRA P. D. FRANCO

TITULAR

IQM

MARCIO BATISTA DOS SANTOS

TITULAR

IQM

ANTONIO CARLOS SIQUEIRA DA SILVA

TITULAR

FOP

JOSÉ ALFREDO DA SILVA

SUPLENTE

REITORIA/DGRH

FERNANDA MARIA ANDRADE VARGAS

TITULAR

IFGW/DFMC

ANDRÉ REBAC DE PAULA

SUPLENTE

IFGW

MILTON DE ALMEIDA E SILVA

SUPLENTE

HC/UTI

GISELE LOPES MOURA MILANI 

TITULAR

IB 

ANTONIO ALVES FERREIRA FILHO

TITULAR

FCM

JOÃO DANIEL DE MOURA

TITULAR

HC/SSPR

JURACY FERREIRA

TITULAR

HC/CC

MARIA MACILENE S. FONSECA SOTANA

TITULAR

IQ

HENRIQUE PIVA

TITULAR

CPQBA

CAMILA DELARMELINA SILVA

TITULAR

CPQBA 

FELIPE SANTOS PAGLIARINI

TITULAR

HC/CIN 

ANA CRISTINA BERNICCHI

SUPLENTE

IG

ANTONIO MARCOS PEREIRA DE MOURA

TITULAR

FOP

WANDERLEI FRANCISCO VIEIRA

TITULAR

IF

ZAIRO MENDES CRISPIM

TITULAR

HC/LPC/COLEA

SILVIA HELENA MARTINS GONNÇALVES 

SUPLENTE

IG

RITA TIEMI MATSUBARA KARASAWA

TITULAR

IFGW

JULIO CESAR GUEDES

TITULAR

CAISM

ROSE LUCE GOMES DO AMARAL

TITULAR

 

 
24/10/2019

Apuração em 24/10/2019 CIPA / UNICAMP GESTÃO 2020

 

BRANCO 771

NULO 881

 ZAIRO MENDES CRISPIM 24490 INSTITUTO DE FISICA 50

 ROSE LUCE GOMES DO AMARAL 298233 CAISM / DIGI 108

 ALFREDO VIEIRA CARNAUBA 295517 CAISM 202

 WANDERLEI FRANCISCO VIEIRA 27546-8 FOP/LAB. DENTISTICA 53

 AGMOM MOREIRA ROCHA 283092 FEAGRI 25

 HELIO VIANA DOS SANTOS 164119 MANUTENÇÃO 45

 ANTONIO MARCOS PEREIRA DE MOURA 144398 INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS 61

 ANA CRISTINA BERNICCHI 272868 CIN NEFROLOGIA DE AGUDOS 40

 FELIPE SANTOS PAGLIARINI 301448 CPQBA 35

 DENILSON FERREIRA ALVES 300585 PROEC 22

 CAMILA DELARMELINA SILVA 297314 CPQBA 29

 HENRIQUE PIVA 299164 IQ 99

 MARIA MACILENE SANTOS FONSECA SOTANA 302792 CENTRO CIRÚRGICO 66

 RITA TIEMI MATSUBARA KARASAWA 303924 INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS 101

 JÚLIO CÉSAR GUEDES 193674 IFGW 32

 JURACY FERREIRA 96300 SSPR/DSG 77

 JOÃO DANIEL DE MOURA 105953 FCM 73

 ANTONIO ALVES FERREIRA FILHO 22893-1 INSTITUTO DE BIOLOGIA 63

 GISELE LOPES MOURA MILANI 299823 HOSPITAL DAS CLÍNICAS UNICAMP 127

 MILTON DE ALMEIDA E SILVA 82562 IFGW CRIOGÊNIA 13

 ANDRÉ REBAC DE PAULA 201839 IFGW / DFMC 8

 FERNANDA MARIA ANDRADE VARGAS 290436 REITORIA - DGRH 71

 ALTAMIRO JOSÉ DA SILVA 126233 PROEC/CASA DO LAGO 34

 TULIO ASSUNÇÃO PIRES RIBEIRO 250341 FACULDADE DE ENGENHARIA AGRÍCOLA 24

 JOSÉ ALFREDO DA SILVA 213420 FOP / BIOQUÍMICA 25

 SILVIA HELENA MARTINS GONÇALVES 191604 LPC - COLETA 31

 LUIZ ANTONIO DOS SANTOS 234290 REITORIA / DGA/ GRÁFICA 152

 ANTONIO CARLOS SIQUEIRA DA SILVA 8630 INSTITUTO DE QUÍMICA 19

 MARCIO BATISTA DOS SANTOS 301863 INSTITUTO DE QUÍMICA 35

 VALERIA ALESSANDRA PRADO DEFAVARI FRANCO 290705 FOP 31

 WALDOMIRO LEAL 302028 REITORIA DEA SVC 17

 SIDNEY DA SILVA DOS SANTOS 299496 SECRETARIA DE VIVENCIA NOS CAMPI 70

 MARCIO CLEBSON DOS SANTOS ALVES 305461 FEF 47

 EDSON VALDIR PAPASSÍDERO 301658 IMECC 97

 JOÃO MENDES DE OLIVEIRA 74608 IFGW 22

 ROSANE CARDOSO DE SOUSA 306742 HC 79

 ISAURA MODESTO 15188/2 HOSPITAL DAS CLINICAS 28

 RODRIGO SIEWERT 310092 CAISM / DA 21

 WANDERSON DE SOUZA VIANA 307987 CAISM 68

 MARCO ANTONIO FURLAN 252948 INSTITUTO DE FÍSICA 31

 GERALDO DANIEL ALVES DANIEL BOSSO 275611 FECA 22

 GENESIO JATOBA 282341 REITORIA / CGU / COCE 201

 GERALDO MARTINS 208957 IMECC / DIRETORIA 29

 GETÚLIO MARCELINO GOMES 308186 FCM 60

 PAULO SERGIO DO AMARAL 251917 IQ 22

 ANDERSON DE OLIVEIRA VENTURINI 302694 DEPI 51

 GISLAINE REGIANE ALVES PITON 296000 FOP UNICAMP 39

 MARCELO LUIS DA SILVA 181323 FEA 61

 ALLAN GUSTAVO DE SOUZA 302530 COTUCA 74

 ALESSANDRA SILVA COELHO 251780 DEPAN/FEA 46

 ANTONIO CARLOS MACHADO DE CAMPOS 188948 CCUEC 87

 CARLOS ROBERTO CUSTÓDIO DE ALMEIDA 138282 IB 55

 EDGARD LUIS TADASHI KINCHOKU 299453 COTUCA 44

 LUPERCIO ANTONIO DE MOURA MARTINS 300027 INSTITUTO DE QUÍMICA 16

 ANTONIO BENEDITO SANTOS 217395 IFCH 152

 MARISA CRISTINA DE MORAES 20630 BCCL/BAE 40

 CAROLINA GASETA 300850 HOSPITAL DE CLÍNICAS 117

 MARIA MERCES DE PINHO FREITAS 155764 CONVOCACAO 5

 ANADIR MARIA DA SILVA 283983 HOSPITAL DAS CLÍNICAS 18

 JOSE FERREIRA DA SILVA 312485 REITORIA / PREFEITURA 55

 JULIANA APARECIDA FRACAROLLI 307168 FACULDADE DE ENGENHARIA AGRÍCOLA 34

 FERNANDA ALVES LANDIM 300661 BIBLIOTECA CENTRAL 86

 GIOVANI ARCHANJO BROTTO 296768 FEAGRI 22

 RICARDO BRAGA DIAS 297731 REITORIA / DGRH 68

 RUDNEI CAVALHEIRO 259055 HC/UNICAMP 22

 KATIA CRISTINA LOURENÇO DIAS 217476 FOP 16

 LUANA MICHELE GANHOR 295065 FOP 38

 CLOVIS TRISTAO 181579 FEAGRI 87

 GABRIELA BARROS GONÇALVES 295823 CAISM 94

 LEANDRO GOMES DE OLIVEIRA 301538 FCA 132

 EVA ROSANGELA DA SILVA NUNES 293727 HC/DENF/SEAMPE/EAORTO 51

 CARLOS ROBERTO DE SOUZA 76112 FEEC 111

 ELOI CARDOZO NETO 217263 HOSPITAL DE CLINICAS 96

 EVANIR LOPES TEIXEIRA 292640 HOSPITAL DA MULHER CAISM 50

 JOSEANE MORARI RICCIARDI DE AGUIAR 302355 FCM 53

 ROSÂNGELA APARECIDA ALVES GRANDE 271667 SERVIÇO DE FISIOTERAPIA HC 49

 DAIANE DE ALMEIDA 309264 HEMOCENTRO 105

 PEDRO MIGUEL RAGGIO SANTOS 252387 IFGW / GRADUAÇÃO 54

 CLÁUDIO MAESI 297693 FACULDADE DE TECNOLOGIA - FT 129

 ÉRICA DA SILVA MORAES 306916 UTI HC 76

 JOSE APARECIDO CALDERARO 80951 REITORIA 48

 FABIO ANDRIJAUSKAS 303566 IFGW 37

 ELIETE DE ALVES E ALVES 150142 LPC - COLETA 57

 NIVALDO APARECIDO DE ASSIS 283903 ENFERMARIA DE PEDIATRIA 129

 VALDENICE LOPES FIGUEIRA 306994 HC / UNIDADE RESPIRATÓRIA 52

 

 
24/10/2019


O funcionário que não votar e não apresentar justificativa sofrerá penalidade conforme a legislação  disposto na portaria GR-139/91;
“Artigo 3º - A falta do pedido de justificação dentro do prazo estabelecido no artigo 2º ou o seu indeferimento sujeita o docente ou servidor à uma multa correspondente a 1,0% (hum por cento) do valor da referência 1 (hum) da tabela de salários da Carreira de Apoio.” 

No caso de ausência na eleição, as justificativas deverão ser encaminhadas para apreciação dos respectivos Diretores das unidades administrativas, conforme Resolução GR-035/2004.
Obs.: a justificativa é necessária para não sofrer a penalidade da multa.

 

 
21/10/2019

A Eleição CIPA 2019-2020 iniciou-se no dia 21/10/2019 às 08h30 e se encerrará às 17h30 do dia 23/10/2019.

Link para votar:  https://e-voto.unicamp.br/helios/e/CIPAGestao2020/vote

 

O voto é obrigado conforme a Resolução GR 026/2016.

Orientações de como depositar o seu voto:
1. No campo "Identificação do Eleitor",utilize seu "Usuário Unicamp" (@unicamp.br)
   Ex.: fulano@unicamp.br => o Usuário Unicamp neste exemplo é "fulano" .     
2. No campo "Senha", utilize sua senha  Unicamp (@unicamp.br)

##   Caso persista com dúvidas ou problemas com a sua senha, procurar pelo Representante de Usuários de sua unidade.

   O link abaixo ajudará, caso não saiba, a descobrir quem são os representes de sua unidade.
   => https://www1.sistemas.unicamp.br/TrocarSenha/onderetirarsenha.do
     (preencha o campo "Informar a sigla da unidade/orgão ou nome do entregador de senha" para exibir a lista)

3. Clicar na opção "Depositar Voto"

*** IMPORTANTE ***
Após depositar o seu voto, é importante que verifique em sua caixa postal o recebimento de e-mail com o assunto
"[VOTO DEPOSITADO] - CIPA / UNICAMP GESTÃO 2020".
Caso não receba este e-mail, entrar em contato com o apoio técnico pelo endereço "ccevoto@unicamp.br".
 

 
21/10/2019

A oficina "Mapa de Riscos" desenvolvida pelo facilitador Silas Leite, ocorreu no dia 18 de outubro no Anfiteatro do Hospital de Clinicas da UNICAMP. Os participantes foram muito proativos e tiveram a oportunidade de esclarecer duvidas.Parabéns a todos os envolvidos! 

 
21/10/2019

 
02/10/2019

CIPA / UNICAMP
LISTA DE CANDIDATOS INSCRITOS PARA GESTÃO 2020

Vote em apenas um (1) candidato de qualquer unidade.

Candidatos agrupados por número de inscrição.
Na relação de candidatos consta: Número de inscrição, nome, matrícula, unidade e departamento.

 

 

NOME
MATRÍCULA
UNIDADE / ÓRGÃO
  BRANCO
 
 
  NULO
 
 
1 ZAIRO MENDES CRISPIM
24490
INSTITUTO DE FISICA
2 ROSE LUCE GOMES DO AMARAL
298233
CAISM / DIGI
3 ALFREDO VIEIRA CARNAUBA
295517
CAISM
4 WANDERLEI FRANCISCO VIEIRA
275468
FOP/LAB. DENTISTICA
5 AGMOM MOREIRA ROCHA
283092
FEAGRI
6 HELIO VIANA DOS SANTOS
164119
MANUTENÇAO
7 ANTONIO MARCOS PEREIRA DE MOURA
144398
INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS
8 ANA CRISTINA BERNICCHI
272868
CIN NEFROLOGIA DE AGUDOS
9 FELIPE SANTOS PAGLIARINI
301448
CPQBA
10 DENILSON FERREIRA ALVES
300585
PROEC
12 CAMILA DELARMELINA SILVA
297314
CPQBA
13 HENRIQUE PIVA
299164
IQ
14 MARIA MACILENE SANTOS FONSECA SOTANA
302792
CENTRO CIRÚRGICO
15 RITA TIEMI MATSUBARA KARASAWA
303924
INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS
17 JÚLIO CÉSAR GUEDES
193674
IFGW
18 JURACY FERREIRA
96300
SSPR/DSG
19 JOÃO DANIEL DE MOURA
105953
FCM
20 ANTONIO ALVES FERREIRA FILHO
228931
INSTITUTO DE BIOLOGIA
21 GISELE LOPES MOURA MILANI 
299823
HOSPITAL DAS CLÍNICAS UNICAMP
22 MILTON DE ALMEIDA E SILVA
82562
IFGW CRIOGÊNIA
23 ANDRÉ REBAC DE PAULA
201839
IFGW / DFMC
24 FERNANDA MARIA ANDRADE VARGAS
290436
REITORIA - DGRH
25 ALTAMIRO JOSÉ DA SILVA
126233
PROEC/CASA DO LAGO
26 TULIO ASSUNÇÃO PIRES RIBEIRO
250341
FACULDADE DE ENGENHARIA AGRÍCOLA
27 JOSÉ ALFREDO DA SILVA
213420
FOP/BIOQUÍMICA
28 SILVIA HELENA MARTINS GONÇALVES
191604
LPC - COLETA
29 LUIZ ANTONIO DOS SANTOS
234290
REITORIA/DGA/ GRÁFICA
30 ANTONIO CARLOS SIQUEIRA DA SILVA
86300
INSTITUTO DE QUÍMICA
31 MARCIO BATISTA DOS SANTOS
301863
INSTITUTO DE QUÍMICA
32 VALERIA ALESSANDRA PRADO DEFAVARI FRANCO
290705
FOP
33 WALDOMIRO LEAL
302028
REITORIA DEA SVC
35 SIDNEY DA SILVA DOS SANTOS
299496
SECRETARIA DE VIVENCIA NOS CAMPI
36 MARCIO CLEBSON DOS SANTOS ALVES
305461
FEF
37 EDSON VALDIR PAPASSÍDERO
301658
IMECC
38 JOÃO MENDES DE OLIVEIRA
74608
IFGW
40 ROSANE CARDOSO DE SOUSA
306742
HC
43 ISAURA MODESTO
151882
HOSPITAL DAS CLINICAS 
44 RODRIGO SIEWERT
310092
CAISM / DA
45 WANDERSON DE SOUZA VIANA
307987
CAISM
46 MARCO ANTONIO FURLAN
252948
INSTITUTO DE FÍSICA
47 GERALDO DANIEL ALVES DANIEL BOSSO
275611
FECA
48 GENESIO JATOBA
282341
REITORIA/CGU/COCE
49 GERALDO MARTINS
208957
IMECC/DIRETORIA
50 GETÚLIO MARCELINO GOMES
308186
FCM
51 PAULO SERGIO DO AMARAL
251917
IQ 
52 ANDERSON DE OLIVEIRA VENTURINI
302694
DEPI
53 GISLAINE REGIANE ALVES PITON
296000
FOP UNICAMP
54 MARCELO LUIS DA SILVA
181323
FEA
55 ALLAN GUSTAVO DE SOUZA
302530
COTUCA
56 ALESSANDRA SILVA COELHO
251780
DEPAN/FEA
57 ANTONIO CARLOS MACHADO DE CAMPOS
188948
CCUEC
59 CARLOS ROBERTO CUSTÓDIO DE ALMEIDA 
138282
IB 
60 EDGARD LUIS TADASHI KINCHOKU
299453
COTUCA / DIRETORIA ENSINO
61 LUPERCIO ANTONIO DE MOURA MARTINS
300027
INSTITUTO DE QUÍMICA
62 ANTONIO BENEDITO SANTOS
217395
IFCH
63 MARISA CRISTINA DE MORAES
20630
BCCL/BAE
64 CAROLINA GASETA
300850
HOSPITAL DE CLÍNICAS 
65 MARIA MERCES DE PINHO FREITAS
155764
CONVOCACAO
66 ANADIR MARIA DA SILVA
283983
HOSPITAL DAS CLÍNICAS
67 JOSE FERREIRA DA SILVA
312485
REITORIA / PREFEITURA
68 JULIANA APARECIDA FRACAROLLI
307168
FEAGRI
69 FERNANDA ALVES LANDIM
300661
BIBLIOTECA CENTRAL
70 GIOVANI ARCHANJO BROTTO
296768
FEAGRI
71 RICARDO BRAGA DIAS
297731
REITORIA/DGRH
72 RUDNEI CAVALHEIRO
259055
HC/UNICAMP
73 KATIA CRISTINA LOURENÇO DIAS
217476
FOP
74 LUANA MICHELE GANHOR
295065
FOP
75 CLOVIS TRISTAO
181579
FEAGRI
76 GABRIELA BARROS GONÇALVES
295823
CAISM
79 LEANDRO GOMES DE OLIVEIRA 
301538
 FCA
81 EVA ROSANGELA DA SILVA NUNES
293727
HC/DENF/SEAMPE/EAORTO
82 CARLOS ROBERTO DE SOUZA
76112
FEEC
83 ELOI CARDOZO NETO
217263
HOSPITAL DE CLINICAS
84 EVANIR LOPES TEIXEIRA 
292640
CAISM
85 JOSEANE MORARI RICCIARDI DE AGUIAR
302355
FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 
86 ROSÂNGELA APARECIDA ALVES GRANDE
271667
SERVIÇO DE FISIOTERAPIA HC 
87 DAIANE DE ALMEIDA
309264
HEMOCENTRO 
88 PEDRO MIGUEL RAGGIO SANTOS
252387
IFGW/GRADUAÇÃO
89 CLÁUDIO MAESI
297693
FACULDADE DE TECNOLOGIA - FT
90 ÉRICA DA SILVA MORAES 
306916
UTI HC
91 JOSE APARECIDO CALDERARO
80951
REITORIA
92 FABIO ANDRIJAUSKAS
303566
IFGW
94 ELIETE DE ALVES E ALVES
150142
LPC - COLETA
95 NIVALDO APARECIDO DE ASSIS
283903
ENFERMARIA DE PEDIATRIA
96 VALDENICE LOPES FIGUEIRA
306994
HC /  UNIDADE RESPIRATÓRIA
 
23/09/2019

29/11/2019 - 8h30 às 17h - Auditório GGBS (prédio da DGA) Cidade Universitaria Zeferino Vaz - Barão Geraldo/Campinas. 

Público alvo: servidores, alunos, estagiários e público em geral

Inscrições Abertas! Vagas Limitadas!

 

  • 08:30
    Recepção
     
  • 08:40
    Abertura - Reitor Marcelo Knobel, Vice Reitora Teresa Atvars, Susana Durão e Francisco Genezio Mesquita.

    09:00
    Atuação do Bombeiro Civil Voluntário em Incêndios.
    Cmd. Vargas – Coordenador da Defesa Civil e Diretor do Grupamento do Bombeiro Civil de Varzea Paulista/SP. Gestor em Proteção contra Incêndios Florestais.
     
  • 09:50
    Dinâmicas de Incêndio Estrutural - Medidas de Prevenção
    Cap.PM Alexandre Coelho Boggi ESB – CBPMESP
     
  • 10:45
    Intervalo Coffee Break
     
  • 11:00
    Estressores Ocupacionais
    Drª Marcia Cristina das Dores Bandini
    Profª da Área de Saúde do Trabalhador no Departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, coordenadora do Programa de Residência de Medicina do Trabalho da faculdade.

     
  • 11:45
    Debate Final
    Mediação: Marcio Clebson dos Santos Alves – FEF/UNICAMP
     
  • 12:00
    Intervalo Almoço

 

  • 13:30
    Gestão de Riscos de Incêndios - Fundamentos e Utilização.
    Cel PM Cassio Roberto Armani
    Engº Civil e de Segurança, Bombeiro Militar de São Paulo da Reserva

     
  • 14:15
    Terapia de Emergência em Vítimas Queimadas
    Profº Dr. Vitor Favali Kruger
    Médico Cirurgião do Departamento de Trauma da UNICAMP-SP.

     
  • 15:00
    Intervalo Coffee Break
     
  • 15:15
    Impactos da Gestão Ambiental na Qualidade de Vida" - Relato da experiência do Cecom
    Enfª Miriam Susana Locatelli Marques da Silva
    Membro do GGAC - Grupo de Gestão Ambiental do CECOM/UNICAMP.

     
  • 16:00
    Abordagem Técnica a tentativas de Suicídios
    Cabo PM. Rimoli – 7º Grupamento do Corpo de Bombeiros de Campinas – GBPMESP.
     
  • 16:45
    Debate Final
    Mediação: Marcio Clebson dos Santos Alves – FEF/UNICAMP
     
  • 17:00
    Encerramento

 

 

 

FICHA DE INSCRIÇÃO

 

 
30/08/2019

Integrantes da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) da Unicamp, visitaram a Expo Proteção e Expo Emergência 2019 em São Paulo no último dia 07, considerada a maior feira internacional de Saúde e Segurança do Trabalho, reúne visitantes e expositores de todo o Brasil.

A feira consiste em grande oportunidade de conhecer as novidades no setor sobre, treinamentos, equipamentos e tecnologias, que possam contribuir para que o trabalho dos cipeiros tenha ainda mais qualidade, e ainda, ampliar soluções e fornecer  subsídios para continuidade dos projetos que envolvem integridade física dos servidores dos campis da Universidade.
Paralelo a Feira, ocorreu o Congresso Bombeiro Brasil 2019 e o 7º Seminário Nacional de Atendimento Pré-Hospitalar de Emergências e de Resgate de Acidentados pela APH2019, onde foram abordados temas de extrema relevância para Segurança do Trabalhadores, como Segurança contra Incêndios, Brigadas, Bombeiro Civil Voluntário, Prevenção de Acidentes e Primeiros Atendimentos  em Emergências. O Presidente da CIPA Francisco Genezio (gestão 2018/2019) e o servidor Marcio Alves cipeiro representante da Faculdade de Educação Física da Unicamp, participaram do Congresso como ouvintes, e agora terão o papel fundamental de propagar e multiplicar o conhecimento adquirido nas próximas Oficinas de Treinamento, programadas na agenda da CIPA. 
 
 
 
 
 
26/08/2019

 
20/08/2019

 
02/08/2019

 
02/08/2019

O Presidente da CIPA Central esteve presente com a Profa. Dra. Marcia Cristina das Dores Bandini, Saúde Ocupacional, da Faculdade de Ciências Médicas, onde trataram assuntos diversos de prevenção, saúde ocupacional, saúde do trabalhador e estrutura da CIPA.

 

"Nós assumimos uma parceria entre a CIPA e a Saúde Ocupacional." 

- Francisco Genézio, atual presidente da CIPA Central.

 

 

 

Para maior conhecimento sobre a Profª Dra. Marcia Bandini, acesse a entrevista : https://www.fcm.unicamp.br/boletimfcm/pt-br/entre-vista/novas-e-velhas-doencas-no-caminho-da-saude-do-trabalhador

 
01/08/2019

 
  • Inscrições: 06 a 28/09/2019    ENCERRADAS
  • Eleição: 21, 22 e 23/10/2019

 

SEJA UM REPRESENTANTE DA CIPA NA SUA UNIDADE

Participe das ações de prevenção de acidentes, de saúde, segurança e meio ambiente da universidade. Ajude a tornar os processos de trabalho mais seguros. Para isso, você terá treinamentos, palestras, cursos.Torne-se um agente multiplicador de saúde e segurança. Os cipeiros são protegidos pela lei na participação destas atividades em prol da universidade.

 

  • QUEM PODE SE CANDIDATAR
    Todos os servidores desta Universidade (funcionários e docentes) circunscritos no campus de sua lotação, qualquer que seja o regime jurídico (CLT/CLE) a que estejam vinculadas funcionalmente (obs.: os que estão no período probatório não podem se candidatar, mas podem ser indicados). Para mais informações consulte a Resolução GR-026/2016 a qual rege as Eleições e Indicações dos Membros da CIPA Unicamp.
    O Cipeiro também terá concessão na isenção do pagamento das refeições nos Restaurantes Universitários da Unicamp.

     
  • O REPRESENTANTE TEM GARANTIAS
    O representante eleito tem garantido por lei, estabilidade no trabalho e liberação para as reuniões mensais, cursos de capacitação, SIPAT e atividades constantes no plano de trabalho, visto que as atividades realizadas pelos cipeiros são consideradas para todos os efeitos, como horas trabalhadas para a Universidade.“NR5 5.17 Cabe ao empregador proporcionar aos membros da CIPA os meios necessários ao desempenho de suas atribuições, garantindo tempo suficiente para a realização das tarefas constantes do plano de trabalho”.

     
  • QUEM NÃO PODE SE CANDIDATAR
    - Contratados por prazo determinado;
    - Que no período das inscrições estiverem cumprindo pena disciplinar;
    - Que não estiverem em efetivo exercício;
    - Que esteja em período probatório, no entanto podem ser indicados.

     
  • ONDE SE INSCREVER?
    O formulário de inscrição estará disponível nesta página no período de  6 a 28 de setembro de 2019.

     
  • DATA DA ELEIÇÃO
    Nos dias 21,22 e 23 outubro de 2019, ocorrerá nos campi (Campinas, Limeira e Piracicaba) da universidade, as eleições para nova composição da CIPA/UNICAMP Gestão 2020.

    Horário de votação: Período Integral, com início no dia 21/10 a partir das 8h30 e encerramento no dia 23/10 às 17h30.

    Votação "ONLINE" somente através do e-mail institucional
    A partir de 2018, por determinação da reitoria, a eleição da CIPA na Universidade passou a ser exclusivamente online. Para isso é necessário que os eleitores tenham e-mail institucional pessoal (exemplos: fulano@unicamp.br ou fulano@<unidade>.unicamp.br) ativo e com espaço livre para receber mensagens do Sistema Eletrônico de Votação (e-Voto). E este e-mail deve estar cadastrado no Vida Funcional da DGRH.
    Isso permitirá que o eleitor vote do seu local de trabalho, a partir de um computador conectado à rede da universidade. No período da eleição o e-Voto encaminhará mensagem para o e-mail institucional de cada eleitor, onde constará LINK para acessar a página WEB onde o voto deve ser depositado.
    Funcionários sem e-mail institucional ativo devem procurar com urgência o “Representante de usuários” da sua unidade. Mais orientações em: http://www.ccuec.unicamp.br/ccuec/servicos/usuario-unicamp
    Votantes que estiverem fora dos campi terão que configurar seu computador para usar VPN. Mais orientações em: ww.ccuec.unicamp.br/ccuec/servicos/acesso_remoto_vpn

     
  • VOTO É OBRIGATÓRIO
    Todos os funcionários e docentes vinculados à Unicamp devem votar no prazo estipulado e o voto é obrigatório, conforme o disposto na portaria GR-139/91. O funcionário que não votar e não apresentar justificativa sofrerá penalidade segundo a legislação abaixo:
    “Artigo 3º - A falta do pedido de justificação dentro do prazo estabelecido no artigo 2º ou o seu indeferimento sujeita o docente ou servidor à uma multa correspondente a 1,0% (hum por cento) do valor da referência 1 (hum) da tabela de salários da Carreira de Apoio.” 

     
  • JUSTIFICATIVA
    No caso de ausência na eleição, as justificativas deverão ser encaminhadas para apreciação dos respectivos Diretores das unidades administrativas, conforme Resolução GR-035/2004.
    Obs.: a justificativa é necessária para não sofrer a penalidade da multa.

 

 

 
18/06/2019

 

 

 

 
31/10/2018

CIPEIROS ELEITOS - GESTÃO 2019
(POR ORDEM DE UNIDADE)
 
UNIDADE NOME MATRICULA   CATEGORIA RAMAL E-MAIL
BCCL/DTI OTONIEL FELICIANO 149977 ELEITO TITULAR 16494  otoniel@unicamp.br
CAISM/DIVEN LISANDRA ALVES DE SOUZA 261017 ELEITO TITULAR 19341  lissouza@unicamb.br
CAISM/FINANCAS WANDERSON DE SOUZA VIANA  307987 ELEITO TITULAR 19469  wandersv@unicamp.br
CEMIB/SPF-B1 ELSON ANDRE DA SILVA 268208 ELEITO TITULAR 17672 china@unicamp.br
COTIL/SECAO DE TRANSPORTES DANIEL ROGERIO ALVES  296008  ELEITO TITULAR 3371  daniel@cotil.unicamp.br
COTUCA/TRANSPORTE ONOFRE B. FERNANDES 82121 ELEITO TITULAR 35219931 onofre@cotuca.unicamp.br
DGA/GRAFICA ALDO GOMES SANTOS 70041 ELEITO TITULAR 15090 aldo@dga.unicamp.br
FCA/BIOTERIO LEANDRO GOMES DE OLIVEIRA 301538  ELEITO TITULAR 6724  leandro.gomes@fca.unicamp.br
FCM/PATRIMONIO ROGERIO MARQUES DA SILVA 87891 ELEITO TITULAR 18857  rmarques@fcm.unicamp.br
FCM/PROTOCOLO GETULIO MARCELINO GOMES 308186 ELEITO TITULAR 18855/17342  getuliog@fcm.unicamp.br
FCM/SUPRIMENTO/FINANCAS ALVARO GALETTE JUNIOR  166049  ELEITO TITULAR 18932 alvaro@fcm.unicamp.br
FE/BIBLIOTECA MARCIA BENEDITA DE OLIVEIRA 275034 ELEITO TITULAR 15632  marciab@unicamp.br
FEA/ADMINISTRACAO JOAO HENRIQUE C.TOMAZ  294890 ELEITO TITULAR 10205  joaohct@unicamp.br
FEA/BIBLIOTECA MARCELO LUIS DA SILVA  181323  ELEITO TITULAR 17069  mlsilva@unicamp.br
FEA/CENTRO DE INFORMATICA MAURO BRASILEIRO  112771 ELEITO TITULAR 14095 mauromb@unicamp.br
FEAGRI/SANEA. SANITARIO GIOVANI ARCHANJO BROTA 296768 ELEITO SUPLENTE 11121 giovani.brota@feagri.unicamp.br
FEAGRI/TECNOLOGIA DE PROCESSOS JULIANA APARECIDA FRACAROLLI 307168 ELEITO TITULAR 11073 Juliana.fracarolli@feagri.unicamp.br
FEC/DGT  WAGNER PIZANI GUIDI  276278 ELEITO TITULAR 12352  wpguidi@fec.unicamp.br
FEC/DSA DANIEL BOSSO  275611 ELEITO SUPLENTE 12992  bosso@unicamp.br
FEEC/RH CARLOS ROBERTO DE SOUZA 76112 ELEITO TITULAR 13862  crsouza@fee.unicamp.br
FEQ/DEMBIO DISNEY RICARDO THOMAZELLI 252841  ELEITO TITULAR 13938  disney@unicamp.br
FOP/CLINICA KATIA CRISTINA LOURENCO DIAS  217476  ELEITO TITULAR 5718  katiafop@unicamp.com
FOP/CLINICA DE GRADUACAO ROSANA MARCIA SARTORI  234222 ELEITO SUPLENTE 5233  rosana@unicamp.br
FOP/COORD DO CAMPUS LUANA MICHELE GANHOR  295065  ELEITO TITULAR  21065715 luana@unicamp.br
FOP/DONTOLOGIA SOCIAL LUIZ FRANCESQUINI JUNIOR  306978 ELEITO TITULAR 21065281  francesq@unicamp.br
FOP/GRADUACAO MAURO AUGUSTO BARBOZA DIAS 24295 ELEITO TITULAR 5208  mauroaugustodias@ig.com.br
FT/COORD .DE GRADUACAO RODRIGO GONCALVES SILVESTRE 294934  ELEITO TITULAR 3339  rodrigos@ft.unicamp.br
FT/RH RITA DE CASSIA CARVALHO  84778 ELEITO SUPLENTE 21133366 rita@ft.unicamp.br
HC/DEM REGINALDO EUZEBIO 161357  ELEITO SUPLENTE 17315  euzebio@hc.unicamp.br
HC/DEM COMPRAS ELOI CARDOZO NETO 217263  ELEITO TITULAR 17925  eloi@hc.unicamp.br
HC/DENF/AMB OFTALMO RUDNEI CAVALHEIRO  259055 ELEITO SUPLENTE 17818 rudnei@hc.unicamp.br
HC/DENF/CC KELLY CRISTINA SOLA DE LIMA  291692  ELEITO TITULAR 17416  kejracph@hc.unicamp.br
HC/DENF/CME VASCONCELOS DA SILVA 293371 ELEITO TITULAR 17218 vasco@hc.unicamp.br
HC/DENF/ENF CARDIO PNEUMO MORGANA RONCOLATTO  284050 ELEITO TITULAR 17706  morgana@hc.unicamp.br
HC/DENF/ENF CARDIO/PNEUMO LIZABETE SANTOS SPOSITO 305861 ELEITO TITULAR 17706  sposito@hc.unicamp.br
HC/ELETROCARDIOGRAMA ANA CRISTINA BERNICCHI  272868 ELEITO SUPLENTE 17612  bernicchi@hc.unicamp.br
HC/LPC COLETA APARECIDA DE SOUSA PEREIRA 168696  ELEITO SUPLENTE 17406  aparecidasp@hc.unicamp.br
HC/LPC COLETA SILVIA HELENA M. GONÇALVES  191604  ELEITO SUPLENTE 17406 silviagoncalves@hc.unicamp.br
HC/LPC/COLETA DULCIOMARA INES L. LIMA COSTA 210498  ELEITO SUPLENTE 17406  dulci@hc.unicamp
HC/SAC MARIA APARECIDA DOS SANTOS  195529  ELEITO SUPLENTE 18359  simpatia@hc.unicamp.br
HC/SERVICO SOCIAL ADRIANA APARECIDA AGOSTINHO  188921  ELEITO TITULAR 18016  adri@hc.unicamp.br.br
HC/SUPRIMENTOS CAROLINA GASETA 300850  ELEITO TITULAR 17296  carolina.gaseta@hc.unicamp.br
IAR/BIBLIOTECA SILVIA REGINA SHIROMA  304899 ELEITO TITULAR 11462  silviaregina@iar.unicamp.br
IAR/CENICAS FATIMA APARECIDA VILELA  301920 ELEITO SUPLENTE 11475  fatima@iar.unicamp.br
IB/DEMIB TIAGO SOARES ROCHA  301902  ELEITO TITULAR 116230 tiagor@unicamp.br
IB/FISIO VEGETAL CARLOS ROBERTO C. DE ALMEIDA 138282 ELEITO TITULAR 16220  carlosrc@unicamp.br
IB/MICROSCOPIA ELETRONICA ANA FLORIANA RODRIGUES 190080  ELEITO TITULAR 16387  floriana@unicamp.br
IC/DINFO WILLIAN SERAFIM  301833 ELEITO TITULAR 12981  serafim@ic.unicamp.br
IC/SECRETARIA ACADEMICA MICHEL FERNANDO PENA 298284 ELEITO SUPLENTE 15840  michel@ic.unicamp.br
IFCH/DIRETORIA FINANCEIRA ORNEY MAURO JUNIOR 306541 ELEITO TITULAR 11158  orneyjr@unicamp.br
IFCH/PROCESSOS TECNICOS MIRIAM CRISTINA ALVES  256137 ELEITO SUPLENTE 11949  mcalves@unicamp.br
IFGW FABIO ANDRIJAUSKAS  303566 ELEITO TITULAR 15306  fandri@ifi.unicamp.br
IFGW/ MATERIA CONDENSADA ANDRE REBAC DE PAULA 201839 ELEITO TITULAR 15490  arebac13@ifi.unicamp.br
IFGW/DEQ ZAIRO MENDES CRISPIM  24490 ELEITO TITULAR 15453  zairo@ifi.unicamp.br
IFGW/DFA ORIVAL FLORINDO DA SILVA 67474 ELEITO SUPLENTE 15499 orival@ifi.unicamp.br
IFGW/DIRETORIA MILTON DE ALMEIDA E SILVA  82562 ELEITO SUPLENTE 15503  malmeida@ifi.unicamp.br
IFGW/OFICINA MECANICA CENTRAL MARCO ANTONIO FURLAN  252948 ELEITO TITULAR 12056  mfurlan@ifi.unicamp.br
IMECC/APOIO DEP TANIA GUIOMAR PERON  306579 ELEITO TITULAR 15949 taniag@ime.unicamp.br
IMECC/LOGISTICO ACADEMICO GERALDO MARTINS  208957  ELEITO SUPLENTE 15946  gmartins@ime.unicamp.br
IQ/DATO MARCELO COUTINHO DE PAULA 290725 ELEITO TITULAR 15932 coutinho@iqm.unicamp.br
IQ/DATO OFICINA MECANICA WILLIAN DE OLIVEIRA 304676 ELEITO SUPLENTE 15932  woliveira@iqm.unicamp.br
IQ/INSTR .CIENTIFICOS GUSTAVO GIRALDI SHIMAMOTO  301453  ELEITO TITULAR 12093  gustavo@iqm.unicamp.br
IQ/LABORATORIO DE PESQUISA FRANCISCO ADAO DE CAMARGO  62227 ELEITO SUPLENTE 13042 camargo@iqm.unicamp.br
IQ/MANUT. REFRIGERACAO LUPERCIO A. DE MOURA MARTINS  30002 ELEITO TITULAR 15932  lupercio.martins@iqm.unicamp.br
IQ/SEGURANCA MARCELO DA SILVA CALDAS  293938  ELEITO TITULAR 13015  marcelo.caldas@iqm.unicamp.br
PREFEITURA/MANUTENCAO MANOEL JOSE COSTA  199605  ELEITO TITULAR 17697  manoelj@unicamp.br
REITORIA/CECOM MARIA APARECIDA DIETRI  262188 ELEITO TITULAR 19016 mdietri@unicamp.br
REITORIA/CEMEQ/ SIDNEI JOSE DOS SANTOS 224839 ELEITO SUPLENTE 15059 sidneijs@unicamp.br
REITORIA/COCEN/PAGU KARINA G. CUBAS DA SILVA 297467  ELEITO SUPLENTE 11703  karinagc@unicamp.br
REITORIA/DEPI/CPO  FABRICIO MARQUES TARDIVELLI 307501 ELEITO SUPLENTE 18028 marquesf@unicamp.br
REITORIA/DGRH/DAP RICARDO BRAGA DIAS 297731 ELEITO TITULAR 12960  rbraga@unicamp.br
REITORIA/GGUS JORGE LUIZ FLORENCIO  230022  ELEITO TITULAR 18089  jlf@unicamp.br
REITORIA/NEPP  PAULO RICARDO LANGE  302488 ELEITO SUPLENTE 17663  paulorl@unicamp.br 
REITORIA/SVC SIDNEY DA SILVA DOS SANTOS 299496 ELEITO TITULAR 16000  sidneyss@unicamp.br
 
 
CIPEIROS INDICADOS - GESTÃO 2019
(POR ORDEM DE UNIDADE)
 
UNIDADE NOME MATRICULA   SITUAÇÃO RAMAL E-MAIL
BC MARISA CRISTINA DE MORAES COSTA  20630 INDICADO TITULAR 16481 marisa@unicamp.br
BC VANDERLEI PAZIANO DE MATOS   INDICADO SUPLENTE 16731 paziano@unicamp.br
CAISM GIULIANA D’ANGELO MORENO 310774 INDICADO TITULAR - PRESIDENTE 19481 gimoreno@g.unicamp.br
CAISM MARIA JANDIRA BALISTA 156396 INDICADO TITULAR 19433 recepcao@caism.unicamp.br
CAISM ALFREDO VIEIRA CARNAÚBA 295517 INDICADO TITULAR 19488 vieirac@unicamp.br
CAISM FERNANDO HENRIQUE ROELLE 307117 INDICADO TITULAR 18506 froelle@g.unicamp.br
CAISM SOLANGE APARECIDA BARBUTTI 163082 INDICADO SUPLENTE 19486 barbutti@unicamp.br
CAISM LIDIANE CRISTINA DOS SANTOS GAVA 304514 INDICADO SUPLENTE 19308 lidcs@unicamp.br
CCUEC / CENAPAD / GGTE LUIS DE LIMA NETO 308565 INDICADO TITULAR 12215 limalu@unicamp.br
CCUEC / CENAPAD / GGTE TÁCIO GUILHERME DE ARAUJO 301726 INDICADO SUPLENTE 12180 tacioa@unicamp.br
CEMIB MARINA LOPES 248231 INDICADO SUPLENTE 18269 marinal@unicamp.br
COTIL / PFL ANDREZA SILVESTRINI 299061 INDICADO TITULAR 21133383 andreza@cotil.unicamp.br
COTIL / PFL EDMILSON FERNANDO HONÓRIO 84468 INDICADO SUPLENTE 21133392 honorio@cotil.unicamp.br
COTUCA LAUDESSANDRO POLINIERI 303714 INDICADO TITULAR 35219900 sandro@cotuca.unicamp.br
COTUCA LUCIANA MARIA RODRIGUES 69850 INDICADO SUPLENTE 35219954 luciana@cotuca.unicamp.br
COTUCA TÂMARA REGINA DA SILVA VIEIRA 30017 INDICADO SUPLENTE 35219931 tamara@cotuca.unicamp.br
CPQBA SINÉSIO BOAVENTURA JUNIOR 246107 INDICADO TITULAR 21392869 sinesio@cpqba.unicamp.br
CPQBA ADRIANA DA SILVA SANTOS 24101 INDICADO SUPLENTE 21392869 adriana@cpqba.unicamp.br
DGA DIEGO PEREIRA 301739 INDICADO TITULAR 14522 diegop@dga.unicamp.br
DGA LUIZ ANTONIO DOS SANTOS 234290 INDICADO SUPLENTE 15092 lsantos@dga.unicamp.br
FCA DANILO QUEIROS BARBOSA 294791 INDICADO TITULAR 37016655 danilo.barbosa@fca.unicamp.br
FCA ENZO GOMES BEATO 283130 INDICADO SUPLENTE 37016651 enzo.beato@fca.unicamp.br
FCM ANA PAULA DALLA COSTA 303564 INDICADO TITULAR - PRESIDENTE 18951 anadalla@fm.unicamp.br
FCM CAMILA CRISTINA MOREIRA GROSSI 300783 INDICADO TITULAR 17905 camilams@fcm.unicamp.b
FCM MARCIA CRISTINA FORNAZIN 306760 INDICADO TITULAR 19055 fornazin@fcm.unicamp.br
FCM ELAINE MAURI GONZALEZ 306441 INDICADO TITULAR 18910 elainemq@fcm.unicamp.br
FCM FLÁVIA SOARES 310400 INDICADO SUPLENTE 18853 fsoares@fcm.unicamp.br
FCM FERNANDA LONGO PEREIRA 298339 INDICADO SUPLENTE 18847 longo@fcm.unicamp.br
FCM CRISTINA TANIKAWA 297297 INDICADO SUPLENTE 17133 ctanikaw@fcm.unicamp.br
FE ZILMA APARECIDA DOS SANTOS SOARES 201723 INDICADO TITULAR 15550 zilma@unicamp.br
FEA APARECIDO DONIZETTI MOZER 302436 INDICADO TITULAR - PRESIDENTE 10083 mozer66@fea.unicamp.br
FEA MIRIAM CAMILA GARCIA DE LIMA 299511 INDICADO TITULAR 10081 mcamila@fea.unicamp.br
FEA EDUARDO ADILSON ORLANDO 306554 INDICADO TITULAR 12152 eduardo@fea.unicamp.br
FEA VALQUIRIA RODRIGUES FERREIRA 293813 INDICADO TITULAR 12175 valk@fea.unicamp.br
FEA SANDRA REGINA PINHEIRO DE LIMA 300283 INDICADO SUPLENTE 14016 sandrali@unicamp.br
FEA REGIANE PALHARES 300608 INDICADO SUPLENTE 12159 gianedca@fea.unicamp.br
FEA LEANDRO S. CAITANO 302268 INDICADO SUPLENTE 17773 lcaitano@unicamp.br
FEA FREDERICO OLIVEIRA SOARES 197114 INDICADO SUPLENTE 17889 derico@unicamp.br
FEAGRI TÚLIO ASSUNÇÃO PIRES RIBEIRO 250341 INDICADO TITULAR 11112 tulior@feagri.unicamp.br
FEAGRI THIAGO LUIS BRASCO 294249 INDICADO SUPLENTE 11008 thiago.brasco@feagri.unicamp.be
FEC EDSON LUIS MOREIRA 301568 INDICADO TITULAR 12314 lmoreira@fec.unicamp.br
FEC RENATO ANTONIO GOMES 309389 INDICADO TITULAR 12998 renato@fec.unicamp.br
FEEC SOLANGE AUXILIADORA PIANCA ZAGATTO 302833 INDICADO TITULAR 13705 solange@feec.unicamp.br
FEEC LARISSA CRISTINA DELBONI DE SOUZA 307507 INDICADO SUPLENTE 13720 larissa@feec.unicamp.br
FEF MÁRCIO CLEBSON DOS SANTOS ALVES 305461 INDICADO TITULAR 16789 marcio@fef.unicamp.br
FEF HÉLIO VIANA DOS SANTOS 164119 INDICADO SUPLENTE 16767 viana@fef.unicamp.br
FEM ELI PAULINO DE SOUZA 168874 INDICADO TITULAR 13189 eps@fem.unicamp.br
FEM JEFERSON ANTONIO DE SOUZA 118575 INDICADO SUPLENTE 13396 jack@fem.unicamp.br
FENF HENRIQUE CERETTA OLIVEIRA 300897 INDICADO TITULAR 19103 hceretta@unicamp.br
FENF RODRIGO TEGON LORENZI 300451 INDICADO SUPLENTE 18828 lorenzir@unicamp.br
FEQ GILSON BARBOSA MAIA JUNIOR 106551 INDICADO TITULAR 13969 gilson.m.junior@gmail.com
FEQ ALEKSANDER ROGERIO TREVIZAN 208647 INDICADO SUPLENTE 13972 aleks@feq.unicamp.br
FOP REIS MARCELINO COIMBRA JUNIOR 304592 INDICADO TITULAR 21065219 reis@fop.unicamp.br
FOP JOSÉ ALFREDO DA SILVA 286307 INDICADO TITULAR 21065303 alfredo@fop.unicamp.br
FOP WANDERLEI FRANCISCO VIEIRA 275468 INDICADO TITULAR 21065268 bioterio@fop.unicamp.br
FOP MARCELO CORRÊA  MAISTRO 286307 INDICADO TITULAR - PRESIDENTE 21065259 mcmaistro@fop.unicamp.br
FOP MARINA ANGÉLICA MARCIANO DA SILVA 312038 INDICADO SUPLENTE 21065343 marinama@unicamp.br
FOP CRISTIANO MANOEL 29993 INDICADO SUPLENTE 21065717 cristiano.m@fop.unicamp.br
FOP ELISANGELA BARBOSA VENDEMIATTI 300302 INDICADO SUPLENTE 21065720 elisangela@fop.unicamp.br
FOP ISAIAS DOS SANTOS 275441 INDICADO SUPLENTE 21065237 isaias@fop.unicamp.br
FT CLÉSIA MÁRCIA LIZARDO 142441 INDICADO TITULAR 21133458 marcial@ft.unicamp.br
FT JULIANA DA SILVA CAMARGO 154733 INDICADO SUPLENTE 21133366 julianac@ft.unicamp.br
HC JOÃO MARCOS S. QUATTRER 226327 INDICADO TITULAR - PRESIDENTE 18332 jmarcos@hc.unicamp.br
HC CELSO EDUARDO BORGES FERREIRA 306992 INDICADO TITULAR 17560 celso@hc.unicamp.br
HC FELIPE CARRIJO FIGUEIREDO 299350 INDICADO TITULAR 17781 felcarfig@hc.unicamp.br
HC OROZIMBO JOSÉ DAOLIO 307360 INDICADO TITULAR 17869 orojose@hc.unicamp.br
HC RAQUEL DE LOURDES L. VIEIRA 299707 INDICADO TITULAR 17682 raquel@hc.unicamp.br
HC ANTONIO ROVILSON DE FREITAS 287785 INDICADO TITULAR 17031 rovilson@hc.unicamp.br
HC GISLAINE APARECIDA DO CARMO 191281 INDICADO TITULAR 17418 gicarmo@hc.unicamp.br
HC SÉRGIO ALEXANDRE DA COSTA 150517 INDICADO SUPLENTE 17299 serac@hc.unicamp.br
HC WILSON ANTONIO MENDES 166715 INDICADO SUPLENTE 17743 wilsonantonio@hc.unicamp.br
HC BENEDITO LAURIVALDO MARTINS 121720 INDICADO SUPLENTE 17743 beneditomartins@hc.unicamp.br
HC JOSÉ ELMO MARTINS 136107 INDICADO SUPLENTE 17743 madasv@hc.unicamp.br
HC CECÍLIA MARTINS DOS SANTOS ROSSI 299415 INDICADO SUPLENTE 17872 ceciliasantos@hc.unicamp.br
HC FERNANDO MINGATTO DA COSTA AMORIM 300604 INDICADO SUPLENTE 17872 fernandoamorim@hc.unicamp.br
HC NIVALDO BATISTA DA SILVA 89044 INDICADO SUPLENTE 17181 nival@hc.unicamp.br
HEMOCENTRO FABRÍCIO BISCARO PEREIRA 301367 INDICADO TITULAR 18603 fbiscaro@unicamp.br
HEMOCENTRO MARCELA ROVARIZ 306688 INDICADO SUPLENTE 18648 marcelar@unicamp.br
IA MARCOS AURÉLIO BERNARDES DE SOUZA 296840 INDICADO SUPLENTE 12444 laporte@iar.unicamp.br
IB / FCF NILSON BRANCO  253057 INDICADO TITULAR - PRESIDENTE 16289 branco@unicamp.br
IB / FCF ÉRIKA FERRARESSO DOS ANJOS 276341 INDICADO TITULAR 16140 erika_fa@unicamp.br
IB / FCF LIVIA CORDI 290664 INDICADO TITULAR 16180 cordi@unicamp.br
IB / FCF MATHEUS BORGHI  310254 INDICADO TITULAR 17486 matheus.broghi@fcf.unicamp.br
IB / FCF JOSE RAIMUNDO RIBEIRO DOS REIS  251844 INDICADO SUPLENTE 16238 joserai@unicamp.br
IB / FCF WALTER FERREIRA  300038 INDICADO SUPLENTE 16393 wrdf@unicamp.br
IB / FCF  GUSTAVO BUENO BELLINI 308180 INDICADO SUPLENTE 16365 gbellini@unicamp.br
IB / FCF NÚBIA CAMILA DE SOUZA PORFÍRIO  404552 INDICADO SUPLENTE 17486 nubia@fcf.unicamp.br
IC WELLINGTON DE OLIVEIRA HENRIQUE 309358 INDICADO TITULAR 15914 wellington@ic.unicamp.br
IC DENILSON FERREIRA ALVES 300585 INDICADO SUPLENTE 15840 denilson@ic.unicamp.br
IE GREISIANE DE FÁTIMA BENTO DA SILVA 304132 INDICADO TITULAR 15724 greisi@unicamp.br
IE JOSÉ FERNANDO RODRIGUES COSTA 97691 INDICADO SUPLENTE 15705 jrfcosta@unicamp.br
IEL / CEL GERALDO MEDEIROS ANALHA 304618 INDICADO TITULAR 11531 g.analha@iel.unicamp.br
IEL / CEL GERSON SILVA TABOSSI 298123 INDICADO TITULAR 11522 cneris@iel.unicamp.br
IEL / CEL CARLOS ALBERTO NERIS 80764 INDICADO SUPLENTE 11987 gerson@cel.unicamp.br
IEL / CEL EDMILSON ANTONIO ORTOLAM 130737 INDICADO SUPLENTE 11989 ortolan@cel.unicamp.br
IFCH REGINALDO ALVES DO NASCIMENTO 298226 INDICADO TITULAR 11574 realves@unicamp.br
IFCH LEANDRO FERREIRA MACIEL 299821 INDICADO SUPLENTE 11685 lmaciel@unicamp.br
IFGW ARNALDO LUIZ LIXANDRÃO FILHO 299490 INDICADO TITULAR - PRESIDENTE 10142 allfilho@ifi.unicamp.br
IFGW CEZAR RODRIGUES AGUIARDOSSANTOS 303561 INDICADO TITULAR 12131 rodrigoc@ifi.unicamp.br
IFGW MARCOS VINICIUS PUYDINGER DOS SANTOS 297949 INDICADO TITULAR 15502 puyding@ifi.unicamp.br
IFGW ROSANE PALISSARI 287997 INDICADO TITULAR 15288 paliss@ifi.unicamp.br
IFGW LUCIA REGINA RIO 198668 INDICADO SUPLENTE 15300 regina@ifi.unicamp.br
IFGW JULIO CESAR GUEDES 193674 INDICADO SUPLENTE 14135 jcguedes@ifi.unicamp.br
IFGW AYRES NERI DA CUNHA JÚNIOR 298179 INDICADO SUPLENTE 10287 ayres@ifi.unicamp.br
IFGW EDSON PEDRO CECILIO JUNIOR 303484 INDICADO SUPLENTE 15395 edfisico@ifi.unicamp.br
IG EDINALVA DE NOVAIS SHULTZ 196797 INDICADO TITULAR 14195 edinalva@ig.unicamp.br
IG MAICON DIEGO NUNES 290627 INDICADO SUPLENTE 14560 maicon@ig.unicamp.br
IMECC OSVALDINO RODRIGUES DOS SANTOS 192007 INDICADO TITULAR 15969 dino@ime.unicamp.br
IMECC ALEXANDRE JONATAS PINA 304695 INDICADO SUPLENTE 15995 alexandre@ime.unicamp.br
IQ CAIO NAVAKI DE OLIVEIRA 298122 INDICADO TITULAR - PRESIDENTE 13410 nakavaki@iqm.unicamp.br
IQ HENRIQUE PIVA VARANELLI 299164 INDICADO TITULAR 13019 henriquepiva@iqm.unicamp.br
IQ JOSÉ DIVINO BARBOSA 8973 INDICADO TITULAR 13012 jbarbosa@iqm.unicamp.br
IQ JOSÉ AILTON SIMPLÍCIO DA SILVA 271659 INDICADO SUPLENTE 13122 jascio@iqm.unicamp.br
IQ BARBARA LEITE TACARAMBI SANTOS 301698 INDICADO SUPLENTE 12100 barbara.tacarambi@iqm.unicamp.br
IQ DENISE CRISTINA B. G. NASCIMENTO 178551 INDICADO SUPLENTE 13005 denise@iqm.unicamp.br
IQ ALINE GUADALUPE COELHO 298134 INDICADO SUPLENTE 13429 alineguadalupe@iqm.unicamp.br
IQM MARCELO MEIRA FALEIROS 303763 INDICADO TITULAR 13013 marcelo.faleiros@iqm.unicamp.br
PREFEITURA CÁSSIA MARIA LEME DE PAULO 298307 INDICADO TITULAR 16438/16429 cassialp@unicamp.br
PREFEITURA JEFFERLHE BARBOSA DA SILVA 108600 INDICADO SUPLENTE 17835 jeff@unicamp.br
REITORIA EGIDIO VEGLIA 299900 INDICADO SUPLENTE 14681 egidiov@unicamp.br
REITORIA CLOVIS DE SOUZA 80268 INDICADO SUPLENTE 16742 clovis@unicamp.br
REITORIA ANTONIO CARLOS CARVALHO RIBEIRO 308121 INDICADO SUPLENTE 14693 accr@unicamp.br
REITORIA/CASA DO LAGO ALTAMIRO JOSÉ DA SILVA 126223 INDICADA TITULAR 17701 mirojsilva@reitoria.unicamp.br
REITORIA/CPO LUCIANA FERNANDES DE SOUZA 273694 INDICADA TITULAR 14584 lucianat@unicamp.br
REITORIA/DGRH FERNANDA MARIA ANDRADES VARGAS 290436 INDICADO TITULAR 15183 fersouza@unicamp.br
REITORIA/PFL IRINEU ALVES DE MORAES FILHO 150819 INDICADO TITULAR 21133320 irineu.filho@pfl.unicamp.br
REITORIA/PFL MARCIO ANTONIO TORRIELLI 90034 INDICADO SUPLENTE 37016767 marcio.torrielli@pfl.unicamp.br
SVC JOEL GOMES DE SOUZA 285064 INDICADO TITULAR 16000 jsouza@unicamp.br
SVC WALDOMIRO LEAL 302028 INDICADO TITULAR 16000 wleal@unicamp.br
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
30/10/2018

21, 22 e 23 de novembro de 2018
Anfiteatro do HC - 3º andar

Inscrições abertas!

 

ATENÇÃO: Para se inscrever, procure o Representante de Treinamento da sua Unidade/Órgão. Ele encaminhará a lista dos inscritos para a Educorp.


PROGRAMAÇÃO

  • 21 de novembro

    09:30
    Abertura do Curso de Formação para Cipeiros - Gestão 2019

    10:30
    Palestra: Dengue Palestrante: Enfa. Edite KazueTaminaga

    Formada pela Faculdade de Enfermagem da UNICAMP, Coordenadora do Nucleo de Vigilância Epidimiológica do CECOM

    14:00
    Palestra: Prevenção de Doenças Sexualmente Transmissíveis
    Palestrante: Dra. Mariana Vogt
    Cirurgiã Dentista formada pela UNESP , metrado pela FOP/Unicamp, responsável pelo CTA IST Hepatites Virais 

     
  • 22 de novembro

    09:00
    Palestra: Prevenção e Combate a Incêndio 

    14:00 
    Palestra Primeiros Socorros


    ​Palestrante: Prof. Márcio Clebson dos Santos Alves 
    Formando em Educação Física pela UNIP.  Instrutor e credenciado pelo Corpo de Bombeiro da Policia Militar


     
  • 23 de novembro
     
    09:30
    Atividade Motivacional
    José Henrique de Souza (Henrique Carioca) - Dançoterapeuta: Samba Fitness, Dança terapêutica de salão, Dança Integrativa e mapa vital oracular - Consultor de projetos na Educação, Cultura,Saúde e Social "Deficiência intelectual, saúde mental, vulnerabilidade social e idosos. Criador de técnicas e metodologia de vendas de produtos em empresas.

    11:00
    Explanação da NR-5

    Palestrante Jacques Gama
    Supervisor Técnico Seção Área da Saúde - Divisão de Segurança do Trabalho - DSTr

    15:00
    Palestra: Segurança Elétrica, atendimento da NR-10

    Tópicos a serem observados, implantado em uma empresa: mapa de risco, riscos elétricos, fiscalização segurança elétrica e serviços em eletricidades na Unicamp e empresa terceirizadas e instalações elétricas
    Palestrante: Eng. Octávio Alberto Franco
    Engenheiro eletricista com especialização em engenharias, segurança do trabalho e meio ambiente. Professor convidado nos cursos de especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho da UNICAMP e UNASP. Consultor e instrutor dos treinamentos da NR-10 da UNICAMP e empresas privadas.

     

 

 
 
17/08/2018

Nome Matrícula Local de Trabalho
1 ANA FLORIANA RODRIGUES 190080 INSTITUTO DE BIOLOGIA LABORATORIO DE MICROSCOPIA ELETRONICA              
2 ADRIANA APARECIDA AGOSTINHO 188921 HOSPITAL DAS CLINICAS SERVICO SOCIAL                                     
3 ERICO PIMENTA 306221 COTUCA SECRETARIA DISCENTE                                               
4 ZAIRO MENDES CRISPIM 24490 INSTITUTO DE FISICA - IFGW DEPARTAMENTO DE ELETRONICA QUANTICA - DEQ     
6 EDINALVA DE NOVAIS SCHULTZ 196797 INSTITUTO DE GEOCIENCIAS SIOM                                            
7 DISNEY RICARDO THOMAZELLI 252841 FEQ DEMBIO                                                               
8 WAGNER PIZANI GUIDI 276278 FEC DGT - GEOTECNIA E TRANSPORTES                                        
9 JOSE ALFREDO DA SILVA 213420 FOP/BIOQUIMICA CIENCIAS FISIOLOGICAS                                     
10 FABIO ANDRIJAUSKAS 303566 IFGW CCJDR                                                               
11 CARLOS ROBERTO DE SOUZA 76112 FEEC/RH SECAO RECURSOS HUMANOS                                           
12 ELOI CARDOZO NETO 217263 HC/DEM COMPRAS                                                           
13 RODRIGO GONCALVES SILVESTRE 294934 FACULDADE DE TECNOLOGIA COORDENACAO DE GRADUACAO                         
14 WANDERLEI FRANCISCO VIEIRA 275468 FOP/BIOTERIO BIOTERIO                                                    
15 LUIZ FRANCESQUINI JUNIOR 306978 FOP/UNICAMP ODONTOLOGIA SOCIAL                                           
16 MAURO BRASILEIRO 112771 FEA - ADMINISTRACAO CENTRO DE INFORMATICA                                
17 JULIO CESAR GUEDES 193674 IFGW ELETRONICA QUANTICA                                                 
18 VASCONCELOS DA SILVA 293371 CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM              
19 MARCELO LUIS DA SILVA 181323 FEA BIBLIOTECA                                                           
20 PAULO RICARDO LANGE 302488 NEPP INFORMATICA                                                         
21 WANDERSON DE SOUZA VIANA 307987 CAISM DIRETORIA DO SERVICO DE FINANCAS                                   
22 SILVIA REGINA SHIROMA 304899 INSTITUTO DE ARTES BIBLIOTECA                                            
23 MARCO ANTONIO FURLAN 252948 IFGW OFICINA MECANICA CENTRAL                                            
24 SIDNEY DA SILVA DOS SANTOS 299496 SECRETARIA DE VIVENCIA NOS CAMPI VIGILANCIA                              
25 FATIMA APARECIDA VILELA 301920 INSTITUTO DE ARTES DEPARTAMENTO DE ARTES CENICAS                         
26 GERALDO MARTINS 208957 IMECC SECAO DE APOIO LOGISTICO ACADEMICO-SALA                            
27 KATIA CRISTINA LOURENCO DIAS 217476 FOP CLINICA                                                              
28 MARCELO DA SILVA CALDAS 293938 INSTITUTO DE QUIMICA DIRETORIA DE SEGURANCA                              
29 PAULO SERGIO DO AMARAL 251917 IQ PESQUISA                                                              
30 KELLY CRISTINA SOLA DE LIMA 291692 HOSPITAL DAS CLINICAS CENTRO CIRURGICO                                   
31 KARINA GAMA CUBAS DA SILVA 297467 COCEN/PAGU BIBLIOTECA                                                    
32 LUPERCIO ANTONIO DE MOURA MARTINS 300027 IQ MANUTENCAO REFRIGERACAO                                               
33 CAROLINA GASETA 300850 HOSPITAL DE CLINICAS DIVISAO DE SUPRIMENTOS                              
34 CLOVIS TRISTAO 181579 FEAGRI SINFO                                                             
35 ANA CRISTINA BERNICCHI 272868 HC UNICAMP ELETROCARDIOGRAMA                                             
36 MAURO AUGUSTO BARBOZA DIAS 24295 FOP/CLINICA DE GRADUACAO SECRETARIA DA CLINICA                           
37 JULIANA APARECIDA FRACAROLLI 307168 FEAGRI CONSELHO INTEGRADO DE TECNOLOGIA DE PROCESSOS                     
38 GIOVANI ARCHANJO BROTA 296768 FEAGRI LABORATORIO DE MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO                         
39 RICARDO BRAGA DIAS 297731 REITORIA/DGRH DAP/IDFDEC                                                 
40 DULCIOMARA INES LEOCADIO LIMA COSTA 210498 LABORATORIO COLETA                                                       
41 MARCELO COUTINHO DE PAULA 290725 INSTITUTO DE QUIMICA DATO                                                
42 TIAGO SOARES ROCHA 301902 IB DEMIB - DIVISAO DE ENGENHARIA E MANUTENCAO                            
43 APARECIDA DE SOUSA PEREIRA 168696 HC/LPC COLETA                                                            
44 SILVIA HELENA MARTINS GONCALVES 191604 HC/LPC COLETA                                                            
45 FRANCISCO ADAO DE CAMARGO 62227 IQ LABORATORIO DE PESQUISA                                               
46 FABRICIO MARQUES TARDIVELLI 307501 DEPI CPO DIVISAO DE OBRAS                                                
47 WILLIAN SERAFIM 301833 IC DINFO                                                                 
48 DANIEL BOSSO 275611 FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL DSA                                        
49 LEANDRO GOMES DE OLIVEIRA 301538 FCA BIOTERIO                                                             
50 SIDNEI JOSE DOS SANTOS 224839 REITORIA/CEMEQ MECATRONICA/ELETROMECANICA                                
51 LUANA MICHELE GANHOR 295065 FOP COORDENADORIA DO CAMPUS                                              
52 ALVARO GALETTE JUNIOR 166049 FCM SUPRIMENTO/FINANCAS                                                  
53 MICHEL FERNANDO PENA 298284 INSTITUTO DE COMPUTACAO SECRETARIA ACADEMICA                             
54 ANA PAULA DALLA COSTA 303564 FCM/CP CLINICA MEDICA                                                    
55 ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA 108928 COTUCA DAD/DIRETORIA ADMINISTRATIVA                                      
56 ROSANA MARCIA SARTORI 234222 FOP CLINICA DE GRADUACAO                                                 
57 MIRIAM CRISTINA ALVES 256137 IFCH-AEL PROCESSOS TECNICOS                                              
58 LIZABETE SANTOS SPOSITO 305861 HC ENFERMARIA DE CARDIO/PNEUMO ENFERMAGEM                                
59 JOSE REINALDO FEITOZA DA SILVA 119890 FEA DEA - ENGENHARIA DE ALIMENTOS                                        
60 OTONIEL FELICIANO 149977 BCCL DTI                                                                 
61 ANTONIO DIAS JUNIOR 84387 DEPI/CPO INFORMATICA                                                     
62 JORGE LUIZ FLORENCIO 230022 REITORIA/GR/DEPI/GGUS GRUPO GESTOR UNIVERSIDADE SUSTENTAVEL              
63 ANDRE REBAC DE PAULA 201839 IFGW DEPARTAMENTO DE FISICA DA MATERIA CONDENSADA (DFMC)                 
64 MILTON DE ALMEIDA E SILVA 82562 IFGW DIRETORIA                                                           
65 MARCIA BENEDITA DE OLIVEIRA 275034 FACULDADE DE EDUCACAO BIBLIOTECA                                         
66 ORNEY MAURO JUNIOR 306541 IFCH DIRETORIA FINANCEIRA                                                
67 ALTAMIRO JOSE DA SILVA 126233 PROEC/REITORIA CASA DO LAGO                                              
69 WALDOMIRO LEAL 302028 SECRETARIA DE VIVENCIA NOS CAMPI VIGILANCIA                              
70 MARIA APARECIDA DIETRI 262188 REIT/PRDU/CSS/DIRENF/ENFMUL AAM/CECOM                                    
71 ROGERIO MARQUES DA SILVA 87891 FACULDADE DE CIENCIAS MEDICAS PATRIMONIO                                 
72 GETULIO MARCELINO GOMES 308186 FCM PROTOCOLO                                                            
73 AIRTON BATISTA DE AVILA 92011 IMECC SECAO DE APOIO OPERACIONAL                                         
74 GUSTAVO GIRALDI SHIMAMOTO 301453 IQ SALAS DE INSTRUMENTOS CIENTIFICOS                                     
75 TANIA GUIOMAR PERON 306579 IMECC SECAO DE APOIO AOS DEPARTAMENTOS                                   
76 LISANDRA ALVES DE SOUZA 261017 CAISM DIVEN                                                              
77 REGINALDO EUZEBIO 161357 HOSPITAL DE CLINICAS DIVISAO DE ENGENHARIA E MANUTENCAO                  
78 WILLIAN DE OLIVEIRA 304676 INSTITUTO DE QUIMICA DATO OFICINA MECANICA                               
79 CARLOS ROBERTO CUSTODIO DE ALMEIDA 138282 INSTITUTO DE BIOLOGIA FISIO VEGETAL                                      
82 DANIEL ROGERIO ALVES 296008 COLEGIO TECNICO DE LIMEIRA SECAO DE TRANSPORTES                          
83 ANDERSON DE OLIVEIRA VENTURINI 302694 CPO INFORMATICA                                                          
84 ORIVAL FLORINDO DA SILVA 67474 IFGW DEPARTAMENTO DA FISICA APLICADA (DFA)                               
85 MARIA APARECIDA DOS SANTOS 195529 HOSPITAL DAS CLINICAS SAC                                                
86 MANOEL JOSE COSTA 199605 PREFEITURA MANUTENCAO                                                    
87 JOAO HENRIQUE COUTINHO TOMAZ 294890 FEA UNICAMP ADMINISTRACAO CENTRAL                                        
88 ELSON ANDRE DA SILVA 268208 CEMIB SPF-B1                                                             
89 ISAIAS DOS SANTOS 275441 FOP TRANSPORTE                                                           
90 RUDNEI CAVALHEIRO 259055 HOSPITAL DAS CLINICAS ENFERMAGEM AMBULATORIO OFTALMO                     
92 MORGANA RONCOLATTO 284050 HC CARDIO PNEUMO                                                         
93 ANTONIO ALVES FERREIRA FILHO 228931 IB DEMIB                                                                 
94 ANTONIO ROVILSON DE FREITAS 287785 HC/INFORMATICA SUPORTE E PRODUCAO                                        
95 ONOFRE B. FERNANDES 82121 COTUCA MOTORISTA                                                         
96 RITA DE CASSIA CARVALHO 84778 FACULDADE DE TECNOLOGIA RECURSOS HUMANOS                                 
97 ALDO GOMES SANTOS 70041 GRAFICA - DGA GRAFICA                                                    
98 LUISA FUMIKO OKAMOTO 126276 REITORIA - DGA CONTROLE PATRIMONIAL                                      
 
03/07/2018

Clique aqui para acessar (formato pdf)

 
03/07/2018

Participe das ações de prevenção de acidentes, de saúde, segurança e meio ambiente da universidade. Ajude a tornar os processos de trabalho mais seguros. Para isso, você terá
treinamentos, palestras, cursos. Torne-se um agente multiplicador de saúde e segurança. Os cipeiros são protegidos pela lei na participação destas atividades em prol da universidade.

  • Inscrições: 03 a 28/07/2018
  • Eleição: 28 e 29/08/2018

QUEM PODE SE CANDIDATAR
Poderão votar e ser votados todos os servidores desta Universidade, funcionários ou docentes, com qualquer vínculo funcional.

QUEM NÃO PODE SE CANDIDATAR
Contratados por prazo determinado; Que no período das inscrições estiverem cumprindo pena disciplinar; Que não estiverem em efetivo exercício; Que esteja em período probatório, no entanto podem ser indicados.

Para se inscrever, preencha o formulário abaixo:

 
25/04/2018

 participe
  • 14 DE MAIO (Auditório do GGBS - prédio da DGA)

    08h30 às 12h00

    ABERTURA COM MESA DE AUTORIDADES

    1ª PALESTRA - COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA
    Rubens Queiroz de Almeida - trabalha na unicamp, no centro de computação, desde 1988. é autor dos livros: "Linux - dicas e truques", "As palavras mais comuns da língua inglesa", "Read in english - uma maneira divertida de aprender inglês", colaborador na confecção dos livros "A leitura nos oceanos da internet" e "Desafios do magistério".

    2ª PALESTRA - DIREITOS HUMANOS: O QUE SERIA ISSO NO MUNDO DO TRABALHO?
    Profª Draª Néri de Barros Almeida - coordenadora do comitê gestor do pacto universitário pela promoção do respeito à diversidade, pela cultura da paz e pelos direitos humanos na Unicamp (MEC / Ministério da Justiça).

    14h30 às 17h00 

    SEM LIMITES - O PODER DE VIVER SEU POTENCIAL
    Orlando Furlan - Diretor Acadêmico da Unicamp - DAC, especialista em Gestão Estratégica de Empresas pela Unicamp.

     
  • 15 DE MAIO (Auditório do GGBS - prédio da DGA)

    9h00 às 10h00 - CECOM 
    DENGUE E ARBOVIROSES
    Edite Kazue Taninaga - Enfermeira

    10h00 às 11h00 - CECOM 
    IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PARA A SAÚDE
    Ana Lúcia Carletti Moraes - Nutricionista

    14h00 às 15h30 - CECOM 
    DSTs / HIV  - Drª Mariana Vogt - Cirurgiã Dentista - Cta 
    ALCOOLISMO / TABAGISMO  - Tânia Maria Granzotto - Assistente Social - Viva Mais

    15h30 às 16h30 - CECOM 
    QUALIDADE DO SONO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES
    Drª Ana Paula Manfredi Moreira - Cirurgiã Dentista

     
  • 16 DE MAIO (Auditório do GGBS - prédio da DGA)
     

    08h30 às 12h00
    PRIMEIROS SOCORROS CORPO DE BOMBEIROS
    Márcio Clebson dos Santos Alves - instrutor de urgência e emergência aquático e educador físico pela Unesp  
    João Gomes de Oliveira - Terceiro Sargento Reformado da Polícia Militar e Instrutor do Centro de Formação de Bombeiros Civil Hortofire

    14h00 às 17h00
    A IMPORTÂNCIA DO MAPA DE RISCO
    Alexandre David Fico - Formado em Engenharia Ambiental, é Engenhista do Trabalho pela USP. Proprietário da Clínica Fico - Saúde Ocupacional - Campinas

 

 
17/04/2018

GESTAO 2018A reunião extraordinária, realizada no dia 16 de março, sob a supervisão do presidente da Cipa Unicamp Genézio Lima de Mesquita, definiu os membros que comporão o quadro administrativo do órgão, na gestão 2018.

Foram eleitos pelos cipeiros:
Tiago Soares Rocha (vice-presidente),
Raquel Lourdes Lopes Vieira (secretária) e
Washington Roberto Rodrigues da Silva (secretário substituto).

 
22/11/2017

 

 Para baixar a listagem completa de Cipeiros, em PDF, clique aqui 

 

 

 

 

 

 
20/10/2017

Campinas, 20 de Outubro de 2017

Prezada comunidade da Universidade Estadual de Campinas, segue abaixo a lista dos Votos Apurados da Eleição 2017:

(clique aqui para baixar o PDF)

 

resultado final eleitos 1

resultado final eleitos 2

resultado final eleitos 3

resultado final eleitos 4

 
01/09/2017

A Eleição para os membros da Cipa gestão 2018 acontece no período de 17 a 19 de outubro de 2017. Acesse os materiais informativos abaixo para mais informações.

Cartaz   Boletim
         
 
09/02/2017

O curso de BPL é uma parceria da CIPA Unicamp, Educorp e CPQBA

  • OFERECIMENTO: 20/03/2017 – 02/05/2017

  • HORÁRIO: 09h às 12h

  • Local: Educorp e CPQBA

  • PÚBLICO-ALVO: servidores da Unicamp, alocados em laboratórios, docentes e pesquisadores.

  • OBJETIVO: apresentar conceitos básicos e fundamentais sobre qualidade em laboratório e contribuir com o conhecimento, compreensão e competência de funcionários para trabalhar em pesquisa, assim como em aulas práticas, em conformidade com a norma BPL

  • EMENTA

CLIQUE AQUI para fazer sua pré-inscrição (até dia 03/03/2017)

 

 

 
20/12/2016

CLIQUE AQUI PARA SE INSCREVER

 
03/11/2016

 

PRIMEIRA VOTAÇÃO DA CIPA COM ACESSIBILIDADE EM BRAILE

Neste ano (2016), a eleição da CIPA ofereceu maior acessibilidade para os eleitores que possuem deficiência visual.  Com apoio da pedagoga da CEPRE/FCM Fátima Aparecida Gonçalves Mendes, especializada na área de deficiência visual foram criadas cédulas em braile, garantimos a autonomia dos mesmos. [ id=140]

 
03/11/2016

Para conferir o arquivo em PDF, CLIQUE AQUI

ENCERRAMENTO DO CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE DE LABORATÓRIOS

No dia 24 de Outubro de 2016, encerrou-se o curso de Gestão da Qualidade de Laboratórios, promovido pela EDUCORP, em parceria com a CIPA. O curso foi coordenado pela Prof.ª Ms. Consuelo Rico Salgueiro, avaliadora do INMETRO, e contou com apoio da Prof.ª Dr.ª Gisela de Aragão Umbuzeiro (FT-Unicamp).

A importância da adoção de processos de gestão da qualidade

O curso trouxe noções gerais sobre sistema e ferramentas da qualidade e as principais normas da qualidade aplicáveis a laboratórios. A adoção de sistema de gestão da qualidade nos laboratórios tende a trazer a confiabilidade dos resultados, o bom uso dos recursos, e a segurança dos seus usuários, bem como de toda a comunidade vizinha e meio ambiente.

A contribuição do curso para os trabalhadores da Unicamp

A capacitação de funcionários em Gestão da Qualidade em Laboratórios tende a contribuir para melhoria da qualidade das atividades de ensino, pesquisa e extensão, bem como para a promoção da segurança nos laboratórios da Unicamp. [ id=138]

 
01/11/2016

Confira baixo a Lista Completa dos Cipeiros Eleitos e Indicados para a Gestão da CIPA 2016/2017:

Para baixar o documento em PDF, CLIQUE AQUI

 lista simplicada page 001lista simplicada page 002

 
27/10/2016

Para abrir o arquivo em PDF, CLIQUE AQUI

LEGENDA:

  • Candidatos Titulares estão listados em vermelho;
  • Candidatos Suplentes estão listados em azul;
  • Candidatos não eleitos estão listados em branco;

apuracao1.1apuracao2.2

 
26/10/2016

A CIPA apresentou trabalhos no Simpósio de Profissionais da Unicamp – VI SIMTEC, que aconteceu nos dias 27 e 28 de setembro de 2016 na Universidade.

O evento é organizado por servidores da Unicamp integrantes das diversas áreas atuação, com o intuito de expor trabalhos e ações institucionais, desenvolvidas nas atividades diárias na instituição.

A CIPA colaborou com trabalhos em forma de pôsteres e de comunicação oral através de Informatização da CIPA e Criação do Site; Planejamento Coletivo dos trabalhos da CIPA, Formação dos cipeiros no Curso de Extensão de Ergonomia da Atividade e o Projeto Laboratório Seguro, Preservando Vidas, que foi selecionado para apresentação oral.

Parabenizamos todos os cipeiros que desenvolveram trabalhos de  qualidade e contribuem significativamente para a melhoria das atividades nos seus postos de trabalho, com mais segurança nos ambientes de trabalho. 

Para conferir todas as fotos do evento na íntegra, CLIQUE AQUI [ id=136]

 
26/10/2016

O Grupo de Diabetes do CECOM convida você, que é diabético, para uma avaliação "dos seus pés". É uma maneira de prevenir das complicações!

Agende sua "consulta do Pé" na recepção, ou venha ( mesmo sem agendar) nos dias do Evento. Participe também de Palestras:

Palestra - Sala de Reuniões do CIPOI:

  • 11/11/2016 das 8h30 às 10h00 

A "Consulta do pé" ocorrerá em 3 dias diferentes:

  • 11/11/2016 das 10h00 às 12h30;
  • 18/11/2016 das 10h00 às 12h30;
  • 25/11/2016 das 08h00 às 18h00.

O CECOM com o apoio do ambulatório de pé diabético do HC, tem o prazer de lhe convidar para participar de uma atividade no mês de Novembro que irá contribuir com a sua saúde. Queremos pegar no seu pé!!!! Faremos um exame completo do seu pé.

Autoria: Zilda Oliveira de Farias - Reitoria/DEdIC - CIPA [ id=137]

 
15/09/2016

Um quadro de precarização dos serviços da Auditoria Fiscal do Trabalho e do próprio Ministério do Trabalho foi detalhado por participantes do Fórum Permanente “A Inspeção do Trabalho e Reformas Trabalhistas” que durante esta quarta-feira, 14, debate os temas, sob a perspectiva das relações entre capital e trabalho.

O evento ocorre no Centro de Convenções da Unicamp e é uma realização da Coordenadoria Geral da Universidade (CGU). 

De acordo com o auditor Magno Pimenta Riga, convidado da primeira mesa de debates, a inspeção do trabalho passa por uma série de problemas no Brasil, a ponto de, em algumas unidades, faltar inclusive papel para a realização de trabalhos.

Antes da mesa de debates, a cerimônia de abertura teve a participação dos organizadores do fórum.  “O evento reflete a tradição da universidade de intervenção no debate nacional dos temas mais importantes que dizem respeito a vida nacional”, afirmou o docente Denis Maracci Gimenez, diretor-adjunto do Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho (Cesit), do Instituto de Economia da Unicamp, um dos organizadores do fórum.

Ler post completo [ id=129]

 
13/09/2016

O projeto que envolve as metodologias da cartografia social e o Green Maps ou “mapa verde”, ferramentas que relacionam nos mapas os pontos positivos, negativos e situações de conflito no espaço territorial está sendo coordenado pela professora Emilia Rutkowski, da FEC.

Estão programadas ao todo 32 oficinas com a participação de toda a comunidade universitária. “Vamos fazer uma oficina por unidade de ensino e pesquisa, uma oficina na área administrativa central, uma na área de saúde, que é diferenciada, uma de centros e núcleos, uma da área de serviços e moradia, CPQBA e o Cotuca”, afirma a professora.

Ler post completo

 
29/06/2016

DEBATE "EM DEFESA DO SUS"
 
A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho (Cipa) e o Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU) promoveram, dia 30 de junho, às 14h30, no auditório II da Diretoria Geral da Administração (DGA), uma mesa de debates com os seguintes palestrantes:

- Profº Dr. Gastão Wagner de Sousa Campos – Docente do Departamento de Saúde Coletiva (DSC) da Faculdade Ciências Médicas (FCM) da Unicamp.

- Débora Melecchi – Diretora da Federação Nacional dos Farmacêuticos e Vice-Presidente do Sindicato dos Farmacêuticos do Rio Grande do Sul.

- Pedro Tourinho – Médico Sanitarista e Vereador de Campinas.

Na ocasião, eles abordaram o tema “Defender o SUS - saúde como direito de cidadania e dever do Estado: uma conquista democrática” 

O evento foi aberto à comunidade da Unicamp. 

APOIO: Pró-Reitoria de Pesquisa.

 
[ id=106]
 
 
 
30/05/2016

Vídeo "Especial SIPAT Unicamp - 2016"   - Apoio da RTV

 Acesse o link: https://www.youtube.com/watch?v=Ip50jomqpks

A SIPAT-2016 contou com 500 participantes. Foi um evento  muito expressivo  e elogiado, graças a atuação dos cipeiros e colaboradores, que não mediram esforços para garantir a sua realização.

A SIPAT tem destacado o papel da CIPA na Universidade e suas ações na saúde e segurança da comunidade. Este ano levantamos a bandeira da segurança de todos que aqui estudam e trabalham, inclusive dos alunos.

Além das palestras com diversas abordagens do mundo do trabalho e da saúde física e mental, contamos também com a brilhante participação dos alunos dos Projetos de Arte e Cultura do SAE.  Do Coral da Unicamp "Ziper na Boca", do Coral UniversIDADE, que emocionou a todos os presentes,  por ser composto de integrantes com mais 50 anos. E para encerrar apreciamos a boa música popular brasileira dos músicos, Antonio Barreto e Luiz Manoel - na FCA em Limeira.

 Nossos agradecimentos a todos pelo apoio e participação. 

[ id=101]

 

 
25/05/2016

Participe!!!

O Fórum Refletir,  em parceria com a DGRH,  realizará  no dia 03/6, das 9h30 às 12h, no Auditório da FCM, o debate com o tema "Assédio Moral faz mal a saúde".  O objetivo é oferecer espaço para que servidores, docentes e alunos possam se informar e debater sobre questões relacionadas à vivência no campus. 

Os interessados em participar devem enviar email para 
refletir@reitoria.unicamp.br com o assunto "INSCRIÇÃO 3º REFLETIR", tendo no corpo do e-mail o nome completo do interessado, seu vínculo com a Universidade (se é funcionário, pesquisador, docente ou aluno) e a Unidade ou Órgão onde trabalha ou estuda.  Veja a programação completa:

 

O evento está aberto à participação de toda a Universidade, e contará com a seguinte programação:

9h30 - Recepção com café
9h45 - Abertura oficial
10h - Assédio moral faz mal à saúde - Prof. Dr. Roberto Heloani (FE / IFCH Unicamp)
11h - Práticas abusivas nas relações de trabalho - Maria Aparecida Quina de Souza (Coordenadora da DGRH)
12h - Encerramento

O assédio

De acordo com o portal do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), 
assédio moral pode ser definido como "toda e qualquer conduta (gesto, palavra, atitude etc) que, intencionalmente e frequentemente fira a dignidade e a integridade física e psíquica de uma pessoa". 

O portal "Assédio Moral" da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) explica 
algumas das formas que esse assédio pode assumir:

·  Ações diretas: acusações, insultos, gritos e humilhações;

·  Ações indiretas: propagação de boatos, isolamento do indivíduo e recusa na comunicação.

Além disso, o portal aponta que as práticas podem ocorrer "de cima para baixo" (do chefe para seus subordinados) como "de baixo para cima" (dos subordinados para seu chefe). Porém, há casos em que o assédio não é intencional, seja por falta de conscientização por parte de quem realiza como por parte de quem recebe.

Para isso, diversas instituições se mobilizam para informar o indivíduo (seja chefe ou funcionário) sobre seus direitos e deveres.

DGRH

Em junho de 2015, a DGRH participou da 
audiência pública sobre o tema, realizada no HC pelo procurador do Ministério Público Eduardo Amgarten. Na ocasião foram apresentadas as medidas e procedimentos adotados pela DGRH desde 2007 que buscam a prevenção e o acompanhamento das chamadas "práticas abusivas nas relações de trabalho", que englobam o assédio moral.

Em setembro do ano passado foi firmado entre a Unicamp e o Ministério Público o 
TAC (Termo de Ajuste de Conduta) nº 303.2015, que reforçou o cumprimento, por parte da Instituição, da legislação trabalhista a respeito do problema. Pouco depois, a DGRH publicou a Instrução Normativa nº 003/2015, que orienta o servidor sobre como prevenir, apurar e denunciar as práticas abusivas (principalmente o assédio moral) que podem ocorrer em seu ambiente de trabalho.

 
Para saber mais sobre o evento, acesse a página do 
Fórum Refletir.


Fonte: Portal DGRH

   

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO
www.dgrh.unicamp.br

 

 

 
24/05/2016

PARTICIPE!!!!!

“Unicamp: construindo uma trajetória sustentável”

        Inscrição e Programação

 http:/www.cgu.unicamp.br/ggus/semana_meio_ambiente

 

 
16/05/2016

Sipat destaca importância das Cipas
diante da grave conjuntura nacional

16/05/2016 - 14:25
 
 
 
  • Mesa de abertura da Sipat no Centro de Convenções
  • Público da Sipat: organização frente à conjuntura
Mesa de abertura da Sipat no Centro de Convenções

Mesa de abertura da Sipat no Centro de Convenções

 
Público da Sipat: organização frente à conjuntura

Público da Sipat: organização frente à conjuntura

 

Foi aberta na manhã desta segunda-feira a Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho (Sipat), dentro das comemorações dos 50 anos da Unicamp. O evento prossegue até 19 de maio, com palestras no Centro de Convenções da Unicamp, no Auditório da Diretoria Geral da Administração (DGA) e nos campi de Piracicaba e de Limeira. Para esta edição, o tema será “Avançando na segurança, saúde e educação”, abordando a importância da educação e da cultura de prevenção, a formação continuada para os trabalhadores e as condições seguras para todos que utilizam os espaços da Universidade para estudos e atividades laborais. 

A Sipat é organizada pelas Comissões Internas de Prevenção de Acidentes no Trabalho (Cipas) da Unicamp, da Funcamp, de Limeira e de Piracicaba, todas representadas na mesa de abertura. Representando o professor Alvaro Crósta, coordenador geral da Unicamp, o assessor da CGU José Reinaldo Braga ressaltou a importância de as Cipas estarem organizadas diante da difícil conjuntura política e econômica no país. “Nos próximos meses veremos um ataque frontal aos direitos dos trabalhadores. Devemos fortalecer nossa organização para que a Unicamp não sofra um risco ainda maior.” 

Seguindo na mesma linha de raciocínio, Rosângela Martinhago, presidente da Cipa da Unicamp, afirmou que é a luta pela democracia, cidadania, liberdade de opinião e respeito às diferenças que garante a vitalidade e autonomia da Universidade. “Nós e muitos desta mesa somos de uma geração que lutou pelos princípios da democracia, pela CLT, pela Previdência Social, pelo SUS. É de vital importância contar com a juventude nesses eventos, a fim de garantir o cumprimento desses princípios fundamentais aos trabalhadores e ao serviço público de qualidade.” 

A palestra de abertura da Sipat foi concedida pelo médico Jamiro da Silva Wanderley, docente da Faculdade de Ciências Médicas (FCM), mostrando como “Como manter a saúde mental”. A palestra da tarde foi com o professor Satoshi Kitamura, do Departamento de Saúde Coletiva da FCM e diretor da Divisão de Saúde Ocupacional da Unicamp, que falou sobre “Os fatores que interferem na geração de uma doença ocupacional”. 

A programação traz ainda os seguintes temas: “Organização e análise ergonômica do trabalho”, “Análise de acidentes com material biológico: uma contribuição do ponto de vista da Ergonomia”, “A importância de um sistema de gestão da qualidade em laboratório de pesquisa”, “Direitos trabalhista e previdenciário: desafios da atualidade” e “Ergonomia”. Além das palestras, que estão sendo transmitidas online em http://www.ggte.unicamp.br/transmissao, o evento conta com apresentações artísticas de alunos dos programas culturais do Serviço de Apoio ao Estudante (SAE).

Acompanhe as noticias da SIPAT-2016 pelo link abaixo: 

http://www.unicamp.br/unicamp/noticias/2016/05/16/sipat-destaca-importancia-das-cipas-diante-da-grave-conjuntura-nacional

 

 

 
04/05/2016

Em 27 de abril de 2016, Ana Cristina Alves de Almeida e Rosângela Maria Galante Martinhago, estiveram no Cecom, em reunião com Lila Léa Cruvinel - assessora e a Dra Tâmara Maria Nieri – Diretoria Médica.  Rosângela apresentou a demanda do GT por registros e dados de acidentes com alunos na universidade, principalmente em laboratórios. Dra Tâmara esclareceu que o Cecom só tem registros de acidentes na Unicamp com funcionários celetistas.  Para os demais segmentos, não há esse registro. Lila destacou que as unidades/ órgãos devem zelar pela segurança em suas dependências e devem ter sua forma de registro de acidentes.

A CIPA elaborou um formulário que será disponibilizado pelo CCUEC  no módulo CIPA no aplicativo  "Unicamp Serviços" para a comunidade universitária comunicar intercorrências quando presenciar ou se envolver em algum tipo de acidente ou de risco individual ou coletivo. [ id=100]

 

 
03/05/2016

A CIPA Unicamp em parceria com a Pró-Reitoria de Pesquisa – PRP realizou uma Palestra sobre a saúde do trabalhador e sua alimentação, no dia 28 de abril de 2016, às 14h00 no auditório da DGA, com a Profº Dra. Gláucia Maria Pastore – Pró-Reitora de Pesquisa. A participação dos cipeiros e da comunidade superou as expectativas. Conforme a Profª Gláucia “os alimentos vão além da função de nutrir o organismo, eles também melhoram o nosso desempenho físico e mental.” A palestra teve cobertura do Grupo Gestor de Tecnologias Educacionais e transmissão Online.

As próximas palestras estão agendadas para o dia 30 de maio de 2016 às 14h00 no Auditório II da DGA, com o Profº Dr. Mário Maróstika - “A importância das frutas na saúde” e no dia 30 de junho de 2016 – com o Profº Dr. Juliano Bicas – “Desvendando os mitos sobre os aditivos de alimentos”.

Não percam! As inscrições são feitas por palestras e estarão disponíveis no site da PRP. [ id=99]

 
29/04/2016

 
29/04/2016

Com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (Preac) da Unicamp, o Grupo Indígena Sabuká - Kariri Xocó participa de diversas atividades culturais na Universidade. Na semana passada passou pela Faculdade de Educação e pelo Colégio Técnico da Unicamp, o Cotuca (veja fotos). O evento no colégio aconteceu dentro do projeto Conexão Cultural, da Coordenadoria de Desenvolvimento Cultural (CDC), ligada à Preac. Na próxima quinta-feira, dua 28, a roda de conversa e as apresentações indígenas ocorrem no Teatro de Arena do Ciclo Básico II. No programa de atividades também constam oficinas de pintura corporal e exposição de artesanatos.

O objetivo do Sabuká - Kariri-xocó, que há três anos vem realizando trabalhos educacionais, culturais, vivenciais e de divulgação e fortalecimento de sua cultura na região, é dar continuidade na construção de laços de parceria e troca de conhecimentos estabelecidos entre escolas, grupos e centros culturais, universidades, entre outros.

Nos encontros, crianças, jovens e adultos poderão sanar dúvidas, vivenciar e aprofundar conhecimentos sobre a cultura Kariri-Xocó assim como saber um pouco mais sobre a história e a situação política dos povos indígenas nordestinos. 

 
19/04/2016

A CIPA Unicamp visitou os alunos do curso de Segurança do Trabalho do COTUCA-UNICAMP para convida - los para participar da SIPAT que acontecerá de 16 à 19 de Maio de 2016.

Os alunos, professores e coordenados do COTUCA foram muito receptivos e atenciosos com a nossa equipe. [ id=98]

 
04/04/2016

Dando sequência às ações previstas para 2016, o Grupo de Trabalho da Dengue da Unicamp reuniu-se com integrantes da Cipa (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho) para reforçar a parte de prevenção e vistoria em todas as unidades dos campi de Campinas, Limeira e Piracicaba. “É papel dos cipeiros realizar uma vistoria semanal principalmente neste período mais crítico, que vai de março a junho, buscando e eliminando criadouros e mantendo a rotina estabelecida para o resto do ano. O cuidado agora deve ser redobrado, já o Aedes aegypti é o mesmo vetor para zika e chikungunya”, observa Rôse Trevisane, presidente da GT da Dengue e coordenadora adjunta do Cecom (Centro de Saúde da Comunidade). 

Na avaliação de Rôse Trevisane, a comunidade da Unicamp demonstrando uma mobilização cada vez maior contra a dengue e as outras doenças causadas pelo Aedes, o que se comprova em números: o Cecom teve 58 casos notificados nos três primeiros meses deste ano, contra aproximadamente 170 no mesmo período de 2015. “Há um envolvimento dos segmentos da Universidade, como da Prefeitura do Campus, que nos solicitou que os vigilantes fossem treinados para identificar e eliminar criadouros durante as rondas de rotina. São exemplos de como a comunidade está mais sensibilizada.” 

Rosângela Martinhago, presidente da Cipa da Unicamp, informa que 224 cipeiros atuam nas unidades dos três campi e também no CPQBA (Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas) em Betel. “Os cipeiros já fazem as vistorias regularmente, montando mapas e planilhas que são encaminhadas aos diretores de unidades. Membros da Cipa estão acompanhando o Cecom e a Prefeitura de Campinas para vistorias na Moradia Estudantil e em imediações acessíveis de prédios do campus. Eles estão organizados localmente e trabalham não só na prevenção de doenças, como no mapeamento de risco e prevenção de acidentes.” 

A presidente da Cipa aproveitou o encontro da tarde de sexta-feira para divulgar a Sipat 2016 – Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho, que será realizada de 16 a 19 de maio, no Centro de Convenções. Nesta edição, sob o tema “Avançando na segurança, saúde e educação”, a Sipat destacará a importância da educação e da cultura da prevenção em saúde e segurança do trabalho junto a todos que utilizam os ambientes da Universidade. Outro foco do evento estará na saúde físico-emocional dos membros da comunidade.

 
04/04/2016

O Departamento de Saúde Coletiva da FCM/Unicamp convida a todos(as) para o debate "As políticas Públicas em tempos de crise", na próxima sexta-feira:
 
Data: 08 de abril de 2016
Horário: das 12h às 14h
Local: Salão Nobre da FCM
 
Debatedores:
Prof. Dr. Nelson Rodrigues dos Santos (DSC/FCM/Unicamp)
Prof. Dr. César Nunes (Faculdade de Educação/ Unicamp)
Prof. Dr. Pedro Paulo Bastos (Instituto de Economia/ Unicamp)
 
"O problema da democracia só se resolve com mais democracia"
 
31/03/2016

Membros do Conselho Universidade Sustentável (COUS) da Unicamp discutiram na manhã desta quarta-feira (30), durante reunião na sala do Conselho Universitário (Consu), os mecanismos para economizar energia elétrica. O consumo atual da Universidade é de R$ 1,5 milhão por mês. A expectativa dos dirigentes da Unicamp é procurar reduzir energia elétrica em pelo menos 30% num prazo mínimo de dois anos, segundo Alvaro Crósta, presidente do Conselho e coordenador geral da Universidade. 

O grupo, destacou ele, pretende chegar a um plano de gestão de energia, visto que a Unicamp é grande e complexa, com várias unidades hospitalares e laboratórios de pesquisa. “Nossa preocupação é buscar economia de alguma forma, tanto de orçamento quanto de energia”, ressaltou. "Por outro lado, sabemos que o fornecimento de energia é variável no Brasil, por sua base ser hidrelétrica em sua maior parte, variando com o regime de chuvas." 

O maior gasto da Unicamp, contou o presidente, é com ar-condicionado. “Mas esse consumo é necessário porque temos equipamentos e ambientes que necessitam desse item ligado às vezes até por 24 horas diariamente. Também ele é utilizado para conferir conforto térmico às pessoas em suas atividades”, salientou Crósta. 

De acordo com Teresa Dib Zambom Atvars, conselheira do COUS e pró-reitora de Desenvolvimento Universitário, o Planejamento Estratégico (Planes) de 2016-2020 criou uma estratégia corporativa chamada sustentabilidade, que trata de diversos assuntos da Universidade, entre eles energia. "A economia de energia é um tema mundial. E os países estão tendo cada vez mais dificuldade de gerar energia a um baixo custo. Portanto todas as pessoas, órgãos e instituições têm que preservá-la. Energia não é um recurso para ser desperdiçado porque ele custa para ser produzido, e custa muito, inclusive em impacto ambiental”, ressaltou. 

"Em uma universidade como a nossa", afirmou ela, "energia não pode mais ser apenas um tema de pesquisa. Ela precisa ser incorporada à gestão. Então o que nós estamos fazendo, desde o começo do ano passado, é trabalhar a questão da energia não só para economizar mas para ter uma universidade sustentável.”

Teresa Atvars explicou que a sustentabilidade é uma estratégia corporativa e que a energia parte dela. “Então temos que economizar, mesmo porque a nossa conta de luz é alta. Também temos que economizar energia porque ela é um bem que a sociedade produz para nós e que se esgota."

Além da energia hidrelétrica, energias alternativas (como a eólica e a solar, por exemplo) estão sendo introduzidas no mercado brasileiro. No mercado europeu e americano isso já acontece há mais tempo. "São fontes que geram energia mas que devem ser empregadas dentro de um consumo consciente. Caso contrário, de nada adianta”, sustentou Teresa Atvars. "As propostas que temos tido são boas e vão se desdobrar em planos de ação. Se tivermos compromisso com a execução, colheremos bons resultados. Estou muito otimista com esse trabalho”, opinou a pró-reitora.

Debate
Conforme Juliano Henrique Finelli, coordenador executivo do Grupo Gestor Universidade Sustentável (GGUS), essa é a primeira reunião extraordinária do Conselho para abordar energia de modo mais específico. Já houve uma reunião ordinária há cerca de um mês, quando foi instalado o Conselho. O COUS é responsável por discutir normativas e diretrizes para a Unicamp alcançar sustentabilidade. Ele tem atualmente 31 membros e sete câmaras técnicas, que versam sobre a qualidade do ar, gestão dos resíduos, gestão de ambiente urbano, gestão da fauna e flora, gestão dos recursos hídricos, gestão de energia e gestão de educação ambiental. 

As restrições orçamentárias na Universidade e a escassez de água, há alguns meses, fomentaram esses debates. “Estamos realizando um diagnóstico de como a Unicamp consome a sua energia, como é a qualidade desse consumo e quais são os equipamentos, o tipo de unidade e a sua relação com a energia (iluminação, ar-condicionado, equipamentos, ociosidade de consumo). Com esse diagnóstico em mãos, poderemos melhorar a gestão energética da Unicamp", acredita Juliano. Leia mais sobre o COUS.

 
29/03/2016

O Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU) está lançando a “Biblioteca Digital Zika” (BDZ), plataforma aberta que disponibiliza publicações do mundo todo relacionadas às doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypt. O foco principal, que originou o desenvolvimento da plataforma, é o zika vírus. Mas também estão lá informações sobre os estudos da chikungunya e da dengue. A biblioteca digital foi criada, a princípio, com o objetivo de atender aos pesquisadores da Rede Zika Unicamp, uma ideia inicial da Pró-reitoria de Pesquisa (PRP). O desenvolvimento teve a participação das bibliotecas do Instituto de Química (IQ), Instituto de Biologia (IB) e da Faculdade de Ciências Médicas (FCM).

Já são 200 artigos disponíveis sobre o tema na BDZ. O conteúdo, segundo a coordenadora da SBU Regiane Alcântara Bracchi, foi estruturado de acordo com os grupos de trabalho da Rede Zika Unicamp: caracterização molecular e biológica, mecanismos de imunopatogenicidade, novas metodologias de diagnóstico, estratégias de bloqueio da transmissão e controle do mosquito e epidemiologia, imunologia e repercussões clínicas. Os coordenadores de cada grupo validaram palavras-chave para a busca por publicações. A pró-reitora de Pesquisa, professora Gláucia Maria Pastore, disse que a importância da BDZ é enorme, "pois permite que as pessoas possam acessar as mais recentes publicações sobre o tema e assuntos tangentes a ele". Ela acrescenta que "de forma muito rapida, os pesquisadores têm acesso a uma série de informacoes, sem que eles necessitem buscar de forma individual e todos que compõem a rede Zika podem ter disponiveis informações de todos os aspectos deste grande e complexo estudo".

“O diferencial dessa biblioteca digital é que ela reúne todas as publicações em uma única plataforma, então o pesquisador não vai precisar entrar em todas as bases de dados para pesquisar sobre o tema”, afirma o diretor de gestão de recursos da SBU Márcio Souza Martins. A busca por palavras-chave validadas por pesquisadores da área também torna a biblioteca bastante específica e técnica. Márcio, Regiane, a diretora da tecnologia da informação Daniela Feijó Simões, o diretor de tratamento da informação Oscar Eliel e a bibliotecária Michele Lebre de Marco compõem a equipe que desenvolveu em tempo recorde de duas semanas a Biblioteca Digital Zika.

“A BDZ é uma plataforma digital de informações que abrange todos os aspectos científicos relacionados ao assunto. Por se tratar de um vírus pouco conhecido e com alto potencial de propagação, existe atualmente uma grande proliferação de iniciativas de pesquisas do vírus Zika, em todo o mundo. Isto resulta numa igual proliferação de artigos científicos, livros, relatórios e notícias, divulgadas em vários tipos de mídia. A BDZ tem por objetivo coletar e disponibilizar essa vasta gama de informações em um único sítio eletrônico, resultando em grande economia de tempo aos pesquisadores que necessitam dessas informações para dar suporte às suas pesquisas”, afirma o coordenador geral da Unicamp, professor Alvaro Penteado Crósta.

Regiane salienta que a equipe da SBU procurou as informações mais relevantes nas fontes de pesquisa, entre elas as principais bases de dados de produção científica existentes no mundo na área de saúde. A plataforma também funciona como um portal, à medida que apresenta dados sobre fontes de financiamento, análises da produção científica, vídeos e notícias sobre o assunto. Embora a plataforma seja aberta, ou seja, pode ser acessada por qualquer pessoa pela internet, alguns conteúdos que são de bases de dados com assinatura Unicamp, podem ser restritos aos computadores com IP Universidade. “Nesse caso, como nós mantemos um chat com um bibliotecário, podemos estudar a disponibilização para o interessado”, ressalta Regiane.

Desde o dia 14 de março, quando a BDZ foi colocada no ar, importantes instituições já acessaram seus conteúdos. Foram mais de mil acessos neste período, destacando que ainda não havia sido feita a divulgação da Biblioteca. Acesse a BDZ.

 
15/03/2016

No dia 02 de março de 2016, a CIPA esteve presente na inauguração da Escola de Educação Corporativa da Unicamp (EDUCORP), ex-AFPU. A luta por uma escola de formação continuada é uma reivindicação antiga dos funcionários. Na gestão do Reitor Profº Dr. Hermano José Tavares foi implantado a AFPU (Agência de Formação Profissional da Unicamp) que durou 16 anos e a partir desta experiência tão positiva e o do apoio da Gestão do atual Reitor,  Profº Dr. José Tadeu Jorge, foi construído prédio para a Escola.

Este novo espaço representa uma conquista para os trabalhadores que receberão a formação permanente e de qualidade. E para a Unicamp que tem o desafio de garantir o conceito de melhor universidade brasileira.  Por isso a necessidade de formação de novas lideranças, multiplicação de conhecimentos e capacitação dos seus funcionários que garantem  o suporte técnico e acadêmico para o ensino, pesquisa e extensão. [ id=97]

 
09/03/2016

No dia 09 de março, o Grupo de Trabalho da Dengue, que a CIPA faz parte, realizou uma reunião com os ATUs e ATDs das unidades e foram  elencadas as seguintes as ações emergenciais de combate ao mosquito da Dengue, Zika, Chikungunya, que são:

As unidades devem realizar vistoria da dengue, semanalmente. A prevenção é tarefa de todos. Os cipeiros são essenciais nestas ações pois recebem treinamentos nos cursos da CIPA.

1- Realizar vistorias nas unidades, semanalmente área interna e externa (vistoriar reservatórios geladeiras, vasos, ralos, plantas, copinhos descartáveis e jardins).A proposta é que nos meses críticos: março, abril, maio, outubro, novembro e dezembro, a vistoria seja semanal, por causa do ciclo de reprodução do mosquito (7 dias), nos demais meses a vistoria deverá ser quinzenal.

2- Fazer o que for necessário na unidade para eliminar os possíveis criadouros. O que não estiver ao alcance da unidade, enviar o problema para e-mail dengue: dengue@unicamp.br que deverá ser direcionado para os órgãos competentes.

3- Participar do mutirão da dengue, na moradia estudantil no dia 22 de março de 2016. Organizado pelo GT Unicamp e Visa Norte. Comparecer às 8h30 na Portaria Principal da Moradia. Levar um saco preto grande.

4- Reunião Extraordinária da CIPA com o Cecom, no dia 01 de abril de 2016, às 14h00 no auditório da DGA. Trazer as informações das unidades, planilhas das vistorias realizadas/ e ou relatórios).

AS PLANIHAS PARA VISTORIA E AS RECOMENDAÇÕES E DÚVIDAS ENCONTRAM-SE NO SITE DA CIPA: www.sergio.gr.unicamp.br/dengue E CECOM: http://dengue.cecom.unicamp.br

Nesta reunião além dos membros do Grupo de trabalho da Dengue, que tem como presidente a Rose Clélia do Cecom, esteve presente o Profº Dr. Paulo César Montagner, chefe de Gabinete, que está apoiando as ações e pedindo que todos independente da sua função assumam esta campanha na Universidade.

Qualquer dúvida entrar em contato com os membros da CIPA Unicamp que compõem o GT da Dengue são : Aldo Gomes Santos ( DGA- R.15085) e Divinair Alves da Silva ( FEA- 10013).

 
09/03/2016

 
06/03/2016

 
03/03/2016

Fruto das ações do Grupo de Trabalho (GT) da Dengue na Unicamp que tem como representantes da CIPA Aldo Gomes Santos e Divinair Alves da Silva, acaba de ser criado um e-mail institucional para receber comunicados de possíveis criadouros ou focos da dengue nos campi da Universidade. O dengue@unicamp.brpode ser acionado pela comunidade interna da Universidade [não é para o publico externo], visando informar possíveis situações onde o mosquito causador da dengue possa agir. A criação do e-mail vem junto com um protocolo de pronta resposta para as demandas, em que estão definidos os setores da Universidade que farão as ações após o recebimento das mensagens eletrônicas. [ id=96]

Em nova reunião do GT nesta manhã, na Reitoria da Unicamp, foi aprovado o fluxograma para o pronto atendimento às mensagens recebidas, assim como o protocolo a ser seguido pelas equipes envolvidas. No dia 9, quarta-feira da próxima semana, o GT Dengue tem uma reunião programada com Assistentes Técnicos de Unidades (ATUs) e Assistentes Técnicos de Direção (ATDs), visando repassar orientações sobre as ações nos campi.

“Reconhecer Dengue, Zika e Chikungunya como problemas de saúde coletiva traz a necessidade de envolver toda a comunidade em sua resolução. Cada aluno, funcionário e professor da Unicamp pode participar informando problemas em suas unidades, usando para isso o e-mail que está sendo divulgado”, diz a médica Patricia Asfora Falabella Leme, coordenadora do Centro de Saúde da Comunidade (Cecom) e que ajudou a elaborar o fluxograma de pronta resposta ao Aedes Aegypt na Unicamp.

O GT Dengue já havia se reunido no mês passado, quando seus integrantes debateram o plano de ação de combate ao mosquito Aedes aegypti e às doenças por ele transmitidas. As medidas, que estão sendo executadas ao longo de todo o ano no campus de Barão Geraldo, obedecem a quatro eixos: Vigilância Epidemiológica, Controle do Vetor, Assistência e Educação e Comunicação. As iniciativas contidas no plano de ação serão continuadas. Elas seguem as diretrizes definidas pelo Ministério da Saúde e Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Diversas medidas são executadas em parceria com a Prefeitura de Campinas.

 
03/03/2016

08/03/2016- CEAMO/SOS Mulher itinerante - das 11h00 à 15h30 - UNICAMP (ao lado da Reitoria)
                        Tenda montada ao lado da reitoria - com distribuição de material e acolhimento

10/03/2016  - Fórum Faces e fases do feminismo: conhecer, lutar, empoderar - das 13h30 às 19h00
                          Salão vermelho - Prefeitura Municipal de Campinas - Av Anchieta, 200 - Centro Campinas
                          13h30 - Credenciamento
                          14h00 - 15h00 Momento Acolhimento com a Professora de biodanza Rita de Cássia Guernelli Signori
                          15h00 - Mesa de abertura - representantes OAB/Defensoria Pública/Sindicato SEAAC/ Atleta Conceição Geremias/SMCAIS/Secretaria de Educação/ Secretaria da Pessoa com Deficiência/ Coordenadoria da Saúde da Mulher/ Promotoras legais Populares/CMDM 
                          15h40 - palestras : Faces e fases do feminismo
                                                            Mulher, participação política e eleições 2016
                                                            Saúde da Mulher 
                          17h40 - Coffee break

12/03/2015 - Ato Público organizado pelos movimentos de mulheres - 09h00 - Concentração Estação Cultura

18/03/2016 - Mulheres em Movimento - 08h30 às 12h00 - Espaço Cultural Maria Monteiro - Avenida Cardeal Dom Agnelo Rossi, s/n - Vila Padre Anchieta (3282-0024)
                        
 
8h00 às 8h30 - Café da manhã
8h30 às 8h50 Abertura
8h50 às 9h20 (Teatro) - Palestra "Mulheres empreendedoras" com Maria Paula de Castro Santos (Consultora Sebrae)
8h50 às 9h20 (Salão de Festas) Roda de Conversa com adolescentes  "Pornografia de Vingança"
9h20 às 9h50 Palestra Mulheres no Mercado de Trabalho com Lilia Coutinho (CPAT)
9h50 às 10h40 Microfone aberto
10h40 às 11h30 Oficina Artesanato com Projeto Novo Amanhecer
10h40 às 11h Oficina de Zumba com Renato Kender
11h Apresentação Grupo Esther de Dança do Ventre
* Presença do SEBRAE Movel e Serviços CPAT
(Teremos Espaço infantil - Biblioteca Cora Coralina

Realização: Intersetorial Estrela / CRAS Vila Regio / Espaço Cultural Maria Monteiro/CPTI 
/ União Brasileira de Mulheres / Conselho Municipal dos Direitos da Mulher/ 
Apoio:  Secretaria de Cidadania, Assistência e Inclusão Social
             Secretaria de Cultura
             Secretaria de Desenvolvimento econômico e Turismo
         

20/03/2016 - Ação social - 09h00 às 15h00 - Praça Maria P da Silva Machado, Jd Aurelia (em frente a igreja Santa Edwiges) 
                       Corte de cabelo / zumba/ distribuição de material/  intervenção cultural/sorteio de brindes
                       Realização :União Brasileira de Mulheres/CMDM

26/03/2016 - Encontro de Mulheres da região dos Amarais - CEU Vila Esperança
                         
08h00 - Café da manhã
                         
08h30 - Saúde da Mulher - Dra Valeria Aguiar Ceriani
                        
 09h00 - Crise e mulheres empreendedoras - Cléo Dias Conselho da Mulher e UBM

                         09h30 - Educação e gênero Maria Inês Faria Ribeiro
                         10h30 - Dança do Ventre
                                       Teremos Espaço infantil 

                        Realização : AMORAC / União Brasileira de Mulheres / CMDM

 
01/03/2016

Nos dias 23 e 24 de fevereiro de 2016, na abertura e na Oficina de Usuários, os representantes da CIPA, Zilda Oliveira de Farias e Aldo Gomes Santos estiveram presentes na revisão do Planejamento Estratégico do Centro de Saúde da Comunidade – CECOM, como representantes da CIPA e usuários.

Pela primeira vez juntos parceiros apoiadores, funcionários(as) e usuários sentaram para propor ações e melhorias necessárias para o próximo período de 2016 a 2019. Também reforçaram a manutenção dos programas positivos nas várias especialidades, que já foram implementados para toda comunidade, que precisa utilizar destes serviços de saúde na Unicamp.

Parabenizamos a iniciativa do CECOM de inovar e agregar parceiros e usuários nesta nova etapa de trabalho.

 
26/02/2016

Depois de muita luta,  as professoras da Divisão de Educação Infantil e Complementar (Dedic) Unicamp, com o apoio do Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp, Faculdade de Educação e do Reitor da Unicamp, Profº Dr. José Tadeu Jorge conseguiram iniciar, no dia 25 de fevereiro de 2016,  um Curso de especialização, modalidade extensão, com o tema "Educação de Crianças e Pedagogia da Infância" inicialmente para 40 professoras do sistema de educação da universidade. A aula inaugural, bem como a solenidade de abertura, aconteceu nesta 5ª feira,  auditório da FE.

Participam do curso professoras do Centro de Convivência Infantil (CECI), da Creche da Área da Saúde (CAS) e do Programa de Desenvolvimento e Integração da Criança e do Adolescente (Prodecad). O reitor José Tadeu Jorge, presente à cerimônia, destacou que a realização do curso é a continuidade de um processo iniciado em sua gestão, que interrompeu uma operação de desmonte da educação infantil que vinha em curso na Unicamp.

Tadeu Jorge citou ações para a valorização da Dedic como a recomposição do quadro de professoras e o processo de credenciamento das creches da universidade. A especialização, durante o período de trabalho, atende inclusive, de acordo com o reitor, à exigência de implementação de um terço da jornada de trabalho para a formação e o planejamento do professor. O reitor ainda enfatizou que o sistema de educação infantil da Unicamp deve servir como modelo para as gestões públicas."Estamos fazendo isso pelas nossas crianças, pela qualificação do trabalho com as nossas crianças", disse.

Sob a coordenação da professora Adriana Momma, da FE, o curso terá 405 horas, subdivididas em cinco eixos: fundamentos da educação com crianças, gestão e pesquisa, cotidiano e ação pedagógica, educação e diferença, seminário de pesquisa. A elaboração da proposta do curso foi resultado das discussões de um grupo de trabalho, com a paticipação de docentes de várias unidades da Unicamp. As discussões se deram na Comissão Permanente de Formação de Professopres (CPFP), ligada à Pró-reitoria de Graduação (PRG). Serão 23 docentes, 20 deles da própria Unicamp, dois da Prefeitura Municipal de Campinas e um da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar).

A professora da Dedic, Zilda de Oliveira Farias, ressaltou a conquista histórica para a educação infantil da universidade. "A qualidade da educação começa nas creches", afirmou. A diretora geral da Dedic, Cristiane Tourinho, comemorou: "a universidade está nos dando tudo e as crianças agradecem. Nós precisamos estudar cada vez mais para entender a criança que está chegando para nós".
O coordenador-geral da Unicamp, Alvaro Crósta, também exaltou a importância das creches públicas. "Vamos cuidar neste curso de aspectos importantes na educação infantil que são negligenciados. Vamos dar o exemplo que vai repercutir em todo o sistema público".

Também participaram da cerimônia os pró-reitores de Graduação, Luis Alberto Magna; de Extensão, João Frederico da Costa Azevedo Meyer; de Pesquisa, professora Gláucia Pastore; a vice-presidente da CPFP Eliana Ayoub; o diretor da FE, Luiz Carlos de Freitas, e Maria Aparecida Quina de Souza, coordenadora da DGRH. A professora Ana Lúcia Goulart de Faria, da FE, enviou um vídeo de boas-vindas. No intervalo entre a aula inaugural com o professor Luiz Carlos de Freitas e a cerimônia de abertura do curso houve uma apresentação circense.

 
26/02/2016

A CIPA UNICAMP  e a Divisão de Segurança do Trabalho - DSTr marcaram presença na calourada,  ingressantes 2016,  com os equipamentos de segurança do Projeto Laboratório Seguro e os informativos abaixo  no dia 26 de fevereiro de 2016, no saguão do Pavilhão Básico II - Unicamp: [ id=94]

 



 

 
26/02/2016

A CIPA foi convidada pela  Profº Glaucia para uma reunião no dia 23 de fevereiro de 2016, onde foram apresentados 05 linhas de pesquisa que estão sendo desenvolvidos pelos grupos de pesquisadores de várias unidades da Unicamp. O objetivo da Rede Zika é aglutinar esforços para a realização de estudos, diagnósticos rápidos, remédios, vacinas,  tudo que possa contribuir para a prevenção e tratamento das doenças provocadas pelos mosquitos Dengue, Zika Vírus, Chikungunya.  [ id=95]

 

 

 

 
25/02/2016

A CIPA com apoio da FEAGRI realizará no 2º semestre de 2016, o Curso de Extensão de “Ergonomia da Atividade: Análise Ergonômica do Trabalho” para os cipeiros. O curso foi aprovado pelo Profº Dr. Paulo César Montagner, Chefe de Gabinete da Reitoria e com apoio da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários da Unicamp.

O curso está sob a responsabilidade do Profº Dr. Mauro José Andrade Tereso – Docente da FEAGRI, com início das aulas em 16 de agosto de 2016 e término em 16 de dezembro 2016. São 30 vagas e um total de 51 horas, teóricas e práticas. No final os cipeiros apresentarão trabalhos, estudos da análise ergonômica do trabalho, a ser realizado nos seus próprios locais de trabalho.

Objetivos:

* Capacitar os cipeiros a partir de uma metodologia teórica e prática;

* Prevenir os acidentes de trabalhos e doenças relacionadas ao trabalho nas unidades;

* Formar cipeiros para serem multiplicadores destes conhecimentos;

* Conscientização da comunidade universitária;

* Possibilitar que os trabalhadores elaborem propostas para transformações concretas, quando necessárias, no ambiente de trabalho para condições mais seguras.  [ id=93]

 
25/02/2016

O cipeiro Aldo Gomes Santos - DGA, participou da reunião do Grupo de Trabalho do Cecom, no Gabinete da Reitoria, no dia 22/02/2016, onde foi aprovado  o plano de ação para prevenção e combate ao mosquito da dengue, Zika vírus e Chikungunya (anexo no Menu - CIPA - Documentos - Dengue).
Os cipeiros  realizam vistorias nas suas unidades,  há vários anos, conscientizando a comunidade, elaborando relatórios aos gestores  e mantendo o local limpo de possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypty.

 

 
25/02/2016

A CIPA Unicamp faz parte do Conselho de Orientação Universidade Sustentável - COUS. Este Conselho foi instalado no dia 24 de fevereiro de 2016, na sala do Consu. É presidido pelo professor Alvaro Crósta, coordenador geral da Unicamp, e que tem como membros todos os pró-reitores, além de docentes e outros profissionais da comunidade. O COUS é um órgão complementar do Grupo Gestor Universidade Sustentável (GGUS) e tem a missão de elaborar, propor, aprovar, acompanhar e fiscalizar a execução das políticas, normas e procedimentos técnicos inerentes à sustentabilidade nos campi da Unicamp. 

Na reunião realizada na sala do Conselho Universitário (Consu) também foram apresentadas as composições das Câmaras Técnicas que vinham sendo formadas desde meados do segundo semestre de 2015. As CTs é que ficarão responsáveis por programas e ações visando à sustentabilidade nas áreas de energia, recursos hídricos, fauna e flora, ambiente urbano, resíduos, qualidade do ar e educação ambiental – atividades que deverão ser aprovadas e acompanhadas pelo COUS. “É um momento significativo da nossa história enquanto universidade pública”, disse Alvaro Crósta. 

O coordenador geral lembrou que a dimensão ambiental na gestão da Universidade mereceu todo um capítulo no programa da atual administração e que vários pontos vinham sendo discutidos desde 2013, culminando com a instalação deste Conselho de Orientação. “Mais para trás, vemos que a Unicamp vem se empenhando em atividades nesta área desde a virada para os anos 2000, como na coleta seletiva e em plantio de árvores em mananciais. Em 2001 teve início a gestão de resíduos, com a criação em 2003 do Grupo Gestor de Resíduos (GGR), cuja atuação serviu de modelo para outras universidades brasileiras. São atividades que foram a semente do COUS, que vem consolidar nosso sistema de gestão.” 

Segundo Alvaro Crósta, em função dos compromissos de programa desta administração, em abril de 2015 a Unicamp se filiou à Rede Internacional de Campus Sustentável (ISCN), criada por um fórum global de líderes acadêmicos e que reúne algumas das mais destacadas universidades do mundo. “O objetivo desta rede é incentivar e intercambiar o conhecimento sobre boas práticas de gestão de campi sustentáveis. Participamos do seu encontro anual, em Hong Kong, e esperamos que em anos futuros possamos ir apresentar nossos estudos de caso como exemplos para outras universidades.” 

O coordenador geral explicou que, como parte deste processo, uma resolução do Gabinete do Reitor instituiu o Grupo Gestor (GGUS), encarregado de operacionalizar as políticas discutidas no COUS. “Um ponto que interliga várias iniciativas é a aprovação pelo Consu, em dezembro, do Planes [Planejamento Estratégico] para o período 2016-2020, onde a questão da sustentabilidade aparece com bastante destaque. Lembrando ainda que na COP-21 [Conferência Mundial sobre o Clima] houve o compromisso dos países por uma diminuição significativa de emissão do carbono – e isso precisa refletir em todos os níveis, principalmente nas universidades, que devem formar as próximas gerações de profissionais e pesquisadores para que as metas sejam atingidas.” 

Política ambiental
Juliano Finelli, coordenador executivo do Grupo Gestor Universidade Sustentável (GGUS), informou que os programas formulados pelas Câmaras Técnicas e aprovados pelo COUS é que comporão o Sistema de Gestão Universidade Sustentável – programas que deverão ser adotados por toda a Unicamp. Finelli acrescentou que os valores preconizados são a ambientalização, preservação ambiental, valorização dos saberes, diálogo inclusivo, qualidade de vida, consumo socioambiental consciente e responsável, uso eficiente dos recursos, responsabilidade socioambiental e valorização e integração com as populações vizinhas. “Vale acrescentar que o termo de compromisso assumido pela Unicamp junto à ISNC contém princípios como de que a sustentabilidade deve ser parte integrante do planejamento, construção, renovação e operação das edificações dos campi; e que as instalações e as atividades de pesquisa e ensino devem ser conectadas visando à criação de um ‘laboratório vivo’ para a sustentabilidade socioambiental.”

 
29/01/2016

A primeira reunião mensal da CIPA Unicamp realizada, no dia 26 de janeiro de 2016, às 14h00 na CB-03 contou com a participação expressiva dos cipeiros, que mostraram grande interesse na participação nos grupos de trabalho, com base no planejamento participativo da gestão 2015-2016.

Foram constituídos os seguintes grupos: Ergonomia, Laboratório Seguro, Saúde, Mapa de Riscos Ambientais, Comunicação e Comissão de Segurança.

Os cipeiros apresentaram relatos e sugestões de discussão e ações na universidade para combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika, e chikungunya e apresentaram informes das reuniões realizadas nas suas unidades.

Na reunião, também foi apresentada a programação preliminar da Semana Interna de Prevenção de Acidentes (SIPAT-2016), a ser realizada entre os dias 16 e 19 de maio, no Centro de Convenções da Unicamp.Os interessados em saber mais sobre a reunião podem procurar a Pauta e ATAS no site da CIPA: http://www.sergio.gr.unicamp.br/index.php/2014-07-28-01-15-15/atas-das-reunioes  [ id=92]

 

 
26/01/2016

A Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp promove, no dia 16 de fevereiro, o seminário Modelos de Gestão e Atenção no SUS: desafios e perspectivas. O evento integra o projeto de pesquisa intitulado“Investigação sobre cogestão, apoio institucional e apoio matricial no SUS”, realizada nos municípios de São Paulo e Campinas, sob a coordenação do professor do Departamento de Saúde Coletiva da FCM Gastão Wagner de Sousa Campos.

A pesquisa conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) - por meio do convênio "Programa de Pesquisa para o SUS" -, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico (CNPq) e da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo.

Além de divulgar os resultados obtidos na pesquisa, o Seminário busca ampliar o diálogo com os diversos atores que constroem o SUS, visando a consolidação de novas propostas de atenção e gestão à saúde, pautadas no compartilhamento de saberes, democratização das relações institucionais e de trabalho em saúde, e na defesa da vida. 

Público-alvo

Profissionais que atuam no SUS de Campinas e região metropolitana;
Usuários e gestores do SUS Campinas e região metropolitana;
Docentes, pesquisadores e discentes das Universidades.

Inscrições
A inscrição é gratuita e os interessados devem se inscrever por meio eletrônico. Para realizar a inscrição, os interessados devem enviar o nome, local atual de trabalho e função exercida no momento para o endereçoseminarioppsus@gmail.com

O período de inscrição é de 01 a 14 de fevereiro de 2016.

Programação
O Seminário ocorrerá em dois turnos no dia 16 de fevereiro de 2016. O evento será realizado no Auditório da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP.

8:00 – 8:30:  Recepção

8:30 – 9: 00: Mesa de Abertura

9:00 – 10:30: Mesa  Redonda “Construindo possibilidades ampliadas de gestão e atenção à saúde: alguns caminhos”
Prof. Dr. Luiz Carlos de Oliveira Cecílio – Docente do Departamento de Medicina Preventiva/ UNIFESP
Prof. Dr. Gastão Wagner de Sousa Campos – Docente do Departamento de Saúde Coletiva / UNICAMP

10:30- 11:00: Intervalo

11:00 - 12:00:  Discussão com os participantes

12:00  – 13:30: Almoço

13:30 – 14:30: Apresentação dos Resultados da Pesquisa “Investigação sobre cogestão, apoio institucional e apoio matricial no SUS”

14:30 – 16:00: Discussão com os participantes

16:00 – 16:30: Encerramento

 
03/12/2015

Caros Funcionários, Professores e Alunos

A CIPA Unicamp, Funcamp, Limeira e Piracicaba convidam a todos para a POSSE da sua nova diretoria, gestão 2015-2016,a ser realizada no dia:

09 de dezembro de 2015

horário: às 10h00

Local: Auditório II da DGA

Contamos com a presença de todos.

 
27/11/2015

 
27/11/2015

Todos no departamento recebem um e-mail que, não se sabe como, não chega para aquele funcionário. O mesmo funcionário que só fica sabendo que houve uma reunião depois que ela terminou e que, por acaso, encontra todos os colegas que estavam muito ocupados para almoçar com ele, juntos, no restaurante. O isolamento é a tática de assédio moral mais usada no ambiente de trabalho. Primeiro sinal de um processo tenso e extremamente doloroso que, pode inclusive acabar em morte. Não são poucos os casos de suicídio de trabalhadores que passaram por situações de humilhação constantes no local onde, obrigatoriamente, tem que estar todos os dias.

 

As informações e opiniões são do professor Roberto Heloani, da Faculdade de Educação (FE) da Unicamp, que deu uma palestra sobre o tema no segundo evento “Refletir: Encontro Permanente sobre vivência e gestão na Unicamp”, realizado pela Coordenadoria Geral da Universidade (CGU), nesta quarta-feira, 25. Com o auditório do Centro de Convenções (CDC) lotado Heloane discutiu um assunto que vem sendo abordado por ele há quase duas décadas.

O assédio moral mudou muito nesse período. Melhor dizendo, cresceu, ganhou vulto, e importância. Sobretudo nos três pilares do Estado: saúde, segurança e educação. “Vivemos em um modelo de gestão que prega a avaliação, o estabelecimento de metas e o individualismo e não a cooperação. A ideia de coletivo foi assassinada no trabalho”, afirma o professor. Logo a universidade, que deveria ser um lugar de fraternidade, pontua, é onde mais cresceu a violência simbólica junto das instituições de saúde e segurança. “Estamos subordinados a um modelo de competição, que destrói o outro”.

O professor Alvaro Crósta, coordenador geral da Unicamp, que conduziu a mesa de abertura do evento, reiterou em vários momentos, o compromisso da Unicamp em discutir e encaminhar os casos de assédio moral na Universidade. “O recado aqui é muito claro. Nós não aceitamos ações de assédio moral na nossa universidade. Há uma discussão muito presente sobre formas de assédio dentro da universidade. Precisamos fazer uma reflexão, do ponto de vista acadêmico inclusive, do que é, quais são as formas de assédio moral e como combatê-las”.  Crósta ressaltou que a ideia do evento foi trazer os atores envolvidos: as entidades representativas, a administração, a Reitoria, e um convidado que é especialista no tema “para que possamos estabelecer uma base comum de conhecimento”.

 

TAC
Em setembro deste ano foi firmado entre a Unicamp e o Ministério Público o Termo de Ajuste de Conduta (TAC) nº 303.2015, que reforçou o cumprimento, por parte da universidade, da legislação trabalhista a respeito do problema. Pouco depois, a Diretoria Geral de Recursos Humanos publicou a Instrução Normativa nº 003/2015, que orienta o servidor sobre como prevenir, apurar e denunciar as práticas abusivas (principalmente o assédio moral), que podem ocorrer em seu ambiente de trabalho. O coordenador geral lembra que o TAC foi firmado após acordo com a participação das entidades representativas dos servidores docentes ou administrativos.

“A assinatura do TAC é uma garantia para o funcionário de que a Unicamp irá apurar a denúncia de assédio moral”, afirmou a representante do Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU), Elisabeth Cardozo. De acordo com ela, já houve discussões anteriores sobre o tema na universidade e a questão ganhou força a partir de 2010, com a realização de duas audiências públicas na Unicamp. “É importante que o servidor saiba que ele tem um canal para que a denúncia seja feita e apurada. Durante o trâmite do processo o sindicato está ao lado do funcionário, fazendo todo o acompanhamento”.

Da mesma forma, Paulo Cesar Centoducatte, presidente da Adunicamp – Associação dos Docentes da Unicamp, ressaltou que a entidade oferece todo o apoio necessário àqueles que a procuram. “O assédio moral precisa ser apurado com todo rigor e punido, só assim irá acabar”. Centoducatte acrescentou que as campanhas que esclareçam sobre o tema também são necessárias: “muitas vezes o próprio assediador não tem consciência disso; ele precisa ser alertado”.

A revisão de valores, o cultivo de comportamentos pautados na ética e no companheirismo são alternativas apontadas por Maria Aparecida Quina de Souza, coordenadora da DGRH. Ela explicou passo a passo como são encaminhadas as denúncias de assédio moral no órgão da administração. Há casos em que o servidor, mesmo procurando a DGRH, não quer formalizar a denúncia e mesmo estes são acompanhados por um período.

Quando a denúncia é formalizada há as etapas de apuração e de escuta dos envolvidos para no final ser aberta ou não uma sindicância. “Somos nós que encaminharemos ao Ministério Público os relatórios de quantas denúncias foram feitas e apuradas e quais são assédio moral”. A coordenadora informou que em 2015, até agora, a DGRH recebeu 17 denúncias e sete delas já estão praticamente concluídas, sendo que duas delas levaram a sindicâncias. Três casos estão em fase de mediação e há ainda sete em andamento.

Palestra
Roberto Heloane começou a palestra afirmando que “precisamos firmar um compromisso com a gente mesmo para que o assédio moral seja visto como uma aberração”. Não se trata de uma questão individual como muitos advogados de empresas querem fazer crer, disse o professor. “Não se pode individualizar uma questão que é do trabalho e das organizações”, salientou.

De acordo com o professor e pesquisador do tema, há equívocos em conceituar como assédio o que muitas vezes é uma discriminação. “A discriminação que pode ser por raça, ideologia, ou outros motivos é uma violência também passível de punição, mas não é assédio”. O ambiente discriminatório passa a ser, no entanto, ambiente fértil para o florescimento das formas de assédio e corrupção. “As discriminações são a raiz do assédio moral”.

Heloane em sua apresentação, define da seguinte maneira o assédio moral “é uma conduta abusiva, intencional, frequente e repetida, que ocorre no ambiente de trabalho e que visa diminuir, humilhar, vexar, constranger, desqualificar e demolir psiquicamente um indivíduo ou um grupo, degradando as suas condições de trabalho, atingindo a sua dignidade e colocando em risco a sua integridade pessoal e profissional”. Não se trata de um simples desentendimento, frisou o docente.

O palestrante reconheceu que há um esforço por parte de determinadas instituições para coibir e punir a violência simbólica no trabalho e destacou que geralmente, o funcionário que sofre assédio é um bom funcionário. “Comumente são pessoas qualificadas, que são bons profissionais e que não suportam esse tipo de injustiça”.

Como formas de tornar mais saudável o ambiente do trabalho, Heloane ressalta que, quando forem realizadas avaliações de funcionários, que elas sejam respeitosas, por pior que tenha sido o desempenho do empregado. “Se a sua avaliação está humilhando alguém é ilegal”. A questão do estabelecimento de metas difíceis ou impossíveis de serem cumpridas também compromete o bom andamento das relações de trabalho. Heloane informou que não somente o assédio moral do chefe aumentou, como também o chamado assédio vertical, ou seja, aquele praticado pelos colegas. “Temos um conjunto de pessoas adoecidas pelo trabalho na nossa sociedade. Um grande erro que podemos cometer é tentar esconder o problema”.

 
24/11/2015

 
24/11/2015

O rompimento da barragem de rejeitos de minério de ferro da Samarco ocorrido em 05/11 pode ser considerado o maior desastre ambiental já causado pelo homem no Brasil. Um número relativamente pequeno de vítimas frente à dimensão do evento, seguido por uma comoção mundial frente aos atentados terroristas em Paris que ocorreram na semana seguinte serviram para desviar as atenções do problema brasileiro. Similar ao que ocorreu quando do assassinato do então prefeito Toninho de Campinas, morto um dia antes do ataque às Torres Gêmeas em Nova Iorque , cuja atenção mundial acabou sombreando a morte do ex-prefeito.

No entanto, o evento de Mariana serviu para mostrar a negligência e a inoperância dos órgãos governamentares frente aos eventos desta natureza. Mesmo para quem não tem formação técnica, um simples passeio pela região mineradora e siderúrgica de Minas Gerais mostra a degradação ambiental em todas suas formas: uma forte contaminação atmosférica associada a um passivo ambiental visível nos solos e águas, onde a fiscalização pelos órgãos governamentais (DNPM e FEAM) fica muito aquém do esperado. Nestas regiões a riqueza é para poucos, enquanto que a degradação ambiental é democratizada. Se as Normas Reguladoras da Mineração estivessem sendo seguidas na sua totalidade pela Samarco, este evento não deveria ter ocorrido.

Quando o mar de lama desceu como uma avalanche para atingir o rio Doce, levando tudo no seu caminho, o governo descobriu que não sabia como agir, e começou o festival de barbaridades que não deve terminar tão cedo. Ibama, Ministério Público Federal e Estadual, agências ambientais estaduais, concessionárias de água, aventureiros, cada um falando sua linguagem própria. Afinal, qual era mesmo o material contaminante?

A primeira ação conjunta que se esperava do governo era a identificação rápida e precisa do material que jorrou da barragem. Granulometria, densidade, composição química, potencial de lixiviação de intoxicantes, dentre outros para só assim poder avaliar os possíveis impactos para a saúde humana e a biota. Como isso não foi feito, surgiram especulações sobre a toxicidade, o arsênio se tornou metal (é um metalóide), o material particulado se tornou solúvel, e assim o mar de lama invadiu também o bom senso.  Isso mostra a inoperância do governo, incapaz de colocar um único interlocutor para coordenar as ações remediativas. Interessante é que tanto na UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) como na UFOP (Universidade Federal de Ouro Preto) há uma série de dissertações e teses que mostram a caracterização e reuso desta lama. Mas parece que a desinformação é mais interessante do que a informação.

O ápice do festival de barbaridades técnicas foi o uso de bóias de contenção de material flotante (principalmente óleos e borras de derrame de petróleo) para conter o material particulado que compõem o rejeito, o qual tem um diâmetro médio de 10 µm, e evitar sua dispersão no mar. Só faltou alguém sugerir o uso de um grande macaco hidráulico para levantar a foz do rio Doce e fazer o rio correr para a cabeceira. Humor à parte, o desencontro é tão grande que não seria possível descartar esta eventualidade.

O material mais fino que compõe a lama de rejeitos irá se dispersar com o tempo ao longo do rio e no mar, causando um impacto transiente que já mostrou sua força. O fato é que temos agora um passivo ambiental residente de grandes proporções para tratar, visando restaurar ao máximo suas condições pré-acidente. A lama, contendo uma parcela apreciável de sílica, devastou as matas ciliares e ali se depositou, pelo menos em pontos mais próximos à barragem, e deve impedir a recomposição destas matas se não for removida ou recoberta com solo fértil. O leito do rio Doce recebeu uma quantidade de rejeito que deve atuar como se fosse um selo físico, impedindo trocas na interface água/sedimento, processo esse de vital importância para a saúde do sistema aquático.

A recuperação desta bacia é processo de longo prazo, e somente terá sucesso se houver um plano de ação coeso, envolvendo vários atores que trabalhem num projeto factível, integrado, multidisciplinar, usando ao máximo todo o conhecimento que já está disponível visando o sucesso desta remediação. E por favor, esqueçam as técnicas mirabolantes e pirotécnicas, e concentrem-se na fiscalização efetiva e na prevenção.

Wilson de Figueiredo Jardim é professor aposentado do Departamento de Química Analítica (DQA), do Instituto de Química da Unicamp

 
16/11/2015

 
16/11/2015

A Unicamp vai servir, a partir de março de 2016, em dois de seus restaurantes, café da manhã para os integrantes da comunidade universitária. A iniciativa atende a uma demanda apresentada pelos estudantes, que apontaram dificuldade em fazer essa refeição em suas moradias ou em pontos comerciais. O café da manhã será servido inicialmente no Restaurante Universitário (RU), instalado no campus de Barão Geraldo, e na unidade da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA), em Limeira. Se a demanda justificar, o serviço poderá ser estendido gradualmente para outros restaurantes e refeitórios da instituição.

O anúncio da medida foi feito no início da tarde desta sexta-feira (13) pelo reitor José Tadeu Jorge para estudantes e representantes de entidades estudantis, no Auditório da Biblioteca Central Cesar Lattes (BC-CL). De acordo com ele, a Unicamp investiu cerca de R$ 70 mil para equipar os restaurantes para oferecer o café da manhã. A estimativa inicial é de que sejam servidas 2 mil refeições por dia, no período das 7h às 8h30. “É importante observar que apesar de a solicitação ter partido dos estudantes, o serviço estará disponível a qualquer integrante da comunidade universitária”, informou.

Segundo Tadeu Jorge, os cálculos ainda não foram fechados, mas cada usuário deverá pagar em torno de R$ 1,50 pelo café da manhã. A divisão de Alimentação da Prefeitura Universitária está definindo o cardápio, mas este deverá ser composto por café, leite, pão, manteiga, geleia e fruta, com algumas variações. “Esta é uma reivindicação histórica dos estudantes, que finalmente estamos tendo condições de atender”, disse o reitor.

Também a partir de março, conforme Tadeu Jorge, o Restaurante da Saturnino (RS) passará a servir jantar, igualmente para atender a uma solicitação da comunidade interna. “Nós temos pedidos para o funcionamento dos restaurantes aos sábados e domingos, mas a decisão a respeito vai depender de um estudo mais detalhado, pois a medida exigirá investimentos significativos, principalmente em pessoal”, explicou.

Atualmente, a Unicamp serve 17 mil refeições diariamente, somando almoço e jantar. Por ano, a Universidade destina perto de R$ 5 milhões em subsídio para a alimentação. No encontro com os estudantes, Tadeu Jorge aproveitou para informar que vem mantendo entendimentos com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo, com dois objetivos.

O primeiro é a implantação do programa de segurança alimentar Bom Prato na Unicamp. Criada em 2000, a ação tem por meta oferecer à população refeições saudáveis e de qualidade, com baixo custo. O almoço, que é composto por arroz, feijão, salada, legumes, um tipo de carne, farinha de mandioca, pãozinho, suco e sobremesa (geralmente uma fruta da época), tem 1.200 calorias e custa somente R$ 1,00 para o usuário.

O segundo é a construção de mais uma unidade de Moradia Estudantil, por meio da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU), em um terreno próximo ao núcleo atual. “Nosso pleito é para a construção de 150 casas, que gerariam mais 600 vagas”, informou Tadeu Jorge. “As tratativas tanto em relação ao Bom Prato quanto à edificação de novas moradias tiveram início em setembro. Nossa expectativa é a de que possamos ter as duas reivindicações atendidas”, completou o chefe de gabinete da Reitoria, Paulo Cesar Montagner.

O coordenador-geral do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Unicamp, Cris Grazina, classificou a inclusão do café da manhã no cardápio dos restaurantes universitários como uma conquista do segmento estudantil. “A demanda partiu dos diretórios acadêmicos e foi encampada pelo DCE. O atendimento à reivindicação indica que estamos trabalhando de maneira correta”, avaliou. Segundo alguns estudantes, um café com pão na chapa não sai por menos de R$ 5 nas padarias.

 

 
09/09/2015

 
09/09/2015

Mais de 26 anos após a sua criação, o Sistema Único de Saúde (SUS) ainda enfrenta grandes desafios para cumprir os princípios de universalidade, integralidade e equidade de acesso aos serviços de saúde para todos os brasileiros, formalmente estabelecidos na Constituição de 1988. O principal desafio para isso está na incompatibilidade do SUS com o contexto político e econômico vigente a partir dos anos 1990, quando o país aderiu à doutrina neoliberal. A conclusão é da economista Ana Paula Andreotti Pegoraro, na dissertação de mestrado “Estado e mercado na atenção à saúde no Brasil: os desafios da universalização do SUS”, orientada pelo professor Eduardo Fagnani e apresentada no Instituto de Economia (IE) da Unicamp.

 

“O Brasil continua sendo pautado por um tripé macroeconômico introduzido em 1999, após negociação do governo de Fernando Henrique Cardoso com o Fundo Monetário Internacional: o cumprimento de metas de inflação (tendo como instrumento a alta taxa de juros), o câmbio flutuante e o superávit primário (priorização do pagamento de juros da dívida pública em detrimento das contas correntes em saúde, educação, previdência, etc.). Isso é incompatível com o desenvolvimento social e, especialmente, com o SUS concebido para atender 200 milhões de pessoas. Os recursos para o sistema são parcos (e dificilmente virão mais), quando seriam necessários gastos muito maiores do que os efetivados”, afirma a autora da dissertação.

Em sua pesquisa, Ana Pegoraro procurou delinear as relações entre os setores público e privado na assistência à saúde no Brasil em dois períodos distintos: o primeiro contempla os determinantes históricos do sistema de saúde do início do século XX até 1988; e o segundo abarca o pós-1990, quando o país faz a opção pelo neoliberalismo. “Desde os primórdios de sua formação, sempre predominou no sistema brasileiro um forte segmento empresarial operando a saúde em seus diversos componentes, o que responde em parte pelas deficiências estruturais do Estado. Este processo foi intensificado a partir da década de 1940, quando os Institutos de Aposentadoria e Pensão (IAP) passaram a contratar o setor privado para dar assistência médica aos seus filiados.”

A economista afirma que na ditadura militar este modelo foi ampliado à exaustão, tanto que quando o SUS foi criado em 1988, a grande maioria da oferta de serviços de saúde era pelo setor privado. “Na lei, o SUS é público; mas na prática, a oferta era privada. A mercantilização da saúde passou a ser motivo de grande disputa tanto no Parlamento quando no Executivo, e o SUS foi atropelado por este processo histórico de privatização reforçado pela hegemonia da agenda neoliberal. Este é o pano de fundo para se compreender os problemas atuais vividos pelo SUS, passados 26 anos da sua consagração formal pela Carta de 88.”

HISTÓRICO

Na economia cafeeira, conforme a autora da pesquisa, as preocupações dos governos no que concerne à saúde da população se limitavam à criação de condições sanitárias mínimas para as relações comerciais com o exterior e, também, para o êxito da política de imigração que pretendia atrair mão de obra visando à constituição do mercado de trabalho capitalista. “As instituições sanitárias priorizavam os grandes centros urbanos e os portos, enquanto os cuidados com a saúde da população de municípios do interior e de menor importância econômica eram bem rudimentares. Não se tratava de melhorar as condições de vida da população, e sim de defender os interesses pré-capitalistas através da acumulação cafeeira.”

A dissertação traz um histórico da previdência social desde as Caixas de Aposentadorias e Pensões (CAPs), criadas em 1923 e organizadas por empresas e empregados de cada setor produtivo – marítimos, comerciários, bancários, ferroviários, transportes e cargas, servidores públicos. Já aos demais trabalhadores não filiados a tais entidades, restavam os serviços públicos ou outras formas de assistência médica, que eram precárias, restritas e muitas vezes provindas de doações. “As CAPs operavam em regime de capitalização e eram muito desiguais, pois quanto mais forte o setor, como dos bancários, maior era o poder de barganha com os patrões.”

Ana Pegoraro conta que, em 1930, Vargas promoveu uma reestruturação do sistema, substituindo as CAPs pelos Institutos de Aposentadorias e Pensões (IAPs), na condição de autarquias em nível nacional centralizadas pelo governo federal; ou seja, decidiu-se que o Estado responderia a esta questão social de forma universal, ao invés de tratá-la de forma parcial e pontual. “A filiação passou a se dar por categorias profissionais e não mais por empresas. Os IAPs respondiam tanto por serviços de previdência (afastamento ou aposentadoria) como pelos serviços de saúde, bancados por recursos públicos, dos empresários e dos trabalhadores.”

Segundo a pesquisadora, a nova dinâmica de acumulação subordinada ao capital industrial fez surgir outras necessidades e aumentar a pressão pela ampliação e criação de políticas sociais. “A política nacional de saúde estava organizada em dois subsetores: de saúde pública, prestada por instituições estatais para toda a população; e de medicina previdenciária, com serviços oferecidos de forma restrita a alguns trabalhadores urbanos. Havia uma significativa diferença na forma de financiamento: as instituições públicas contavam com escassos recursos orçamentários, enquanto as instituições previdenciárias eram financiadas por contribuições dos trabalhadores, impulsionadas com o desenvolvimento econômico e o crescimento da massa salarial.”

A economista acrescenta que o setor de atenção médica no Brasil, à semelhança do que ocorre em outros países, cresce aceleradamente em importância econômica, mobilizando um volume cada vez maior de recursos e permitindo maior acumulação de capital em seu interior. “Este modelo de organização institucional, calcado na segmentação e na discrepante diferença de financiamento, beneficiou o financiamento do setor privado através da canalização de recursos da saúde previdenciária para a construção e expansão de hospitais privados. Nesse sentido, criou mecanismos para que o setor privado ganhasse força e se estruturasse de forma a ter capacidade de defender seus interesses em possíveis tentativas de reestruturação do sistema público.”

TENSÃO PREVALECE

Ana Pegoraro destaca em seu estudo que a saúde ainda não podia ser considerada um negócio em 1964, mas a clara divisão entre medicina curativa e medicina preventiva, e as abordagens distintas para distintos segmentos da incipiente classe trabalhadora brasileira, deram os primeiros sinais do grande mercado que se tornaria a saúde no Brasil. “Durante a ditadura militar, de 64 a 85, temos um período de modernização conservadora, com uma expansão dos bens públicos ofertados pelo setor privado. Uma modernização, porém, assimétrica em termos regionais, concentrada na região sudeste, que privilegiava a medicalização em detrimento da prevenção. Além disso, não era universal: para ser atendido no sistema ainda era preciso apresentar a carteira de trabalho.” 

A pesquisadora destaca, por outro lado, a existência de diversos serviços públicos de atenção à saúde, como Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Butantan e escolas, hospitais e centros de saúde que asseguraram uma das bases para o projeto de um sistema nacional de saúde no Brasil. “Nesse aspecto, a construção do Sistema Único de Saúde (SUS), inspirado nos valores do sistema de proteção social (Welfare State) formado na Europa do pós-Guerra, veio se opor ao modelo médico assistencial privatista hegemônico durante a ditadura militar. A lógica do seguro, em que se paga para ser assegurado, prevaleceu até a Constituição de 88, quando então se implantou o conceito de seguridade, em que basta ser cidadão brasileiro para ter acesso ao sistema de saúde.”

A autora da pesquisa afirma que a globalização dos anos 80 e a adesão do país ao neoliberalismo nos 90 tiveram como consequências a desestruturação dos pilares do Estado brasileiro e a fragilização dos seus instrumentos de atuação, dificultando manter e garantir os direitos de acesso a bens e serviços de saúde. “A agenda liberal e conservadora, com destaque para as diretrizes e orientações políticas do Banco Mundial de incentivo à expansão da iniciativa privada nos serviços de saúde, é antagônica aos princípios do SUS. Na prática, o sistema de saúde passou a viver tencionado entre o que reza a Constituição e o contexto político e econômico favorável aos mercados desregulados – e a privatização da saúde ganhou novo fôlego.”

Ana Pegoraro recorda um debate surgido na banca examinadora, dando conta de que embora a Constituição garanta a todos os brasileiros o direito à saúde universal, igualitária e equitativa, esta garantia é muito mais formal do que efetiva. “A Carta de 88 diz que a oferta será pública, mas para isso seriam necessários hospitais públicos, especialmente nas regiões mais pobres do país, o que teria demandado enormes investimentos; mas, no contexto do ajuste macroeconômico ortodoxo, central na agenda dos governos, esses investimentos não ocorreram de forma significativa. Recentemente, o Congresso aprovou um projeto prevendo o ingresso de capital internacional nos serviços de saúde do Brasil. Trata-se de mais um golpe no SUS, ampliando ainda mais a participação privada na captura dos recursos públicos.”

A mestre em economia finaliza com outro aspecto discutido na banca, relacionado aos planos de saúde, serviço privado que floresceu com o neoliberalismo. “A história econômica do século XX é marcada pela diferenciação social. A desigualdade faz com que as pessoas busquem ascender socialmente e o tipo de assistência à saúde também é uma forma de diferenciação. Talvez a classe média não queira que o SUS dê certo, pois significaria ser atendida por um mesmo médico ou hospital, ainda que isso seja perfeitamente natural nos países desenvolvidos. Plano de saúde também é demonstração de status, juntamente com o carro e a casa própria. Sem mudar essa estrutura social, não haverá respaldo para manutenção do SUS.”

 
01/09/2015

Estudo realizado por pesquisadores do Laboratório de Ecotoxicologia e Microbiologia Ambiental (LEAL), da Faculdade de Tecnologia (FT) da Unicamp, revela que o ar da cidade de Limeira está entre os mais mutagênicos do mundo e, portanto, apresenta maior potencial carcinogênico quando comparado com outras cidades. As amostras de ar se revelaram mais poluídas (em relação à presença de substâncias mutagênicas) do que algumas amostras, por exemplo, da região central de São Paulo, considerada uma das mais poluídas da capital, e tão nocivas quanto em cidades como Los Angeles (EUA) e Cidade do México, comumente avaliadas entre as mais poluídas do mundo.

As professoras Gisela de Aragão Umbuzeiro, coordenadora do estudo, e Simone Pozza, na estação de coleta: índices preocupantes

O estudo, publicado na semana passada na revista científica americana Environmental and Molecular Mutagenesis(http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/em.21970/abstract), foi coordenado pela professora Gisela de Aragão Umbuzeiro, coordenadora do LEAL, e contou com pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Para a professora, o que chama atenção é que uma cidade relativamente pequena como Limeira tenha o nível de mutagenicidade comparável às maiores cidades do mundo. “É um fato que chama atenção do resto do mundo na minha área de pesquisa”.

A investigação aponta que, apesar da quantidade total de partículas presentes no ar de Limeira durante os dias de coleta estar dentro dos padrões de qualidade estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde em 2005 (e, portanto, já desatualizados), a mistura dos compostos químicos aderidos a estas partículas - provenientes da combustão oriunda de carros e caminhões e das queimadas, como a de cana – pode ser altamente danosa à saúde. A combinação pode causar mutações genéticas e aumentar as chances da ocorrência de doenças como câncer, doenças do coração e doenças degenerativas, além de causar mutações nas células germinativas (que dão origem aos gametas) dos seres expostos.

A professora Simone Pozza, docente do curso de Engenharia Ambiental da FT e especialista em poluição do ar, explica que o fator que confere maior ou menor periculosidade às partículas são os tipos de compostos químicos que se juntam ao redor delas. “Portanto, não adianta somente analisar e considerar a quantidade de partículas no ar – temos que levar em conta suas características químicas e o que elas podem causar nos seres humanos e na biota. A quantidade de partículas pode até estar dentro da lei, mas o que importa discutir é o tipo de substâncias químicas que as envolvem. São compostos de alta periculosidade para a saúde e o meio ambiente”, esclarece.

Atualmente, tanto a OMS quanto a Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) e as resoluções do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente) não levam este fato em conta para estabelecer seus padrões de risco. As pesquisadoras chamam a atenção para o fato de que, atualmente, a disputa pelo modo como se define o risco envolve inúmeras pressões econômicas e interesses políticos conflitantes, os quais dificilmente têm como prioridade máxima a saúde da população. Entretanto, em 2013, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), órgão da Organização Mundial da Saúde, concluiu que a exposição à poluição do ar é carcinogênica para os seres humanos, podendo causar câncer de pulmão e bexiga. A investigação da IARC ainda está em processo de publicação, mas as docentes da Unicamp informam que a conclusão do grupo de trabalho foi de que há fortes evidências que a exposição ambiental à poluição do ar está associada ao aumento de dano genético, mutações em células somáticas e germinativas (que formam os óvulos e espermatozóides) e alterações na expressão gênica que estão associadas ao aumento do risco de câncer em humanos.(http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S147020451370487X)

De acordo com as professoras, os compostos gerados pelas reações químicas que ocorrem na atmosfera em Limeira, gerados pela combinação da luz do sol com as queimadas de vegetação (cana, florestas, etc) e a queima de combustível dos veículos, favorecem a formação dos chamados poluentes secundários, considerados ainda mais mutagênicos. “São reações fotoquímicas que ocorrem mais facilmente nos períodos mais secos e com maior intensidade luminosa – portanto, o perigo é maior quando o céu está azul, com sol e sem nuvens. Justamente quando achamos que o dia está mais bonito. Acreditamos que estas reações fizeram com que algumas amostras coletadas em Limeira ficassem mais mutagênicas que as do centro de São Paulo”, afirma Umbuzeiro.

ANÁLISE COMPARATIVA

Controle negativo (à esq.) e positivo: placas demostram o crescimento do número de bactérias mutantes após contato com compostos mutagênicos e Filtros de ar, antes e depois da coleta de ar: em 24 horas, equipamento acumula uma quantidade de sujeira suficiente para deixá-lo preto e até entupi-loEm somente 24 horas, o filtro de ar utilizado na pesquisa acumula uma quantidade de sujeira suficiente para deixá-lo preto e até entupi-lo. “Em Estocolmo, na Suécia, a mesma quantidade de sujeira leva uma semana para se acumular”, conta a professora. Durante um dia, passam pelo filtro 1.500m³ de ar e a estação de coleta da FT fica bem próxima a uma rotatória, local de tráfego intenso de carros e caminhões. Como uma pessoa respira menos de 20m³ de ar por dia, caso fosse feita uma comparação meramente ilustrativa, seriam necessários aproximadamente 2 meses e meio para o pulmão humano receber a mesma quantidade de sujeira acumulada no filtro brasileiro em 24 horas.

Atualmente a Unicamp está dando continuidade ao estudo, desta vez comparando o ar de Limeira com o de Estocolmo, considerado relativamente limpo em comparação com diferentes cidades do mundo, e de Kyoto, no Japão, que recebe influência do ar poluído da China. As coletas foram realizadas durante o inverno nos três países e já estão sendo processadas para análise pelo grupo de pesquisa de Estocolmo. Será um trabalho de cooperação entre universidades dos três países e a investigação envolverá um controle rígido das variáveis analíticas, para que a comparação seja a mais fidedigna possível. As amostras serão analisadas exatamente da mesma maneira e os pesquisadores terão dados de análises químicas que incluem as determinações de mais de trinta diferentes poluentes orgânicos de grande persistência ambiental, os hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA) e diversos derivados desses compostos, como os nitroHPA e oxiHPA, gerados tanto durante os processos de combustão como pelas reações fotoquímicas. “Iremos ter uma fotografia completa da poluição dos três países e talvez identificar os compostos mais mutagênicos que poderiam explicar as respostas observadas no estudo já publicado. Esperamos inclusive identificar novos compostos mutagênicos que ainda não foram relatados na literatura”, antecipa Umbuzeiro.

CANA E DISPERSÃO

O artigo publicado também destaca o fato do Estado de São Paulo ser considerado a maior área de plantação contínua de cana de açúcar no mundo (dados do IBGE 2015), sendo que a colheita da cana normalmente ocorre de maio a novembro, período de tempo seco, com pouca chuva. Como apontam os pesquisadores, apesar do recente processo de mecanização, a colheita manual, que envolve a queima da biomassa, ainda é bastante praticada. Por razões de segurança, a queima da biomassa é permitida somente após o pôr-do-sol, quando os ventos são menos intensos – como consequência, há o aumento da concentração de dióxido de nitrogênio (NO2) no ar, considerado um dos principais gases poluentes da atmosfera.

Como a parte central da cidade de Limeira está localizada em um vale (o vale do Tatu), a dispersão dos contaminantes fica ainda mais dificultada, aumentando a periculosidade das impurezas suspensas no ar. Umbuzeiro também compara a atmosfera de Limeira com Cubatão e São Paulo. “Sabemos que em Cubatão o ar apresenta uma grande quantidade de partículas. É como se você estivesse respirando uma terra bem fina. Entretanto, quando coletamos ar no centro da cidade de São Paulo, verificamos que apesar do número de partículas ser menor, os compostos orgânicos aderidos a elas são muito mais perigosos, resultantes da combustão incompleta do diesel e da gasolina. É o que também acontece em Limeira”.

Nos experimentos realizados no laboratório da FT, Umbuzeiro e sua equipe mergulham uma parte do filtro que coletou as impurezas do ar em um solvente orgânico, para eliminar as partículas e ficar somente com as substâncias químicas que estavam aderidas a elas. Os compostos são colocados em uma cultura de bactérias e, quando há presença de um composto mutagênico, ele entra nas células da bactéria, assim como pode ocorrer no pulmão. Quando encontra o DNA da bactéria, este composto pode causar uma mutação genética. Os pesquisadores, então, medem a quantidade de colônias mutantes que crescem no meio de cultura, após dois dias de contato.

Este ensaio é clássico na área de toxicologia ambiental e é conhecido como teste de Ames ou ensaio Salmonella/microsoma. O procedimento foi descrito nos anos 70 e vem sendo o mais empregado no mundo para avaliar a mutagenicidade de amostras ambientais (ar, água, solo, efluentes líquidos e resíduos sólidos). A professora explica que o teste funciona como um detector químico que informa os tipos de substâncias mutagênicas presentes. Umbuzeiro trabalha com o teste de Ames desde 1986 e acredita que o ensaio já poderia ser empregado pelas agências brasileiras de meio ambiente e saúde para monitorar a qualidade ambiental.

Seu sonho é ver o ensaio incluído no monitoramento da qualidade do ar juntamente com os parâmetros tradicionais, como partículas, ozônio, monóxido de carbono, entre outros. Outras sugestões levantadas pelas pesquisadoras referem-se ao aprimoramento de políticas públicas que valorizem o transporte coletivo, o afastamento do trânsito de veículos pesados de áreas com alta concentração de pessoas e o combate contínuo à realização de queimadas.

 
26/08/2015

No dia 25 de agosto de 2015, a CIPA Unicamp esteve numa reunião convocada pelo Cecom, com as senhoras Rôse Clélia Grion Trevisane e Miriam Susana Locatelli Marques da Silva -  para informações do funcionamento do Programa VIDAS, ambulância 24 horas no Campus  de Barão Geraldo – Campinas.

Este Programa  é coordenado pelo Centro de Saúde da Comunidade (Cecom)  e pela Vigilância do Campus, órgão da Prefeitura Universitária.

Os chamados podem ser feitos no telefone 19-3521-6000 ou ramal 1-600, para quem utiliza os telefones internos da Universidade. Além do campus de Barão Geraldo, o Serviço atenderá as urgências e emergências da Moradia Estudantil e do Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Clínicas Biológicas e Agrícolas (CPQBA).

Este atendimento se estende para os finais de semana, a noite. Funcionamento 24 horas. E a ambulância ficará estacionada na sede da Vigilância do campus.

Para plantão nos eventos deve ser agendado o atendimento será necessário enviar um ofício ao Cecom.

O programa “ VIDAS”  faz parte das medidas do Programa Campus Tranquilo, Universidade Viva e atende uma antiga reivindicação dos trabalhadores e da CIPA da Unicamp. [ id=80]

 
25/08/2015

Represa do Sistema Cantareira, cuja capacidade utilizável atingiu o pior índice em março do ano passadoNo dia 15 de março do ano passado, o nível dos reservatórios do Sistema Cantareira, que abastecem 8,8 milhões de pessoas no Estado de São Paulo, atingiu 8,2% de sua capacidade utilizável, o pior índice já registrado desde a sua criação, em 1974. De lá para cá, as principais medidas propostas pelo governo centraram na ampliação da oferta de abastecimento de água: o aproveitamento dos volumes mortos do Cantareira; a utilização da água da represa Billings; e, mesmo, a possibilidade de transposição das águas do Rio Paraíba do Sul para o Sistema Cantareira. 

Ao pesquisar as ações que podem contribuir para o aumento da disponibilidade de água da Região Metropolitana de São Paulo, o engenheiro ambiental Ricardo da Silva Manca propõe uma nova diretriz sobre a situação. Ao invés de apenas centrar esforços e recursos na ampliação da oferta de água, o pesquisador da Unicamp aponta que o gerenciamento da demanda é fundamental; e num modelo que contemple ações de modo integrado. 

Para Ricardo Manca, que acaba de concluir doutorado sobre o tema, as principais ações neste sentido são a redução de perdas e o reúso de água. Ele avalia ainda que as ações governamentais no que se refere ao gerenciamento dos recursos hídricos vêm sendo realizadas muito mais como “gerenciamento de crise” do que como “gerenciamento de risco”, modelo considerado o ideal.

“Se os setores de redução de perdas e de reúso de água tivessem avançado nas últimas décadas, os problemas relacionados à escassez de água seriam menores na atualidade. Estima-se que as perdas na Região Metropolitana de São Paulo girem entre 35% e 40% do volume ofertado à população. Reduzir perdas significa aumentar a quantidade de água que já é uma água tratada. No caso do reúso também, porque não depende de chuva. Hoje, há tratamentos que podem elevar a água numa qualidade muito boa”, defende.

O pesquisador pondera, no entanto, que estas duas medidas isoladas não seriam capazes de solucionar uma possível falta de água para a sociedade neste momento. “O nosso conceito de gerenciamento integrado para a água é de que seja dada atenção para as oportunidades possíveis, tanto na demanda quanto na oferta, mas nós temos dado pouca prioridade para a demanda. Por isso insistimos na defesa deste tipo de gerenciamento. Devo parar obras de captação, obras exclusivamente na oferta de água? De maneira alguma! Seria um erro excluir qualquer benefício para a melhoria da gestão do recurso, porém, o que o estudo propõe é que a gestão seja feita de forma abrangente, visando todas as opções possíveis e disponíveis”, explica.

Ricardo Manca defendeu doutorado junto à Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC). A tese foi orientada pelo docente José Gilberto Dalfré Filho, que atua no Departamento de Recursos Hídricos, Energéticos e Ambientais da Unidade. Houve a coorientação do professor Antonio Carlos Zuffo, que atua no mesmo Departamento; e financiamento, na forma de bolsa ao pesquisador, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 

“A pesquisa do Ricardo chegou a um benchmark, que é o gerenciamento integrado da demanda de água. Essa proposta trabalharia para além da ampliação da oferta de água, ou seja, na redução de perdas, no reúso e também na utilização da água da chuva, na redução do consumo e conscientização da população”, explica o orientador do trabalho. Ainda conforme José Gilberto Dalfré Filho, o estudo é relevante, pois pode municiar o corpo técnico do governo ou mesmo o governante na tomada de decisões que não vêm sendo estabelecidas como prioritárias. 

“O gerenciamento da oferta apresenta, muitas vezes, um resultado mais rápido e mais aparente. Porém, o gerenciamento integrado da demanda é um trabalho árduo e que nem sempre aparenta resultados impactantes em curto prazo. Mas trabalhar a demanda é extremamente necessário. Se não fizer isso, é como se eu administrasse uma companhia em que os gastos vão aumentando de uma forma descontrolada e, para suprir isso, o foco seja somente em ganhar mais capital. Isso é uma maneira pouco eficiente de buscar solução. No caso da água, há o agravante de que é um recurso esgotável”, compara o docente da Unicamp.

Como parte dos resultados da pesquisa, o engenheiro ambiental desenvolveu uma ferramenta de análise de sensibilidade que permite avaliar o gerenciamento da demanda de água com enfoque em medidas prioritárias do ponto de vista do gestor do sistema de abastecimento. Essa ferramenta aponta, na forma de um acelerador, para diversos tipos de situações possíveis, a partir das medidas que seriam tomadas pelo gestor: situação ruim, regular, boa e a considerada ideal, que é o gerenciamento integrado da demanda de água. 

“Hoje se busca muito ampliar a oferta. Na tentativa de atender a oferta, o governo ‘esquece’ a demanda. Perdas chegam a 40%. Desse modo, reduzir as perdas pela metade equivaleria à economia de praticamente um Cantareira. Só que o resultado não é rápido: é preciso investir muito em substituição de redes, isso leva tempo e custo. Ao diminuir a demanda, passa-se para uma situação de eficiência, na direção da sustentabilidade. Portanto, esse gerenciamento integrado, proposto pela pesquisa do Ricardo, vai neste caminho”, avalia o coorientador, Antonio Carlos Zuffo.

Da esq. para a dir., José Gilberto Dalfré Filho, Ricardo da Silva Manca, Antonio Carlo Zuffo, respectivamente, orientador, autor e coorientador da tese: modelo deve priorizar o gerenciamento de riscoO estudo da FEC, baseado nos dados do Setor Nacional de Saneamento (SNIS), aponta que no Brasil as perdas totais (reais e aparentes) variam entre 45% e 50% do volume ofertado à população. Em algumas cidades, o índice pode chegar a 70%. “Isso representa 4,68 bilhões de metros cúbicos de água produzidos por ano. Os volumes perdidos levam a conclusão de que metade da água produzida é perdida. Cidades com índices de perdas nesses valores poderiam aumentar o volume disponibilizado para a população adiando a necessidade de obtenção de novos pontos de captação e água importada de outras bacias. A melhoria nos sistemas de abastecimento público é uma tarefa emergente, necessária e com vantagens econômicas e ambientais”, considera o autor da pesquisa.

MÉTODOS DE TOMADA
DE DECISÃO E MULTICRITÉRIOS

Para identificar e hierarquizar as principais ações de atuação na demanda hídrica, Ricardo Manca utilizou dois recursos metodológicos. “Primeiro, nós precisávamos obter informações por meio de um conjunto de especialistas da área. Para isso, recorremos a entrevistas e envio de questionários. Tendo como meta ‘Aumentar a disponibilidade de água’, questionamos, por exemplo: ‘Que nota você daria para a redução de perdas? E para reúso?’” Este método, conforme o engenheiro ambiental, ocupa-se com médias e permite definir as prioridades com base no consenso dos especialistas. Trata-se do Método de Auxílio à Tomada de Decisão Delphi.

O outro recurso metodológico, denominado como Multicriteriais, avalia as opções dadas pelos especialistas em multicritérios: econômicos, ambientais, sociais, estruturais e governamentais. “Uma opção pode não ser viável do ponto de vista econômico, mas, do ponto de vista ambiental, ela pode ser muito importante. Portanto, nós podemos criar vários critérios e cruzar esses critérios atribuindo pesos e valores a eles, dando prioridades às diferentes opções. Isso nós fizemos com três métodos multicriteriais: Analytic Hierarchy Process (AHP), Compromise Programming (CP) e Cooperative Game Theory (CGT)”, acrescenta.

Após a aplicação dos métodos multicriteriais foi possível a criação da ferramenta de análise de sensibilidade, que avaliou se uma das alternativas escolhidas pelos especialistas cumpriria as prioridades definidas nestes multicritérios. “O que isso significa? Por exemplo: os especialistas concordam que redução de perdas e reuso de água são duas medidas prioritárias. A partir disso, nós inserimos estas medidas na ferramenta. Se o meu resultado não é positivo, significa que eu estou caminhando no sentido contrário às melhores alternativas para o aumento da disponibilidade de água na Região Metropolitana de São Paulo”, ilustra.

Publicação

Tese: “Hierarquização de ações pré-avaliatórias para o gerenciamento dos sistemas de abastecimento de água”

Autor: Ricardo da Silva Manca

Orientador: José Gilberto Dalfré Filho

Coorientador: Antonio Carlo Zuffo

Unidade: Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC)

Financiamento: CNPq

 
21/08/2015

O Comunicado de Acidente de Trabalho é um documento da Previdência Social, que resguarda os direitos dos trabalhadores do regime CLT, diante de algum tipo de acidente ou doença do trabalho.

Comunicação do acidente

Quem pode abrir a CAT: médico, empresa, o próprio trabalhador, sindicato e autoridade pública.

O trabalhador não tem prazo definido para abrir a CAT, deve ter documentos, laudos médicos que comprovem a sua doença e ou acidente.

Para saber sobre os seus diretos consulte o site da cipa no Menu "CIPA" - "Documentos" - "Acidentes".

 
21/08/2015

No dia 20 de Agosto de 2015,  CIPA Unicamp, junto com a cipeira Adriana Oliveira e a Engenheira de Segurança do CPQBA, Claudia Steckelberg, reuniram–se com o secretário de Transporte de Paulínia, Sr. José Vicente Krepski para cobrar a falta de segurança no trânsito,  em frente a CPQBA, na Avenida Alexandre Cazellato. Os carros trafegam em alta velocidade causando acidentes para motoristas e pedestres que entram nesta unidade.

O secretario de transporte disse que a Prefeitura tem o compromisso de apoiar tecnicamente a instalação de um redutor de velocidade (lombofaixa) e que a unidade CPQBA deverá disponibilizar os recursos e pessoal para colocar a lombofaixa em frente esta unidade. O retorno oficial deste protocolo será encaminhado à direção do CPQBA, com cópia para a CIPA. [ id=78]

 
19/08/2015

 
19/08/2015

 
18/08/2015

A CIPA Unicamp visitou o CEPETRO para conhecer o processo de  elaboração do Mapa de Risco desta unidade. Os trabalhos de elaboração deste mapa foram intensificados nesta unidade, a partir da participação do técnico de Laboratório do CEPETRO,  Claudio Roberto Varani, no Curso de Treinamento de Mapa de Risco, realizado pela CIPA, com o apoio do DSTr e AFPU, em março de 2015.

Hoje os trabalhos estão na fase final de apresentação dos riscos nas  plantas do prédio. A bolsista da CIPA, Renata Beltramin, está auxiliando no modelo final para servir como experiência para outros locais da Unicamp.. [ id=75]

 
18/08/2015

A CIPA Unicamp reuniu-se com o Prefeito do Campus, Professor Armando José Geraldo e seus assessores, no dia 12 de agosto de 2015, para tratar da construção de um banheiro na Guarita 3 (Reitoria), pois é a única guarita que não tem banheiro próximo do local de trabalho dos funcionários, que são  obrigados a se deslocarem  para outros banheiros mais próximos.

Além disso, os funcionários têm que se comunicar com o supervisor e esperar para ser substituído, passando por constrangimentos e até por situações que podem comprometer a sua saúde.  Observou-se também que isso acarreta congestionamento quando um posto  da guarita é fechado.

O Prefeito do Campus se comprometeu em estudar uma saída para este caso e solicitou aos responsáveis da empresa terceirizada que coloquem um funcionário a mais para render os demais nos seus impedimentos. [ id=77]

 
18/08/2015

No dia 05 de agosto de 2015 a CIPA Unicamp se reuniu com  no Serviço de Apoio ao Estudante (SAE) para acertos na confecção do Mapa de Risco deste prédio, abrangendo o CLE (Centro de Lógica) e SAPPE (Serviço de Apoio Psicológico). O Engenheiro Geraldo Alves dos Santos Junior, assessor acadêmico do CLE,  irá atualizar as plantas dos referidos locais para finalização deste Mapa. [ id=76]

 
17/08/2015

X

 
17/08/2015

Nos dias 13 e 14 de Agosto de 2015, a presidente da CIPA Unicamp, Rosângela Martinhago, juntamente com a aluna de doutorado do Curso de Ergonomia do Trabalho da FEAGRI, Carmem Ap. Herrera, participaram do "Curso Acidentes de Trabalho, Legislação e a Saúde do Trabalhador", a convite do  CEREST - Centro de Referência de Saúde do Trabalhador de Piracicaba. Foi uma grande experiência e entrosamento com a equipes do CEREST, pesquisadores e membros de SESMT, com muita história de luta nesta área. O curso prosseguirá até o dia 09 de setembro de 2015, nas quartas feiras.

O curso “ Acidentes de Trabalho, Legislação e a Saúde do Trabalhador”, está sendo ministrado pelos professores:  Dr. Rodolfo Andrade de Gouveia Vilela, engenheiro docente da disciplina Saúde e Meio Ambiente da Faculdade de Saúde Pública da USP/SP; Dr. Gil Vicente Ricardi, médico auditor fiscal do Ministério do Trabalho e Emprego da Gerência de Campinas; Dr. Ildeberto Muniz de Almeida, médico docente do departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina da UNESP de Botucatu; e Dr Antenor Varolla de Jesus, engenheiro auditor fiscal/gerente regional do Ministério do Trabalho e Emprego da Gerência de Piracicaba. [ id=74]

 
12/08/2015

PERGUNTAS AOS PALESTRANTES

Tema da palestra: Trabalhadores Expostos a Riscos Biológicos: Insalubridade, Periculosidade e NR – 32

 

C.A. Rochadel –  Engenheiro de Segurança do Trabalho – Sindicato de Saúde de Campinas e Região (Sinsaúde).

Norton Martarello – Engenheiro de Segurança do Trabalho, especialista em Economia do Trabalho e Sindicalismo (CESIT) e em Ergonomia (Unimep/UFMG) e mestre pela FCM da Unicamp.

Dilaine R. S. Schneider – Engenheira de Segurança do Trabalho da Divisão de Segurança do Trabalho (DSTr/DGRH/Unicamp).

1. Trabalhar em Manutenção preventiva e corretiva em agrupamento de ar condicionado tem direito a periculosidade?

Respostas:

C.A. Rochadel – Para definição do direito do adicional de periculosidade, para este ou outros exemploes, é necessário ter a descrição das atividades definidas e verificar o enquadramento na NR-16-anexo nº 04 da lei federal nº 6.514.

Norton Martarello – Se tiver contato com equipamento energizado e/ou passível de energização acidental de forma habitual e em proximidade com o equipamento elétrico energizado (teste, ensaio, verificar defeito, etc...) pode sim em especial na corretiva.

Dilaine R. S. Schneider Há que se considerar que:

  • Se o colaborador trabalha sob o regime jurídico estatutário, não há legislação no estado de São Paulo que regulamenta a avaliação da periculosidade e, portanto, a concessão do adicional de periculosidade não é cabível;
  • Se o colaborador trabalha sob o regime jurídico celetista deve ter a sua exposição ao agente de risco e suas atividades avaliadas conforme mencionado pela NR-16/Min. Trabalho e Emprego (e PORTARIA N.º 595 DE 07 DE MAIO DE 2015);
  • A exposição eventual afasta o direito à percepção do adicional de periculosidade, conforme Súmula/TST.

Assim, visto que toda exposição deve ser analisada in loco a fim de ser avaliada quanto à periculosidade, não é possível qualquer afirmação quanto à atividade questionada.

2. No caso de funcionários Estatutários:

Quem avalia o direito aos adicionais referentes aos graus mínimo, médio e máximo ou isenção (insalubridade e periculosidade)?

Que período?

E qual legislação que regulamenta este direito?

Resposta:

Dilaine R. S. Schneider A UNICAMP disponibiliza no site da DGRH formulário de “Solicitação de análise para fins de concessão de insalubridade e periculosidade”. O preenchimento deste formulário deve ser assinado pela chefia imediata do solicitante e enviado à DSTr via RH/Unidade. A DSTr procede com a avaliação das atividades e da exposição ocupacional, realizada pela Engenheira de Segurança do Trabalho do SESMT-DSTr/DGRH.

Para o colaborador celetista a legislação de análise e a metodologia são fornecidas pelo Min. Trabalho e Emprego, a saber, NR-15 e NR-16 – e seus anexos. Para o colaborador estatutário a insalubridade é avaliada mediante a legislação estadual Resolução SRT-37/1987, sendo que não há legislação estadual/SP para a avaliação da periculosidade.

3. O que a chefia deve fazer caso os seus profissionais, no exercício de suas funções não aceitam usar os EPIs recomendados pela NR – 32? Argumentando o desconforto sudorese, dificuldade de visualizar e outros.

Respostas:

C.A. Rochadel – todos os EPIs fornecidos pela empresa aos colaboradores( art 166 da CLT), devem ser treinados, registrados e com CA-certificados de Aprovação, emitida pelo M.T.E.(art 167 da CLT). e no caso do colaborador não utilizar por razão de desconforto, cabe ao SESMT reavaliar e buscar alternativas de EPIs.

Sempre seguindo as orientações da NR-06-EPI da lei federal nº 6.514.

Norton Martarello – Conscientizar do uso adequado, promover campanhas. Pesquisar equipamentos que não ‘incomodam’ ou até atrapalham, tentar resolver o problema na fonte.

Dilaine R. S. Schneider Tanto o empregado quanto o empregador têm direitos e deveres. Relevante é que todos os envolvidos (chefia, colaborador, supervisão, SESMT, etc.) visualizem as causas do desconforto apontadas buscando solucionar o problema visando a segurança na execução das atividades e sanando as dificuldades.

Devem ser tomadas providências quanto ao caso em questão, pois o uso do EPI pelo colaborador não é opcional, tendo em vista a legislação celetista, estadual, os Estatutos dos servidores da Unicamp e a legislação disponibilizada pela Procuradoria Geral da Universidade.

4. Quando o funcionário troca de regime CLT para Estatutário e recebia adicional de periculosidade, por que faz a “troca” para insalubridade, já que reconhece as atividades do funcionário?

Resposta:

Dilaine R. S. Schneider Visto que o adicional de periculosidade ou de insalubridade não é um direito adquirido (Súmula/TST), quando há mudança de regime jurídico de trabalho (de CLT para estatutário) a Unidade onde labora o colaborador envia para a DSTr a solicitação de nova análise da exposição e das atividades ocupacionais a fim de averiguar se há alteração na concessão de adicional conforme a legislação cabível. Como não há legislação estadual/SP para a concessão de periculosidade, o adicional de insalubridade poderá ser concedido - se for devido.

5. Os agentes de portaria da FUNCAMP recebem o adicional de periculosidade, e os agentes da portaria do HC, funcionários CLT, não recebem este adicional. Se as funções são as mesmas por que existe essa diferença?

Respostas:

Norton Martarello – Só se for por pelo novo anexo da NR 16 que a FUNCAMP caracterizou e a Unicamp / CLT não por não entender a inclusão...???

>>>>>>>>>>>>>> Anexo 3 da NR 13

Portaria MTE 1.885/2013

ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS COM EXPOSIÇÃO A ROUBOS OU OUTRAS ESPÉCIES DE VIOLÊNCIA FÍSICA NAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS DE SEGURANÇA PESSOAL OU PATRIMONIAL

ATIVIDADES OU OPERAÇÕES 

DESCRIÇÃO 

Vigilância patrimonial 

Segurança patrimonial e/ou pessoal na preservação do patrimônio em

 estabelecimentos públicos ou privados e da incolumidade física de

Segurança de eventos 

Segurança patrimonial e/ou pessoal em espaços públicos ou privados,

de uso comum do povo. 

Segurança nos transportes coletivos 

Segurança patrimonial e/ou pessoal nos transportes coletivos e em

suas respectivas instalações. 

Segurança ambiental e florestal 

Segurança patrimonial e/ou pessoal em áreas de conservação de fauna, flora natural e de

Transporte de valores 

Segurança na execução do serviço de transporte de valores. 

Escolta armada 

Segurança no acompanhamento de qualquer tipo de carga ou de

Segurança pessoal 

Acompanhamento e proteção da integridade física de pessoa ou de

Supervisão/fiscalização Operacional 

Supervisão e/ou fiscalização direta dos locais de trabalho para

acompanhamento e orientação dos

Telemonitoramento/ telecontrole 

Execução de controle e/ou monitoramento de locais, através de

sistemas eletrônicos de segurança. 

Serão descontados ou compensados do adicional outros da mesma natureza eventualmente já concedidos ao vigilante por meio de acordo coletivo, nos termos do § 3º do art. 193 da CLT.

Os efeitos pecuniários decorrentes do trabalho em condições de periculosidade serão devidos a contar da data da publicação da Portaria MTE 1.885/2013, nos termos do art. 196 da CLT.

Dilaine R. S. Schneider – A avaliação ocupacional depende de averiguação da execução das atividades dos colaboradores individualmente e, também, da legislação cabível; visto a UNICAMP ser uma administração pública, deve fazer apenas o que a lei lhe autoriza (Princípio da Legalidade – art. 37 da Constituição Federal), não concedendo o adicional independente desta.

6. Se existe uma legislação que contemple o trabalhador CLT no quesito periculosidade, acredito que seja por necessidade. Por que a UNICAMP não ingressa judicialmente CLE ao mesmo beneficio?  Há algum movimento esse sentido por parte da Universidade?

Resposta:

Dilaine R. S. Schneider Independente do regime jurídico de trabalho ou da possibilidade de concessão de adicional de periculosidade, a UNICAMP avalia os seus colaboradores quanto aos riscos ocupacionais, oferece medidas de controle dos riscos, disponibiliza equipamentos de proteção, treinamentos, etc.

Atualmente não há legislação estadual/SP para a concessão de periculosidade para estatutários; cabe ressaltar que a UNICAMP, por ser uma administração pública, lhe cabe fazer apenas o que a lei lhe autoriza também neste caso.

7. O Técnico de Necropsia da UNICAMP recebe 40% de insalubridade, enquanto o Técnico da FUNCAMP recebe 20%. Por que existe essa diferença sendo que as atividades são as mesmas?

Respostas:

Norton Martarello Os % estão previstos na CLT conforme este anexo, pode se ter tido diferenças quanto ao critério usado (o perito e técnico usou diferenças no seu entendimento para avaliar, verificar e enfim... classificar).

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 14

(Aprovado pela Portaria SSST n.º 12, de 12 de novembro de 1979)

AGENTES BIOLÓGICOS

Relação das atividades que envolvem agentes biológicos, cuja insalubridade é caracterizada pela avaliação qualitativa.

 INSALUBRIDADE DE GRAU MÁXIMO

 Trabalho ou operações, em contato permanente com:

- pacientes em isolamento por doenças infecto-contagiosas, bem como objetos de seu uso, não previamente esterilizados;

- carnes, glândulas, vísceras, sangue, ossos, couros, pêlos e dejeções de animais portadores de doenças infectocontagiosas (carbunculose, brucelose, tuberculose);

- esgotos (galerias e tanques); e

- lixo urbano (coleta e industrialização).

INSALUBRIDADE DE GRAU MÉDIO

Trabalhos e operações em contato permanente com pacientes, animais ou com material infecto-contagiante, em:

 - hospitais, serviços de emergência, enfermarias, ambulatórios, postos de vacinação e outros estabelecimentos destinados aos cuidados da saúde humana (aplica-se unicamente ao pessoal que tenha contato com os pacientes, bem como aos que manuseiam objetos de uso desses pacientes, não previamente esterilizados);

- hospitais, ambulatórios, postos de vacinação e outros estabelecimentos destinados ao atendimento e tratamento de animais (aplica-se apenas ao pessoal que tenha contato com tais animais);

 - contato em laboratórios, com animais destinados ao preparo de soro, vacinas e outros produtos;

 - laboratórios de análise clínica e histopatologia (aplica-se tão-só ao pessoal técnico);

- gabinetes de autópsias, de anatomia e histoanatomopatologia (aplica-se somente ao pessoal técnico);

- cemitérios (exumação de corpos);

- estábulos e cavalariças; e - resíduos de animais deteriorados.

Dilaine R. S. Schneider A avaliação ocupacional depende de averiguação da execução das atividades dos colaboradores individualmente. Um dos motivos para a aparente discrepância pode ser a diferença nos regimes jurídicos de trabalho (CLT ou estatutário), cujas legislações aplicáveis concedem o adicional com base de cálculo diferentes entre si.

8. Quais as regras para aposentadoria especial?(Estatutário/CLT). O SESMT UNICAMP emite algum parecer para aposentadoria especial?

Respostas:

Norton Martarello Os trabalhadores regidos pela CLT têm seus critérios previstos na Instrução Normativa do INSS (que muda a quase que toda hora inclusive)...Mas a base é essa...

IN INSS?PRES N° 77 de 21 de janeiro de 2015.

Capítulo V - Benefícios e Serviços

Dilaine R. S. Schneider No site http://www.dgrh.unicamp.br/produtos-e-servicos você pode encontrar informação sobre Aposentadorias/CLT, Aposentadoria comum/ESU e sobre Aposentadoria especial/ESU: http://www.dgrh.unicamp.br/produtos-e-servicos/aposentadoria-especial.

A Instrução Normativa DGRH nº 004/2014 estabelece orientações e procedimentos para fins de concessão de aposentadoria especial aos servidores estatutários, e menciona no seu “Artigo 3º - Para a caracterização e a comprovação do enquadramento do tempo de atividade exercida sob condições especiais no exercício de atribuições com efetiva exposição a agentes nocivos prejudiciais à saúde ou à integridade física na Unicamp, a análise dos documentos a que se refere o §3º do artigo 2º será de responsabilidade do profissional autorizado e legalmente habilitado, engenheiro de segurança do trabalho da Diretoria Geral de Recursos Humanos da Universidade, mediante a adoção dos seguintes procedimentos”...

Veja o site: http://www.dgrh.unicamp.br/documentos/instrucoes-normativas/instrucoes-normativas-dgrh-2014/instrucao-normativa-dgrh-no-004-2014.

9. Qual a melhor definição para permanente? E adicionalmente questionar sobre a questão perigo em função do tempo de exposição, afinal um acidente pode acontecer em questão de segundos.

Respostas:

C.A. Rochadel – É necessário entender a definição sobre exposição aos riscos ambientais e exposição aos riscos de acidentes:

A maioria dos riscos ambientais está baseada em limite de tolerância de forma quantitativa e outros riscos ambientais, como risco biológico, está referenciado na avaliação qualitativa.

Definição legal, acidente de trabalho “é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou redução, permanente ou temporária.

Trabalho permanente”: laborar, durante toda a jornada, em determinado ambiente laboral.

Norton Martarello – Na minha prática pessoal tenho que:

Permanente = Habitual e de certa forma contínuo... Ou mesmo intermitente... Mas não eventual...Esporádico.

Concordo contigo que no fator de risco/perigo temos que mesmo em “UM ÁTIMO DE TEMPO PODE SER FATAL...” e de certa forma cada anexo específico verifica alguns destes aspectos, (alguns mais outros menos).

Tais anexos que caracterizam estas Atividades e Operações Perigosas, ou seja “periculosidade” na CLT. Lembrando sempre que se pode em convenção coletiva ou estatuto ter diferenças e/ou outros ‘ganhos’... Como com:

Ás vezes (e muitas vezes)... O trabalho é extremamente perigoso (como o trabalho em altura, por exemplo), mas não periculoso nos termos tecno-legais...

Lembra-se que falei, na minha discussão, de que “... A LUTA FAZ A LEI...”.

Muitas vezes a lei não é assim tão favorável aos trabalhadores não !!!!!

Dilaine R. S. Schneider – A definição de contato “permanente” depende da legislação considerada. Dentre outros, temos que para o Min. Previdência Social: até 18/11/2003 havia uma definição e após esta data, outra, sendo que a permanência aqui respeito à necessidade, para caracterização de condições especiais, de que o trabalho exposto aos agentes nocivos ocorra de modo permanente, não ocasional nem intermitente, indissociável da produção do bem ou da prestação do serviço; para o Min.

Trabalho e Emprego: Contato permanente com pacientes, animais ou material infectocontagiante é o trabalho resultante da prestação de serviço contínuo e obrigatório, decorrente de exigência firmada no próprio contrato de trabalho, com exposição permanente aos agentes insalubres; a portaria N.º 3.311/1989 traz ainda outras definições. Devem ainda ser considerados outros aspectos para a avaliação ocupacional, como a quantificação do agente de risco, as medidas de controle do risco, etc.

Meire Celeste Cardoso Del Monte – Enfermeira do Programa de Risco Biológico do CECOM.

1. Existe um atendimento preventivo para pessoas que realizam atividades culturais periódicas na Enfermaria da Pediatria do HC?

Resposta:

Nós só trabalhamos com a comunidade da UNICAMP. Fazemos várias atividades de caráter preventivo, mas focado nos dados que temos e para aqueles que são alvo destes acidentes.

 
06/08/2015

O filme "O Lucro Acima da Vida" apresentado na SIPAT/2015, produzido pelo Sindicado Químicos Unificados de Campinas e região, mostrou a luta dos trabalhadores contra a  multinacional Shell/Basf. Centenas de trabalhadores desta indústria e moradores do bairro Recanto dos Pássaros em Paulínia,  desenvolveram doenças por contaminações químicas (agrotóxicos). Mais de 70 deles morreram e todos tiveram que abandonar suas propriedades,  no entorno da fábrica.Depois de 12 anos de luta,  os trabalhadores conseguiram junto a Justiça do Trabalho,  o maior acordo da história da justiça brasileira, com coberturas indenizatórias por danos morais individuais e coletivo.As indenizações por danos morais coletivos serão destinadas a construção de um novo Hospital do Câncer em Campinas, localizado na região do Hospital Municipal Dr. Mario Gatti. 

  

 
06/08/2015

Foi aberta na manhã desta segunda-feira (27) a 23ª edição da Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho (Sipat) da Unicamp, que reúne as comissões internas de prevenção de acidentes (Cipas) dos campi Campinas, Limeira, Piracicaba e também da Fundação de Desenvolvimento da Unicamp (Funcamp). Este ano, o evento tem como tema “Segurança no trabalho, saúde e sustentabilidade: ações integradas na universidade”. A mesa de abertura da Sipat contou com a presença de diversas autoridades, que destacaram a importância do trabalho das Cipas para a garantia da saúde integral (física e mental) da comunidade universitária.

Representando o reitor José Tadeu Jorge na cerimônia, a pró-reitora de Pesquisa da Unicamp, professora Gláucia Pastore, saudou os participantes da Sipat e agradeceu o trabalho que as Cipas vêm realizando. Ela citou como exemplo o trabalho que a Cipa Central fez junto aos profissionais que atuam no segmento da pesquisa, como forma de ampliar a segurança nos laboratórios. “Ações semelhantes têm sido feitas em outras áreas da Universidade. Isso é zelar pela segurança física, mental e social da comunidade universitária”, afirmou.

A presidente da Cipa Central da Unicamp, Rosângela Maria Galante Martinhago, assinalou que as comissões estão trabalhando para ampliar a visão de segurança na Universidade, envolvendo professores, alunos e funcionários. Entre os desafios a serem superados, segundo ela, está a elaboração de um mapa de risco digital e a conquista de um espaço físico que permita que a Cipa Central atenda melhor as demandas apresentadas pela comunidade. Rosângela também ressaltou a importância da integração entre as Cipas, de modo a qualificar as ações de segurança no ambiente de trabalho.

Após a solenidade de abertura da 23ª Sipat, foi realizada uma oficina por profissionais do Instituto de Psicodrama e Psicoterapia de Grupo de Campinas. Durante a atividade, o público foi estimulado a participar de grupos que discutiriam questões relacionadas às condições de trabalho e saúde na Unicamp. Em seguida, cada equipe construiria uma imagem que representasse os pontos debatidos.

A 23ª Sipat prosseguirá até a próxima quinta-feira (30), com diversas atividades. Serão realizadas, por exemplo, palestras sobre o controle de riscos em laboratórios e análise de prevenção de acidentes de trabalho. Também haverá a exibição do documentário “O lucro acima da vida – O caso Shell e Basf” e a apresentação do coral Zíper na Boca. A programação completa do evento pode ser conferida neste link.

 
04/08/2015

O 4ª dia da SIPAT 2015 foi realizado em Limeira na FCA,  com a palestra "Gestão Integrada em Saúde e Meio Ambiente", proferida pelo Professor Luiz Carlos de Miranda Junior, engenheiro e Mestre em Gestão Integrada em Saúde e Meio Ambiente, que mostrou quais são os pressupostos para criar um sistema de gestão integrada, que possa  evitar riscos de acidentes e riscos ambientais.

A SIPAT 2015  teve a cobertura colaborativa Online, do Grupo Gestor de Tecnologias Educacionais (GGTE) que proporcionou  a transmissão  para os Campi de Campinas, Limeira e Piracicaba. Os trabalhadores puderam assistir esta programação, via web,  em seus locais de trabalho, dentro e fora da Unicamp.

Os arquivos com as respectivas palestras podem ser acessados no seguinte endereço: www.sergio.gr.unicamp.br/SIPAT2015

A CIPA Unicamp agradece imensamente a todos que vieram prestigiar o evento:  palestrantes, convidados participantes, autoridades e apoiadores. [ id=73]

 
04/08/2015

O filme "O Lucro Acima da Vida" produzido pelo Sindicado Químicos Unificados de Campinas e região, emocionou os presentes, contando detalhes desta tragédia anunciada na nossa região. Foram mais de 70 trabalhadores mortos por doenças decorrentes das contaminações químicas dentro e fora da Fábrica Shell/Basf. O filme foi realizado com colaborações de voluntários e de forma cooperativa.

Após o filme,  a CIPA foi homenageada pelo seu  ex-presidente Azuir Ferreira Tavares Filho, com um linda poesia de sua autoria.

O debate na saúde sobre a "Norma Regulamentadora do Trabalho – NR32, Insalubridade, Periculosidade, Programa de Riscos Biológicos no Cecom" contou com os seguintes palestrantes: C.A. Rochadel, Engenheiro de Segurança do Trabalho do Sinsaúde, Meire Celeste Cardoso Del Monte – Enfermeira do Programa de Riscos Biológicos do Cecom, Norton Martarello – Engenheiro de Segurança do Trabalho do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e região, Dilaine Schneider – Engenheira de Segurança do Trabalho da Divisão de Segurança do Trabalho da Unicamp e João Raimundo Mendonça de Souza (Kiko) – diretor do  STU.

Os palestrantes abordaram os temas de forma complementar, trazendo aspectos da legislação, mas mostrando a importância das lutas por melhores condições e jornadas de trabalho adequadas, pois o risco é presente na área de saúde. Mostraram o quanto é importante a participação dos segmentos, gestores e trabalhadores na elaboração de programas e políticas de melhorias das condições de trabalho e na prevenção acidentes.

O Coral da Unicamp "Ziper na Boca" sob a regência da Dra Vivian Nogueira, trouxe muita alegria e descontração para a comunidade presente no Anfiteatro do Hospital de Clinicas da Unicamp. O Coral já tem uma experiência de 30 anos na Universidade e é formado por trabalhadores e estudantes voluntários.  [ id=72]

 
04/08/2015

A palestra dos Coordenadores da Brigada de Incêndio do CPQBA, Adriana da Silva Santos Oliveira, Laura Suse Valok e Waldir Correa de Melo foi uma experiência prática de como formar e organizar brigadas contra incêndios. Além disso,  a equipe é pioneira  e inovadora na implantação de uma Gestão Integrada em Saúde e Segurança na Unicamp. Este projeto recebeu o prêmio PAEPE na Unicamp,  no ano de 2013.

A brigada foi criada no ano 2000 e desde então passa por treinamentos anuais,  capacitando os brigadistas e cipeiros para o trabalho de socorristas e de combate a incêndio.

A palestra de "Segurança nos Laboratórios" foi realizada pelo Profº Dr. José Pedro Dias Junior consultor em Segurança, Saúde e Meio Ambiente reforça a necessidade de manter um laboratório organizado, seguro,  identificando os produtos  e os possíveis riscos, bem como a destinação correta dos seus resíduos.  

A palestra de  "Análise e Prevenção de Acidentes de Trabalho" foi promovida pelo Profº Dr. Ildeberto Muniz de Almeida, professor do Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Medicina de Botucatu- UNESP e tratou a análise do acidente sob o ponto de vista da organização do trabalho.  Mostrou ao público que o trabalhador que se acidenta muitas vezes cai em armadilhas e não deve ser culpabilizado pelo seu próprio acidente. Por isso o acidente deve ser muito bem investigado, conhecer em detalhes o local do acidente e as condições que o trabalhador estava  inserido. A análise deve servir como uma oportunidade de mudança no processo e ambiente de trabalho. [ id=71]

 
03/08/2015

Para quem não pode comparecer ao evento, segue o link do video produzido pela jornalista Luiza Moretti - RTV, mostrando como foi a nossa SIPAT - 2015.

https://www.youtube.com/watch?v=of7oql0DQz8&feature=youtu.be 

 
31/07/2015

Foi muito bom e gratificante receber um público tão expressivo e diversificado na Semana Interna de Prevenção de Acidentes - SIPAT/2015 na Unicamp.  Estiveram presentes na abertura e no decorrer do dia, autoridades, representantes de vários segmentos e setores da universidade, convidados externos e até de outros munícipios de Campinas e região.   O site da CIPA recebeu  394 inscrições e outros 50 participantes se inscreveram na recepção do evento. Foi um evento alegre,  de confraternização e todos puderam apreciar os trabalhos que a CIPA Unicamp vem desenvolvendo na universidade.

A SIPAT/2015 foi uma promoção das CIPAs Unicamp, CIPA Funcamp, CIPA Limeira e CIPA Piracicaba.

A oficina de sensibilização com a temática “Condições de Trabalho e Saúde” foi realizada pelas psicólogas Dra. Liliana Aparecida de Lima, Célia Barbosa de Moura, Pâmella Oliveira Correia e Eliete Orto do Instituto de Psicodrama e Psicoterapia de Grupo de Campinas, e promoveu a interação,  a troca de experiências e o entrosamento entre cipeiros e convidados.

A palestra do “Amianto” foi realizada pela Dra. Fernanda Giannasi, estudiosa do assunto, fundadora da Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto ( ABREA), que alertou a todos sobre quanto este produto ainda está presente no nosso dia a dia, nas telhas, caixas d’água, divisórias.  A luta para banir o uso de amianto é mundial. Atualmente, 66 países proibem a extração, produção, comercialização e utilização de todos os tipos de amianto.  No Brasil vários estados, incluindo São Paulo,  proibiram a utilização deste material. Mas ainda temos uma das maiores minas de amianto do mundo,  que  fica em Minaçu no estado de Goiás.   

O amianto provoca inúmeras doenças, a mais conhecida é o  cancer de pulmão, por isso a necessidade de descarte correto deste produto e a conscientização da população para não usar produtos que contenham este mineral. 

A palestra sobre “Sustentabilidade” foi realizada pela Profª Dr. Raquel Cavalcanti Stefanuto, especialista em Gestão Sustentável, promoveu uma dinâmica para extrair a vivência de cada um, sobre o que nós traz insegurança e segurança no mundo atual e como atuar nas mudanças de hábitos individuais e coletivos. [ id=70]

 
17/07/2015

Estão abertas as inscrições para a 23ª Semana Interna de Prevenção de Acidentes da Unicamp - SIPAT 2015, juntamente com as CIPAs Funcamp, Limeira e Piracicaba. O evento acontece de 27 a 30 de julho de 2015

Confira a programação SIPAT 2015.

prog2015

Para se inscrever, preencha o formulário abaixo:

 

 
17/07/2015

Está disponível no site da Rádio e Televisão da Unicamp (RTV) o programa Pesquisa em Pauta, com o tema: Exercício e Diabetes. A população mundial vem apresentando aumentos alarmantes de indivíduos obesos e diabéticos devido ao crescente consumo de alimentos industrializados e à redução de atividade física. O exercício físico além de aumentar o gasto  energético reduz a obesidade, o que automaticamente irá combater o diabetes.

Neste programa participam o professor Lício Augusto Velloso, coordenador do Centro Multidisciplinar de Pesquisa em Obesidade e Doenças Associadas  da  Unicamp e o pesquisador Cláudio Cesar Zoppi que debatem seu trabalho de pós-doutorado.  Veja no link.

Pesquisa em Pauta constitui-se em um diálogo em que o orientador de um trabalho concluído, de doutorado ou mestrado, entrevista o pesquisador, autor da tese ou da dissertação. A proposta é dar visibilidade a trabalhos de qualidade, nas diferentes áreas do conhecimento, desenvolvidos no âmbito da Unicamp.

Os interessados em participar do programa com teses e dissertações podem entrar em contato pelo telefone 3521-2038, ou pelo e-mail divulga@rtv.unicamp.br

 
15/07/2015

 
15/07/2015

A CIPA realizou o trabalho em mutirão para organizar a SIPAT/2015 e obteve o apoio da Gráfica Central, dos bolsistas, estagiários e cipeiros.[ id=69]

 
15/07/2015

No dia 25 de Junho de 2015 as 14h00 no Auditório II da DGA a CIPA realizou sua reunião mensal para tratar da organização da SIPAT/2015, dos informes do Projeto Laboratório Seguro e sobre a Audiência Publica promovida pelo Ministério Publico do Trabalho,  Unicamp e Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp,  sobre o Termo de Ajuste de Conduta, para  combater as práticas de assédio moral na Universidade [ id=68]

 
29/06/2015

A primeira turma de inscritos para o curso de Primeiro Socorros para leigo participou, no dia 16 de junho, de atividades teóricas e práticas na Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp. O curso foi conduzido por alunos do segundo ano do curso de medicina com a supervisão dos professores da disciplina de cirurgia do trauma.

“Este curso é o encerramento da disciplina MD 344 sobre suporte básico de vida e primeiros socorros. É a prova final dos alunos. Eles devem ensinar os leigos como fazer atendimento em situações de urgência”, explicou o médico Gustavo Pereira Fraga, coordenador da disciplina.

João Carlos Ribeiro do Vale trabalha na área de transporte da DGA da Unicamp. Ele ficou sabendo do curso pela CIPA e achou que curso era a oportunidade de aprender sobre atendimento de convulsões e reanimação cardiorespiratória que podem ser útil no seu trabalho. “Estamos sujeitos em encontrar uma situação que necessite de atendimento de urgência. É importante ter um conhecimento mínimo para uma eventualidade de socorro”, disse.

Marcelo Vizechi, Caroline Baldi e Gabriela Cipro fazem especialização em Patologia Clínica na FCM. Marcelo nunca tinha feito um curso voltado para Primeiros Socorros e relatou que no final do ano passado sua mãe sofreu em engasgo durante um churrasco. “Por sorte minha irmã sabia fazer a manobra, mas eu não saberia fazer”, revelou.

Caroline Baldi nunca passou por uma situação semelhante, mas quis conhecer as técnicas de Primeiros Socorros. “A prática reforçou a teoria que vimos na sala de aula”, disse. Gabriela Cipro disse que na teoria aprende-se tudo, mas a prática é bem diferente. “Ter o contato, relembrar a teoria e fazer a prática em todas as estações faz diferença”, comentou Gabriela.

Mila Cunha é fisioterapeuta e atua em escola de educação infantil e disse que a questão do engasgo é bem comum. Assim como as dúvidas. “Eu nunca passei por uma situação dessas, mas no ‘achismo’ a gente sempre acaba complicando. É bom saber os procedimentos corretos. Vou transmitir o que aprendi aqui às educadoras que passam mais tempo com as crianças”, disse.

Os segundoanistas Vitor Busnardo, Pedro Ueda, Guilherme Henrique e Michel Stockler relataram como foi a experiência de passar para diferentes pessoas inscritas no curso aquilo que aprenderam em sala de aula durante o primeiro semestre do segundo ano do curso de medicina.

Michel contou que na parte teórica foi ensinado para turma os procedimentos para desengasgar adultos e crianças, ressuscitação cardiopulmonar em adulto e criança, convulsões, queimadura, afogamento e o protocolo de procedimentos de vias áreas, respiração, circulação, déficit neuronal e exposição (ABCDE) entre outros. “As apresentações foram divididas em grupos e depois todos apresentaram a parte prática. As dúvidas foram muitas. Os alunos se demonstraram muito interessados”, explicou Guilherme.

Vitor Busnardo disse que a responsabilidade em passar os conhecimentos de Primeiros Socorros é grande, mas a recompensa é maior. “Existem mitos nessa área de Primeiros Socorros e as pessoas compartilham coisas sem saber se é verdade”, disse. Pedro Ueda espera receber nota dez na avaliação. Ele disse que todos os alunos se preparam. “Se passarmos alguma coisa errada, as pessoas vão fazer errado e as consequências vão ser grandes. Por isso nos preocupamos em passar as informações corretas”, disse.

De acordo com Gustavo Fraga, as aulas teóricas preparadas pelos alunos foram interessantes, interativas e a parte prática foi a que os leigos mais gostaram. “Acho que dá para dar até nota 9,9 para os alunos”, disse.

Segunda turma do curso

A segunda turma do curso de primeiros socorros participou no dia 23 de junho de aulas preparadas pelos alunos do segundo ano do curso de medicina. As aulas foram no anfiteatro 1 da FCM e sala de aula. Em seguida, eles tiveram tiveram a parte prática do curso, nas arenas da faculdade. As atividades práticas foram acompanhadas pelas equipes Renovias, Autoban e Rota das Bandeiras.

O curso de primeiros socorros para leigos é realizado, anualmente, em junho, pela disciplina do trauma do curso de medicina da FCM e envolve alunos, docentes e funcionários da faculdade.

 
29/06/2015

Reproduzir, pelo menos em uma pequena parte, o Festival do Barco Dragão, uma festa tradicional da cultura chinesa, foi a maneira encontrada por professores e alunos do curso de mandarim da Unicamp para marcar a reunião de “despedida” do grupo, nesta segunda-feira, 22, na sala do Consu. Em julho dezoito alunos embarcam para a China para fazer um curso de verão. Eles serão acolhidos na Universidade de Beijing Jiaotong, parceira da Unicamp no Instituto Confúcio (IC), que é um projeto do governo chinês para divulgação do idioma e da cultura do país oriental.

A reunião foi conduzida pelo reitor em exercício Álvaro Crosta, que voltou recentemente de uma visita à universidade chinesa. Ele disse que os alunos serão “embaixadores” da Unicamp naquele país e que também terão o papel importante de incrementar as relações entre as universidades. “Que vocês possam aproveitar muito o convívio com a população chinesa e voltar com uma visão muito positiva do país”. Crosta entregou aos alunos duas cartas: uma endereçada ao reitor da Beijing Jiaotong e outra à direção do IC.

O diretor do instituto na Unicamp, Walter Belik, afirmou que as cartas servirão para colocar os brasileiros em contato direto com a reitoria da universidade parceira. “A Beijing Jiaotong é uma universidade muito grande, que recebe muitos estrangeiros. A carta é em agradecimento porque eles estão oferecendo todas as condições de acolhida aos nossos alunos” salientou.

Belik lembrou que havia uma demanda reprimida pelo aprendizado da língua chinesa, uma vez que foram criadas quatro turmas, com 120 alunos, já no primeiro ano do curso na Unicamp. Segundo ele a expectativa para o ano que vem é contratar mais uma professora e criar novas turmas.

Os alunos ficarão por 22 dias entre Pequim e Xangai. Farão um curso de imersão na língua e também na cultura da China. A professora de mandarim Wang Li acredita que o curso de verão será principalmente importante para aumentar os conhecimentos dos brasileiros principalmente em relação à cultura do país. “Em relação ao aprendizado da língua os alunos são muito inteligentes, mas falta conhecer mais sobre o país”.

A China é hoje o principal parceiro comercial do Brasil. As oportunidades de trabalho no meio acadêmico atraíram Thiago Bonelle para o curso de mandarim. O aluno do último ano do curso de matemática também é estagiário do IC. Mas por enquanto, a língua que Thiago irá falar em Pequim e Xangai, será o inglês mesmo, assim como os outros alunos do curso. Por enquanto, em mandarim, apenas poucas palavras e o suficiente para “não morrer de fome”. No final da reunião, uma mesa farta de quitutes chineses. Recordando o festival do Barco Dragão foram servidos dois pratos típicos. Uma espécie de pamonha de arroz e um bolinho de feijão doce. 

 
29/06/2015

No setor industrial, em períodos de crise financeira, geralmente o primeiro item a ser cortado é a segurança. Isso normalmente acontece quando a produção é privilegiada em detrimento desse item. Mas não se deve abrir mão da segurança. O desastre em que explodiu o reator da usina nuclear de Chernobyl, na Ucrãnia, em 1986, foi emblemático e um marco de uma sequência de erros. Foi um teste que deu errado, muito graças ao líder da operação, que evitava ouvir as pessoas. Foram seis violações dos princípios de segurança até que o reator explodisse. Foram mais de 200 casos de envenenamento radioativo, com 30 vítimas fatais.

O comentário foi feito pela médica Maria Magalhães, neonatologista do Hospital Brigadeiro de São Paulo, com atuação na área de segurança do paciente. Sua fala aconteceu no contexto do Fórum Permanente Vida e Saúde, realizado na manhã desta quarta-feira (24) no Centro de Convenções da Unicamp, promovido pela Coordenadoria Geral da Universidade (CGU) e organizado pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Hospital de Clínicas (HC) e Faculdade de Ciências Médicas (FCM). 

A palestrante falou sobre “Biossegurança e cultura de segurança: o binômio fundamental na promoção do aprendizado institucional”. Segundo ela, quando o que está em jogo é a segurança do paciente, os profissionais da saúde ainda têm muita dificuldade de aprender a ouvir outras opiniões e admitir que erram. A biossegurança é constituída por um conjunto de normas que visam nortear os trabalhadores, usuários, pacientes e clientes quanto à realização de procedimentos cada vez mais seguros, orientando-os ainda quanto às medidas profiláticas e de emergência a serem tomadas em caso de acidentes. 

No Fórum, a médica relembrou a história do dano à saúde humana. Lembrou de práticas hoje impensáveis como a trepanação (abertura de um ou mais buracos no crânio), as sangrias, o tratamento da sífilis com mercúrio e arsênico. Também evocou a década de 1960, quando a talidomida causou neuropatias (doenças do sistema nervoso) e defeitos genéticos em fetos. Por isso foi tirada de circulação. Mas daí já havia sido ingerida por milhares de grávidas para tratamento de mal-estar, náuseas e vômitos. Como consequência, nasceram bebês com defeitos congênitos, com malformação de braços, pernas, mãos, dedos, orelhas, ouvido, nervos faciais e rins. “Notamos então que há grandes riscos nos limites do conhecimento e da experiência. E a ciência não tem definido o que é a melhor prática de segurança”, afirmou.

Maria Magalhães também discutiu a dificuldade de avaliar se o que está sendo feito em dado procedimento é algo bom. Em sua opinião, o resultado vai depender muito do profissional da saúde. “Mas alguns aspectos têm que ser levados em conta: a saúde tem que ter segurança, tem que ser efetiva, o cuidado tem que ser centrado no paciente, o paciente tem que estar no controle do seu tratamento, o atendimento tem que ser sem espera, deve-se evitar o desperdício e a equidade deve ser para todos”, pontuou.

De acordo com a palestrante, em 1900 foi efetuado o primeiro trabalho multicêntrico sobre danos em Nova Iorque, EUA. De 44 mil a 98 mil norte-americanos morriam a cada ano por eventos adversos. Foi montado um plano de segurança do paciente. Dez anos depois, realizou-se um outro relatório, o qual mostrou que alguns danos ocorriam e eram equivalentes, em termos de consequências, à queda de um avião jumbo por dia. Outro relatório, de 2011, do Reino Unido sugeriu que o país tinha uma média de 25% dos seus pacientes com danos.

A palestrante falou ainda sobre o conceito de erro, recordando o passado. Para ela, erro não significa falta de competência e nem é algo tão inesperado. “Esperar zero de erro é uma falha que pode indicar inclusive que não foi feita gestão de risco. Agora, quando o erro apressa a morte, é preciso ter um olhar ainda mais cuidadoso e especializado”, advertiu. “Mas todos os processos devem ser organizados de tal forma a evitar o erro”, esclareceu. Por outro lado, admitiu que um profissional que está sem dormir por causa de um longo plantão pode ter receio de notificar que cometeu um erro em uma determinada situação, porque no Brasil se vive uma cultura em que o erro é imperdoável. E tem mais: muitas notificações constrangem e expõem os colegas.

Fórum
Participaram da abertura deste fórum os docentes da Unicamp José Marcos da Cunha (assessor da CGU), Roberto Teixeira Mendes (diretor-associado da FCM) e os organizadores do evento: Marcelo Lancellotti (da FCF) e Antonio Gonçalves de Oliveira Filho (FCM). O Fórum encerra às 17 horas e abordará ao longo do dia os níveis e normas de biossegurança na área da saúde, a comunicação entre os profissionais de saúde e a segurança do paciente, a cultura da segurança, os desafios na implantação da terapia medicamentosa segura e a transversalidade da segurança do paciente e profissional no processo assistencial. A série Fóruns Permanentes apresentará até o fim do ano 30 eventos, selecionados de um universo de 90.

 
19/06/2015

 
16/06/2015

A CIPA participou hoje do curso de Primeiro Socorros disponibilizado pela FCM, em que seus estudantes da Graduação de Medicina, sob o comando do Profº Drº Gustavo Fraga, também Presidente da Sociedade Panamericana do Trauma, deram o curso para leigos, ensinando algumas manobras de Primeiros Socorros em uma linguagem de fácil entendimento para quem não faz parte da área da saúde. O curso foi divido em duas partes: uma rápida introdução teórica e, logo em seguida, uma rica atividade prática para cada procedimento abrangido. O curso teve duração de aproximadamente 2 horas e contou com muito participantes de todas as áreas da UNICAMP. [ id=66]

 
16/06/2015

Grupo de Trabalho “Laboratório Seguro” da CIPA Unicamp, apresentou o Projeto  na reunião da Comissão Central de Pesquisa - CCP em  10/06/2015.

Este trabalho despertou o interesse de vários docentes de unidades,  que estão convidando a CIPA,  para apresenta-lo e discuti-lo com maior profundidade nos ambientes laboratoriais da Universidade..

Confira o Projeto no site da CCPhttp://www.prp.rei.unicamp.br/ccp/

 
12/06/2015

 
11/06/2015

A convite da Profª Dra. Gláucia Maria Pastore – Pró-Reitora de Pesquisa, o Grupo de Trabalho da CIPA Unicamp, apresentou o Projeto “Laboratório Seguro” para os membros da Comissão Central de Pesquisa da Unicamp, reunidos no dia 10 de junho de 2015, às 14h30, na sala do Consu. Este projeto tem como objetivo à prevenção dos alunos que frequentam as aulas práticas dos laboratórios da Unicamp, desde a graduação, pós-graduação, extensão e pesquisa e já está disponibilizado no site da Comissão: http://www.prp.rei.unicamp.br/ccp/

Foi muito importante a abertura deste espaço de discussão junto aos docentes, que precisam de respaldo institucional, bem como os funcionários, para proporcionar nos seus ambientes de laboratórios, condições seguras para todos os seus usuários.

As CIPAs setoriais da Unicamp estão empenhadas neste trabalho de prevenção nas unidades e propõem ações possíveis de serem iniciadas, a partir da realidade de cada local. Quem quiser conhecer mais sobre o assunto, acessar o site da CIPA: www.sergio.gr.unicamp.br - palestras 2015 [ id=65]

 
11/06/2015

A comunidade universitária da Unicamp e os visitantes do campus de Barão Geraldo têm, agora, à sua disposição um serviço móvel para resgate e atendimento às urgências e emergências em saúde, sejam traumáticas, causadas por acidentes, ou clínicas. O serviço próprio, que foi denominado como VIDAS (Veículo Interno de Atendimento em Saúde), funcionará 24 horas, inclusive aos finais de semana e feriados. 

Será coordenado pelo Centro de Saúde da Comunidade (Cecom) e pela Vigilância do Campus, órgão da Prefeitura Universitária. Os chamados podem ser feitos no telefone 19-3521-6000 ou ramal 1-600, para quem utiliza os telefones internos da Universidade. Além do campus de Barão Geraldo, o Serviço atenderá as urgências e emergências da Moradia Estudantil e do Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Clínicas Biológicas e Agrícolas (CPQBA).

O VIDAS foi inaugurado na manhã desta quarta-feira (10) pelo reitor da Unicamp, José Tadeu Jorge, no pátio da Vigilância do Campus, onde o veículo ficará estacionado. “É uma satisfação entregar à comunidade Unicamp um serviço que é muito mais que um veículo ou uma ambulância. O VIDAS faz parte das medidas do Programa Campus Tranquilo, Universidade Viva. Este é um programa emblemático para a Universidade, construído com a efetiva participação da comunidade, professores, funcionários e estudantes, que opinaram sobre como seriam as providências que a administração deveria tomar para termos aqui uma condição de viver e conviver, estudar e trabalhar de uma maneira mais adequada”, explicou o reitor José Tadeu Jorge.

O coordenador-geral da Unicamp, Alvaro Penteado Crósta, ressaltou que o Serviço VIDAS integra o eixo da prevenção do Programa Campus Tranquilo, Universidade Viva. “A ideia de termos um serviço de atendimento às urgências e emergências médicas já circulava na Universidade há bastante tempo, porém ela nunca havia sido concretizada. Durante a elaboração do Programa Campus Tranquilo nós fizemos cerca de 30 reuniões em todas as unidades e áreas do campus, e, em muitas dessas reuniões, essa ideia surgiu como uma demanda espontânea dos professores, funcionários e alunos. E desde o início consideramos a ideia excelente porque, do ponto de vista da prevenção, um serviço como este é extremamente relevante. Importante dizer que esta não é a única ação.”

Alvaro Crósta revelou ainda que estão bastante adiantadas as negociações com o Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo para instalação de uma base da corporação na Unicamp ou até mesmo a sua sede, que funciona há décadas na área central de Campinas (leia mais). “Estas ações são de grande impacto. Elas colaboram para que a nossa comunidade tenha a tranquilidade de que, caso seja necessário, possa contar com um atendimento de urgência médica ou uma ação que envolva, por exemplo, o Corpo de Bombeiros”, afirmou. 

A coordenadora do Cecom, Patrícia Asfora Falabella Leme, lembrou que circulam, em média, 60 mil veículos e 80 mil pessoas diariamente no campus da Unicamp. “Além disso, temos grandes eventos na Universidade, sejam científicos, culturais, esportivos e sociais. Estes são fatores de risco para a ocorrência de agravos à saúde, sejam traumáticos ou clínicos. Esta demanda agora está resguardada com mais esta ação do Programa Campus Tranquilo, Universidade Viva, da Coordenadoria Geral da Universidade.” O prefeito do campus, Armando José Geraldo, acrescentou que a rapidez do serviço, que será operacionalizado pela Vigilância, será um dos principais ganhos para a comunidade. 

A solenidade de inauguração do serviço contou com a participação, além de funcionários, docentes e alunos, do chefe de gabinete da Reitoria, Paulo Cesar Montagner; do chefe de gabinete adjunto, Osvaldir Pereira Taranto; do assessor da CGU, Orlando Fontes Lima Jr.; e dos pró-reitores de Graduação, Luís Alberto Magna; de Pesquisa, Gláucia Maria Pastore; e de Extensão e Assuntos Comunitários, João Frederico da Costa Azevedo Meyer. 

 
10/06/2015

No dia 09 de junho de 2015, às 14h00, no Salão Nobre da FEA,  ocorreu a plenária sobre o Projeto da CIPA “Laboratório Seguro - GT”  apresentado pela Engenheira de Segurança do Trabalho Dilaine Schneider e o “Gerenciamento de Resíduos Químicos” apresentado pela Regina Micaroni do  Grupo Gestor Universidade Sustentável – GGUS/CGU. O evento teve uma destacada participação dos trabalhadores, professores e alunos da Faculdade de Engenharia de Alimentos – FEA, e de diversas unidades do Campi de Campinas e Limeira, além  dos representantes da Comissão de Resíduos da Unidade, recém estruturada.

Quem quiser conhecer o conteúdo das palestras consultar o site da CIPA: www.sergio.gr.unicamp.br  CIPA-Palestras 2015: Projeto Laboratório Seguro e Gerenciamento de Resíduos Químicos

 Foi uma parceria muito positiva da CIPA Setorial FEA, CIPA Central, Diretoria FEA e o GGUS/CGU. [ id=64]

 
02/06/2015

No dia 01 de junho de 2015, às 14h30 a CIPA Unicamp e o Grupo Gestor de Tecnologias Educacionais estiveram reunidos com o diretor da FCA Prof. Dr. Peter Alexander Bleinroth Schulz, e os representantes dos setores de informática, multimídia e CIPA setorial para preparar o suporte de informática para transmissão e interação da SIPAT/2015, nos Campis de Campinas, Limeira e Piracicaba.

A novidade é que este ano as palestras serão transmitidas via WEB e os interessados poderão fazer perguntas online aos palestrantes. [ id=63]

 
29/05/2015

“ O custo humano dos eletrônicos”

Nesta reunião da CIPA, do dia 28 de maio de 2015, a Professora Dra, Flávia Consoni e a Doutoranda Luciara Gigante -  Departamento de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências (IG) palestraram sobre o “Lixo Eletrônico” e suas consequências para o meio ambiente, caso não seja feito um descarte adequado ou um reaproveitamento.

A Professora Flávia fez a diferenciação entre “Lixo” e “Resíduo” e disse que os produtos eletroeletrônicos e seus componentes podem ser reutilizados, por isso é considerado resíduo. Quando os produtos não tem mais utilidade são chamados de rejeito ou lixo. Também citou a Lei de 2010, do Plano Nacional de Resíduos, que diz que todo município brasileiro deveria ter uma gestão de resíduos sólidos, no entanto, isso acontece em apenas 36% deles. A professora se posicionou fortemente contra algumas multinacionais de eletrônicos que produzem apenas visando o lucro e estimulando o consumismo.

A doutoranda Luciara Gigante disse que do ponto de vista do planeta não temos como jogar lixo fora. E citou as consequências do descarte inadequado. Ela deu como exemplo a realidade da Nigéria (capital Lagos), que recebe, containers com materiais eletroeletrônicos que abastecem armazéns e mercados locais com peças usadas. É o que move a economia local, mas que 75% do material enviado, não tem condições de serem reaproveitados, são manuseados e descartados inadequadamente. Com isso os trabalhadores nigerianos ficam expostos a todos os tipos de contaminações,  comprometendo a saúde e o meio ambiente (solo, água e ar)  daquele país.

Isso não é muito diferente dos nossos lixões a céu aberto, visto que grande parte dos municípios brasileiros, ainda não tem uma Gestão de Resíduos Sólidos, assim como a cidade de Campinas, que recicla apenas 3% do seu lixo.

Luciara indicou também um link do youtube com o titulo "Quem paga o preço ? O Custo Humano dos Eletrônicos" que conta um pouco mais sobre essa realidade: https://www.youtube.com/watch?v=vDz3Za_ZVkY [ id=62]

 
29/05/2015

A reunião mensal da CIPA ocorrida no dia 28 de maio de 2015, às 14h00 no Auditório da DGA, contou mais uma vez com a presença e a brilhante palestra do Profº Dr. Antonio Carlos Zuffo, do Departamento de Recursos Hídricos da FEC. O Professor Zuffo fez uma explanação histórica do ciclo da água no planeta, “Efeito Noé” e “Efeito José” período de abundância de chuvas e de estiagens. Segundo o professor estamos no período da seca, das vacas magras, que podem durar de 08 a 11 anos.

Para o professor Zuffo, os efeitos climáticos são cíclicos e previsíveis. Nós precisamos de  políticas governamentais para prevenir os efeitos da chuva ou seca Ele mostrou os problemas que o nosso país já enfrentou na década de 50, e que se repetem de tempos em tempos, deixando uma marca de desolação, conforme períodos passados.

Segundo o professor Zuffo isso poderia ser evitado, como ocorreu na Holanda, que depois de passar por uma situação de grandes inundações, destruições e mortes, na década de 50, o governo holandês fez fortes investimentos na construção de diques e hoje, com todos os efeitos climáticos, enchentes,  nos países europeus, americanos e asiáticos, a Holanda não foi atingida. [ id=61]

 
28/05/2015

Maria Luisa Taborda Borges Ribeiro (Malu Ribeiro) Coordenadora e Editora da rede das águas da Fundação S.O.S. Mata Atlântica ministrou ontem, dia 27/05, uma palestra com o tema: " S.O.S. Mata Atlântica - Água e Clima - As lições da crise na região Sudeste". [ id=60]

 
28/05/2015

No dia 26 de maio de 2015, na praça da paz da Unicamp, ocorreu a abertura da Semana do Meio Ambiente, com atividades do Mexa-se, Escola Livre de Música e apresentações de trabalhos realizados no período.  Os temas soluções hídricas, ações contra desperdício de alimentos e pela diminuição do uso de copos descartáveis, preservação e proteção de animais, recuperação e preservação de áreas verdes, prevenção de doenças como a dengue e busca de alternativas para geração de energia fazem parte da “Carta de Intenções” elaborada na Semana do Meio Ambiente de 2014, com o tema “Construindo uma trajetória Sustentável”.

A CIPA faz parte deste Grupo de Trabalho do Meio Ambiente e promove  as ações integradas de segurança do trabalho, saúde e meio ambiente na universidade, como mapas de riscos ambientais,  projeto laboratório seguro e a Semana Interna de Prevenção de Acidentes que deverá ocorrer de 27 a 30 de julho da Unicamp.

A Profª Dra. Raquel Cavalcante Stefanuto  coordenou o “Café Mundial”, conhecido como “Art Of Hosting”  uma maneira eficaz e efetiva de trabalhar coletivamente as propostas para o próximo ano, tendo como perspectivas uma Universidade Sustentável. [ id=59]

 
25/05/2015

A Semana do Meio Ambiente na Universidade Estadual de Campinas -Unicamp, acontece entre os dias 26 a 29 de Maio de 2015 e terá como objetivo divulgar e integrar as ações existentes assim como a criação de novas ações. 

Consulte a programação!!! http://www.cgu.unicamp.br/ggus/semana_meio_ambiente/programacao.php

Participem!...

 
22/05/2015

A água é essencial para a vida humana.  Estamos no período de estiagem e este debate tem permeado os principais eventos na Universidade, sociedade, governos e a imprensa em geral. 

Pela importância do tema, a CIPA Unicamp convidou novamente o Profº Dr. Antonio Carlos Zuffo, do Departamento de Recursos Hídricos da FEC, para mais uma rodada de palestra, na sua reunião mensal, dando sequência “A Campanha Eu e a Água na Universidade” lançada no mês de março na Unicamp.

Outro assunto de grande interesse dos cipeiros é sobre o descarte do “Lixo Eletrônico”, reaproveitamento,  consequência para o meio ambiente e a saúde.

Para abordar este assunto, a CIPA convidou a Profa. Flávia Luciane Consoni  e a Doutoranda Luciara Gigante -  Departamento de Política Científica e Tecnológica do IG/ Unicamp, que estão com um projeto de pesquisa em andamento.

As palestras acontecem no dia 28 de maio de 2015 (5ª feira)  às 14h00, no auditório II da DGA, durante a Semana do Meio Ambiente na Universidade.

Participem!!!!!!   “Aberto ao público em geral”.

 
21/05/2015

Nesta 4ª feira, dia 21 de maio 2015, ocorreu a reunião da CIPA Unicamp, junto com o representante do Grupo Gestor de Tecnologias Educacionais – GGTE, o Diretor da Faculdade de Odontologia de Piracicaba, o representante de Informática, o presidente da CIPA Setorial , para preparar o suporte tecnológico, para a transmissão via WEB da SIPAT/2015, proporcionando assim a interação entre os Campis, Campinas, Piracicaba e Limeira.

A diretor da FOP, Profº Dr. Guilherme Elias Pessanha Henriques, o responsável pelo Setor de Informática, Felipe Correa e o Presidente da CIPA Setorial, Mauro Barboza foram muito receptivos e colaboraram prontamente com esta proposta, disponibilizando o espaço e os equipamentos para transmissão e a interação da sua comunidade nas palestras da SIPAT/2015. [ id=58]

 
20/05/2015

 
19/05/2015

No dia 15 de maio de 2015, o grupo de trabalho da CIPA Unicamp se reuniu para montar o material expositivo do projeto “Laboratório Seguro” que será apresentado na reunião de junho,  da Comissão Central de Pesquisa,  a convite da Profª Dra. Gláucia Maria Pastore. [ id=57]

 
19/05/2015

No dia 15 de maio de 2015,  os cipeiros foram à Gráfica da Unicamp para a coleta de dados, aplicação do questionário para elaboração do Mapa de Risco Ambiental.  Foi a primeira vez que a CIPA Unicamp realiza este trabalho na Gráfica, discutindo as condições de trabalho e os riscos existentes.

Os funcionários relataram que a Gráfica está com um número reduzido de trabalhadores.  

No passado contava com 60 funcionários e hoje estão com apenas 15 técnicos de atividades gráficas. 

A Unicamp tem terceirizado várias áreas e a intensão era fazer a mesma coisa com a gráfica, só que não deu certo e a gráfica perdeu funcionários e os poucos que restaram estão se desdobrando para dar conta dos pedidos.   

A gráfica é um exemplo de experiência, qualidade e eficiência do trabalho,  por isso é requisitada para confeccionar os materiais dos principais eventos da Universidade. Mas tem muitos imprevistos e pedidos de última hora e a cobrança na entrega não leva em conta a situação de defasagem de pessoal, por isso o trabalho se torna intenso e estressante.

Apesar das dificuldades,  os funcionários da Gráfica são muito unidos, solidários, gostam do fazem e tem  compromisso com a instituição.  [ id=55]

 
18/05/2015

Dia 29/5/2015 – 6ª. Feira – de 12 às 14 h no CB I

Pode-se trocar objetos novos ou usados em bom estado, serviços (por exemplo: manicure, corte de cabelo, etc.), saberes (por exemplo: tradução, dobradura, culinária, etc.)

COMO FUNCIONA?

Você escolhe um local para expor os seus objetos e fica responsável por eles. Caso você se interesse por algum objeto trazido por outros participantes, vá até eles e faça sua oferta. O mesmo vale para quem se interessar pelos objetos que você trouxe. Cabe a quem participa da troca torná-la justa, solidária e alegre, sem uso de dinheiro, deixando as duas partes contentes.

Realização: SEMANA DO MEIO AMBIENTE UNICAMP 2015

 
15/05/2015

A SIPAT/2015 terá a Cobertura Colaborativa Online, através do suporte tecnológico oferecido pelo Grupo Gestor de Tecnologias Educacionais – GGTE, interagindo os Campis de Campinas, Limeira e Piracicaba, e outras CIPAs e instituições interessadas. Para isso basta acessar o endereço: http://www.ggte.unicamp.br/transmissao/ no período da SIPAT/2015 de 27 a 30 de julho de 2015. [ id=53]

 
15/05/2015

A CIPA participou da reunião do Fórum do DST/AIDS da Unicamp, no dia 14 de maio de 2015, às 09h00, na FCM e foi discutido um projeto de "Utilização de Dispensador de Preservativos Masculinos em Universidades Públicas". Este projeto será aperfeiçoado e o objetivo é prevenção  e conscietização da comunidade universitária na Unicamp [ id=54]

 
14/05/2015

A água é essencial para a vida humana.  Estamos no período de estiagem e este debate  tem permeado os principais eventos na Universidade, sociedade, governos e a imprensa em geral. 

Pela importância do tema, a CIPA Unicamp convidou novamente o Profº Dr. Antonio Carlos Zuffo, do Departamento de Recursos Hídricos da FEC, para mais uma rodada de palestra, na sua reunião mensal, dando sequência “A Campanha Eu e a Água”  lançada, no mês de março na Unicamp.

Outro assunto de grande interesse dos cipeiros é sobre o descarte do “Lixo Eletrônico”, reaproveitamento,  consequência para o meio ambiente e a saúde.

Para abordar este assunto, a CIPA convidou a Profa. Flávia Luciane Consoni - Departamento de Política Científica e Tecnológica do IG/ Unicamp que está com projeto de pesquisa em andamento.

As palestras acontecem no dia 28 de maio de 2015 (5ª feira)  às 14h00, no auditório II da DGA, durante a Semana do Meio Ambiente na Universidade.

Participem!!!!!!   “Aberto ao público em geral”.

 
14/05/2015

A Unicamp poderá abrigar em seu campus a sede do Corpo de Bombeiros em Campinas – que funciona há décadas na área central da cidade – e não apenas um novo posto do 7º Grupamento do Estado de São Paulo, como pleiteado inicialmente pela Reitoria. A intenção foi manifestada por oficiais do comando da corporação que se reuniram nesta terça-feira com o professor Alvaro Crósta, coordenador-geral da Universidade, e assessores envolvidos na implantação do Campus Tranquilo – programa baseado na prevenção e vigilância comunitária que visa assegurar espaços tranquilos para a dinâmica da vida universitária.

Ressalvando que as informações colhidas na reunião ainda seriam submetidas ao Estado Maior do Corpo de Bombeiros, o tenente-coronel José Luís Salomão, comandante do Interior, mostrou-se confiante quanto à aceitação da cessão do terreno pela Universidade. “Muito provavelmente, o posto a ser criado aqui será a sede dos Bombeiros, que está em prédio antigo do Centro, com vários problemas como de acessibilidade. Queremos transportar toda a administração para cá.”

Antes da manifestação do comandante, Alvaro Crósta explicou aos oficiais que a instalação de uma base dos bombeiros em Barão Geraldo é demanda antiga de uma região bastante populosa e com grande potencial de riscos. “Há pouco mais de dois anos, tivemos um incêndio preocupante em uma das bibliotecas da Unicamp. Valorizamos a vida e o bem-estar das pessoas, mas também os nossos importantes acervos, que nesse caso, felizmente, foi pouco prejudicado. Passamos então a pensar em ações para minimizar tais riscos e uma delas foi justamente esta parceria para trazer uma unidade do Corpo de Bombeiros que beneficiará não apenas a Universidade, mas toda a população de Barão Geraldo e regiões vizinhas.”

As explicações dos assessores da Unicamp sobre a localização estratégica do terreno escolhido para a base do Corpo de Bombeiros satisfizeram as expectativas dos oficiais do comando. A área de 5.000 metros quadrados fica entre a rotatória de acesso à rodovia e ao Shopping D. Pedro, e a guarita desativada na avenida que liga à PUC de Campinas. “Um dos pilares da nossa missão é a pronta-resposta e a capacidade efetiva de atender às pessoas. Por isso escolhemos muito bem o ponto onde instalar nossos quartéis”, ponderou o comandante Salomão.

O tenente-coronel Wilson Lago, comandante do 7º Grupamento de Bombeiros (Campinas), informou que a mudança da sede vem sendo pleiteada desde 1942 e que as outras cinco bases no município foram todas inauguradas há 40 anos, na década de 1970. “Estou na unidade desde 1991, sou um dos oficiais mais antigos e vi a cidade se expandir. Levava dez minutos para chegar com a viatura à Unicamp e hoje preciso do triplo de tempo. A intenção não é só de instalar uma base no campus, mas a sede da nossa unidade, com toda a parte administrativa. Além do atendimento emergencial, temos uma demanda bastante grande por fiscalização e vistoria, que hoje é nossa maior prestação de serviço.”

Wilson Lago esclareceu, ainda, que o pessoal administrativo é de chamado “pronto-uso”, ou seja, todos trabalham uniformizados e estão capacitados para atender emergências – isso significa que a sede na Unicamp teria um mínimo de 40 bombeiros, mais seis ou sete por turno operacional. Uma dúvida levantada pelo major Eduardo Drigo, representante do Estado Maior na reunião, sobre o instrumento legal para uso do terreno, foi prontamente dirimida pelo procurador-geral da Unicamp Octacílio Ribeiro. “A Universidade não faz doações, mas aqui temos órgãos federais e estaduais com cessão de uso por 20 anos, prorrogáveis.”

Capacitação dos oficiais
Outro aspecto interessante desta parceria, ressaltada tanto pelo professor Alvaro Crósta como pelo comandante José Luís Salomão, diz respeito à capacitação dos oficiais, com a qual a Unicamp pode contribuir. “Temos a política de expandir os serviços no Estado, mas um dos problemas é de efetivo, pois não temos pessoas em quantidade suficiente. Para a formação de um bombeiro são necessários seis ou sete anos: três anos no Barro Branco [Academia de Polícia Militar], dois de serviço de policiamento e, depois do exame de aptidão, mais um ano de extensão para receber noções como de física, química, física aplicada e construção civil.”

Salomão atuou no recente incêndio de vários dias que atingiu os tanques de combustíveis da empresa Ultracargo, em Santos, e que colocou à prova a competência técnica dos bombeiros. “Havia tanques com produtos químicos, tóxicos, sob o risco de explosão ou rompimento. É preciso conhecimento sobre esses produtos e resistência de materiais para a tomada de decisão. Nossa formação no Barro Branco é mais na área de humanas, especialmente em direito. É de bom grado saber que, com esta aproximação, podemos contar no futuro com a competência técnica da Universidade, através do seu corpo seleto de professores e alunos.”

Levado para conhecer in loco o terreno oferecido no campus, Salomão reiterou que a confirmação desta parceria depende de decisão do Estado Maior do Corpo de Bombeiros e que técnicos ainda virão avaliar o local. “Minha expectativa é a melhor possível e acho quase certo que a proposta seja aceita. Teremos algumas reuniões do comando para analisar as variáveis que colhemos, mas espero que o processo seja rápido, com uma decisão já no meio do segundo semestre.”

Alvaro Crósta, por sua vez, disse que a Unicamp vê como positiva a possibilidade de se transferir a sede do Corpo de Bombeiros para o campus. “A proximidade física ajudará a ampliar a parceria para outras áreas, como de formação de oficiais –  trata-se de uma demanda deles, em que nossos docentes e pós-graduandos podem colaborar nas mais diversas especialidades. Vamos aguardar a decisão final, estamos muito otimistas.”

 
13/05/2015

No dia 12 de maio de 2015, às 14h30 a CIPA Setorial da FEA se reuniu para discutir as medidas de segurança nesta Faculdade, como melhorias no quiosque do café, para evitar que a funcionária sofra com picadas de abelhas. 

Em seguida, o presidente da CIPA/FEA,  Sr. Divinair,  propôs a realização de um debate sobre “Laboratório Seguro e o Descarte de Resíduos Químicos”, reforçando o projeto desenvolvido na CIPA Central.

Este debate será realizado no dia 09 junho de 2015, às 14h30, no auditório da FEA.

O CEPA/FEA montou uma comissão para conversar com o diretor da Faculdade para apresentar as sugestões de prevenção e pedir apoio na infraestrutura e na liberação dos funcionários para o debate acima. [ id=52]

 
11/05/2015

No dia 08 de maio de 2015, às 15h30 aconteceu a reunião do GT da CIPA “Laboratório Seguro” com a Profº Dra. Gláucia Maria Pastore- Pró-Reitoria de Pesquisa. 

O projeto da CIPA “Laboratório Seguro” foi muito apreciado pela Professora Glaucia,  pois o trabalho nos laboratórios é muito representativo e diversificado na  universidade. 

Este projeto visa aprimorar as informações de segurança e medidas de prevenção nestes ambientes. Segundo a professora Glaucia “é política da universidade proporcionar a entrada dos alunos, cada vez mais cedo,  nas práticas em laboratório,  inclusive alunos da rede de educação do ensino médio,  terão esta oportunidade,  através de convênio firmado entre as partes.

Por isso,  a CIPA mostrou a necessidade da universidade criar nos currículos das disciplinas informações de segurança nos laboratórios,  iniciando com o aluno ingressante até os demais níveis de graduação, pós-graduação, pesquisador. Os alunos muitas vezes não obtiveram treinamentos em seus estudos anteriores e atuam nos laboratórios para além do expediente oficial.

A professora Glaucia convidou a CIPA para  apresentar um resumo do projeto para os docentes da Comissão Central de Pesquisa, na reunião de junho, para dar mais visibilidade as ações de prevenção na universidade. Além disso,  a professora convidou a CIPA para promoção de workshop sobre a temática. [ id=51]

 
07/05/2015

No dia 06 de maio de 2015, às 10h00 o diretor da FEA, Profº Dr. Antonio José de Almeida Meireles, atendeu os representantes da CIPA Central e Setorial  e foi muito receptivo com as demandas apresentadas. Como por exemplo,   aquisição de novas lixeiras. Instalação de cortina de vento no quiosque do café, para que a funcionária não seja picada por abelhas.

Além disso, o Diretor se dispôs a apoiar eventos e palestras promovidos pela CIPA  na FEA relativos a  segurança nos laboratórios,  desenvolvimento de pessoal,  e outros temas que agregam a comunidade.

Na próxima reunião da CIPA setorial FEA a diretoria fará parte e ajudará na divulgação. [ id=49]

 
07/05/2015

No dia 06 de maio de 2015, às 14h00 no Anfiteatro do Hospital das Clinicas da Unicamp,  Orlando Furlan ( ATU-IE) realizou a palestra : “Atitude Vencedora: a chave do sucesso” proporcionando aos presentes  uma reflexão das potencialidades de cada pessoa, para tomar atitudes e fazer escolhas que levam ao seu crescimento pessoal e a superação de obstáculos.

Orlando também lançou o livro intitulado: “Atitude Vencedora: faz toda a diferença” e sorteou vários exemplares neste evento.

Esta atividade foi uma promoção da CIPA setorial do HC, junto com CIPA Unicamp e contou com o apoio da Superintendência e Serviço de Relações Públicas e Imprensa do HC. [ id=50]

 
29/04/2015

Reunião Mensal da CIPA - Participe!!!!!

Nesta,  5ª feira, dia 30/04/2015 às 10h00 no auditório da DGA, será realizada a reunião mensal da CIPA, com tema: "Análise de Acidentes de Trabalho", com a Professora Dra. Sandra Gemma - FCA. A professora faz parte do Fórum de Acidentes de Trabalho e é responsável pela Disciplina de Higiene e Segurança do Trabalho na FCA.

Convite é aberto a Comunidade!.....

 
29/04/2015

 
22/04/2015

Ao lançar seu primeiro livro, Atitude vencedora: faz toda a diferença, na tarde desta sexta-feira, 17, no auditório do Instituto de Economia da Unicamp, Orlando Carlos Furlan, funcionário há mais de 30 anos da unidade, resolveu inverter os papéis. “Vou me atrever a fazer a apresentação do meu livro respondendo perguntas sobre economia”, disse. De imediato pediu a ajuda do relações públicas Alberto Ravagnani, o Beto, que fazia o cerimonial da solenidade, para que formulasse as perguntas. Beto aceitou de imediato a proposta. Furlan respondeu todas com bom humor e com atitude, tornando a cerimônia mais alegre. 

“É muito significativo que o Orlando, com sua experiência de ATU [assistente técnico da unidade], tenha essa ideia de transmitir sua experiência de vida para seus colegas”, destacou o reitor José Tadeu Jorge, que prestigiou o lançamento do livro. Tadeu citou uma frase de Voltaire, ‘todo homem é culpado pelo que não fez”, para destacar que Orlando Furlan “certamente não é culpado de nada”, por ter escrito um livro, plantado árvores e gerado filhos.

A cerimônia de lançamento do livro contou ainda com as participações de Alvaro Crósta, coordenador-geral da Universidade; do pró-reitor de graduação, Luís Alberto Magna; Fernando Sarti, diretor do Instituto de Economia e Edison Lins, coordenador-geral do Grupo Gestor de Benefícios Sociais (GGBS). Atitude vencedora: faz toda a diferençafoi publicado graças a um edital público do GGBS. O lançamento contou com o apoio do Instituto de Economia. Todos os participantes da solenidade receberam um exemplar do livro.

 
22/04/2015

Ao lançar seu primeiro livro, Atitude vencedora: faz toda a diferença, na tarde desta sexta-feira, 17, no auditório do Instituto de Economia da Unicamp, Orlando Carlos Furlan, funcionário há mais de 30 anos da unidade, resolveu inverter os papéis. “Vou me atrever a fazer a apresentação do meu livro respondendo perguntas sobre economia”, disse. De imediato pediu a ajuda do relações públicas Alberto Ravagnani, o Beto, que fazia o cerimonial da solenidade, para que formulasse as perguntas. Beto aceitou de imediato a proposta. Furlan respondeu todas com bom humor e com atitude, tornando a cerimônia mais alegre. 

“É muito significativo que o Orlando, com sua experiência de ATU [assistente técnico da unidade], tenha essa ideia de transmitir sua experiência de vida para seus colegas”, destacou o reitor José Tadeu Jorge, que prestigiou o lançamento do livro. Tadeu citou uma frase de Voltaire, ‘todo homem é culpado pelo que não fez”, para destacar que Orlando Furlan “certamente não é culpado de nada”, por ter escrito um livro, plantado árvores e gerado filhos.

A cerimônia de lançamento do livro contou ainda com as participações de Alvaro Crósta, coordenador-geral da Universidade; do pró-reitor de graduação, Luís Alberto Magna; Fernando Sarti, diretor do Instituto de Economia e Edison Lins, coordenador-geral do Grupo Gestor de Benefícios Sociais (GGBS). Atitude vencedora: faz toda a diferençafoi publicado graças a um edital público do GGBS. O lançamento contou com o apoio do Instituto de Economia. Todos os participantes da solenidade receberam um exemplar do livro.

 
17/04/2015

No dia 15 de abril de 2015, das 08h30 às 17h30,  na Faculdade de Ciências Aplicadas - FCA/Unicamp,  os cipeiros avaliaram com nota máxima  o treinamento  e o empenho dos professores, Maurício Gervenutti e Dilaine Schenerder, que  ministraram pelos segundo ano consecutivo o Curso de Mapa de Risco Ambiental. [ id=48]

 
15/04/2015

Nos dias 13 e 14 de abril de 2015, no Campus de Campinas foi realizado o Curso de Treinamento de Mapa de Risco Ambiental", participaram os cipeiros e convidados. O curso foi promovido pela CIPA em parceria com Agência de Formação Profissional da Unicamp - AFPU e a Divisão de Segurança do Trabalho - DSTr/DGRH. Os professores que ministraram o curso foram: Maurício Gervenutti - Técnico de Segurança do Trabalho  e Dilaine Schneider - Engenheira de Segurança do Trabalho - DSTr/DGRH/Unicamp. É o segundo ano do curso e os participantes avaliaram positivamente todo o treinamento, os professores, os conteúdos, a parte teórica e prática e até sugeriram ampliação desta temática e mais dias de curso. Daqui para frente os participantes estarão aptos na elaboração dos mapas de riscos nas suas unidades, com o apoio da CIPA Central e da Divisão de Segurança do Trabalho da Unicamp. [ id=47]

 
08/04/2015

A Radio e Televisão da Unicamp disponibiliza mais um programa da série Diálogo sem Fronteira, apresentado pelo historiador e arqueólogo Pedro Paulo Funari, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH-Unicamp). Nesta edição ele entrevista Allan de Mello, engenheiro ambiental e pesquisador do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (Nepam-Unicamp). O tema dessa edição é “Riscos e vulnerabilidades às mudanças climáticas”. Veja o link

Eles conversam sobre pesquisa realizada no litoral norte do estado de São Paulo onde foram feitas análise dos riscos (escorregamentos, inundações, erosão costeira) e as situações de vulnerabilidades como as ocupações irregulares em encostas. Focalizam como as pesquisas têm contribuído para a compreensão e prevenção dos riscos com o envolvimento e engajamento da população. Conversam também sobre políticas públicas em que o diálogo e o trabalho articulado entre o conhecimento científico e a sociedade podem produzir resultados positivos.

Diálogo sem Fronteira apresenta entrevistas com pesquisadores sobre temas de humanidades, numa linguagem acessível para o grande público, e é exibido pelo Canal Universitário de Campinas (10 da Net), pelo Canal da RTV Unicamp no Youtube  e pelo site rtv.unicamp.br.

 
01/04/2015

O Grupo de Trabalho de Laboratórios da CIPA  realizou duas reuniões e elaborou um  documento com problematizações e sugestões de medidas preventivas para a comunidade ( docentes, alunos e funcionários)  usuários dos laboratórios da Unicamp. Este documento será discutido com os órgãos centrais da Universidade. Além disso a CIPA está elaborando o questionário de mapa de risco para fazer o levantamento ambiental nas áreas. [ id=46]

 
01/04/2015

Orlando Carlos Furlan, Assistente Técnico de Unidade (ATU) do Instituto de Economia (IE) da Unicamp, convive com a Universidade há algumas décadas. Com 12 anos já cortava as ruas do campus distribuindo ou buscando correspondências, atributos da função de office-boy. Aos 55, realiza, enfim, um sonho: transformar em livro experiências de vida pessoal e profissional. Atitude vencedora:  faz toda a diferença será lançado no dia 17 de abril, às 16 horas, no Auditório Zeferino Vaz do IE, onde Furlan atua há 33 anos (desde 1993 como ATU). No livro, o autor desafia o leitor a desenvolver atitudes vencedoras e conquistar o sucesso que tanto almeja.  Furlan explica as origens da atitude e o que ela pode fazer ou não pelas pessoas. Detalha ainda os obstáculos à atitude e  finaliza com o capítulo "Mudando de atitude por meio de suas escolhas". Atitude vencedora:  faz toda a diferença foi patrocinado pelo Grupo Gestor de Benefícios Sociais (GGBS) da Unicamp, através de edital público em 2014.

 

.

“Sou uma prova inconteste que as atitudes pró-ativas, somadas ao desejo de crescimento, experiência e competência, abrem oportunidades únicas para todos que desejam ser autores do seu processo de mudança”, explica Orlando, referindo-se à sua história. O escritor trabalhou  fora da Unicamp depois da primeira experiência aqui e retornou convidado pelo professor José Graziano da Silva, hoje presidente da FAO, em Roma. Sua função: datilógrafo. Com empenho, determinação e disposição, logo se diferenciou dos demais por conta de sua produtividade. O reconhecimento rápido proporcionou a  contratação pela Unicamp em uma função superior. Com a criação do Instituto de Economia, foi convidado, juntamente com 16 colegas, a fazer parte da equipe inicial de servidores. No momento apenas Furlan continua na ativa. “Posso afirmar que, com frequência, nossa atitude é a única diferença entre sucesso e fracasso”, diz.

Para chegar ao livro e palestras na Universidade e fora dela, Orlando deu aulas no ensino superior como professor. “É uma experiência mágica, pois o professor nunca morre e deixa sua marca em seus alunos”. As palestras, pelo menos 50,  vieram a partir de Simpósio dos Profissionais da Unicamp, onde chegou a dar três minicursos. Baseado em Victor Frankl, que diz que “a última das liberdades humanas é escolher a atitude em qualquer circunstância”, Orlando resolveu crescer, lutar e vencer. O livro foi um processo constante de auto-conhecimento e auto-ajuda literalmente.

A propósito do lançamento do livro, Furlan conversou com o Portal Unicamp. Confira.

Como surgiu a ideia de escrever Atitude Vencedora: faz toda a diferença?
Orlando Carlos Furlan - Ao longo da vida pude constatar que profissionais competentes e qualificados nem sempre conseguiam sucesso na carreira. Uma característica marcante era a dificuldade com que trabalhavam suas atitudes, pois suas reações traziam consequências indesejáveis. Tomei conhecimento da pesquisa feita pelas revistas Você S.A. e Exame, em mais de 1000 empresas, sobre os motivos que ocasionavam as demissões, divulgando que 87% das demissões estão relacionadas à atitude como reações tempestivas, procastinações, dificuldade de relacionamento e trabalho em equipe. Diante desses fatos, resolvi dar minha contribuição para ajudar as pessoas na vida pessoal e profissional. O livro foi escrito em sete meses.

Portal - É possível criar uma atitude vencedora? Como?
Orlando - Sim. Identificando obstáculos que possam existir, mudando padrões de pensamentos, desenvolvendo bons hábitos e pensando que a escolha de uma atitude vencedora está em você mesmo.

Orlando - Inicio o livro definindo o que é atitude e sua importância em nossas vidas. Atitude é um comportamento exterior que demonstra um sentimento interior. Eu revelo na minha atitude o que estou pensando ou sentindo. Em outro capítulo mostro como a atitude pode nos ajudar, quer na maneira de encarar a vida, nos relacionamentos pessoais e até no modo de enfrentar desafios. Em seguida esclareço que só a atitude não é suficiente, pois ela não substitui competência, experiência, crescimento pessoal e não muda os fatos. Finalizo com sugestões práticas e decisivas, elencando nove passos para a mudança de atitude por meio de suas escolhas. Entre elas a pessoa deve avaliar suas atitudes atuais, escrever uma declaração de objetivo, explicitando o que deseja conquistar diariamente e ter vontade de mudar.

Portal - Novos livros estão previstos? Na mesma linha?
Orlando - Sim. Quero escrever sobre “Como desenvolver sua liderança”. Na verdade, há uma ligação entre os temas.


Portal -  Como é o Orlando Furlan palestrante? Qual a próxima palestra?
Orlando - Dinâmico, com propostas reflexivas e práticas, procurando sempre a mudança do estado mental de seus ouvintes, para que possam desejar e alcançar resultados extraordinários em suas vidas. A próxima palestra será no encontro da Cipa Unicamp, no Hospital de Clínicas da Unicamp, em maio.

 
30/03/2015

 
30/03/2015

 
27/03/2015

Uma vistoria foi feita nessa quinta-feira (26) na Moradia Estudantil da Unicamp em busca de criadouros do mosquito transmissor da dengue e com objetivo de fornecer orientações aos moradores. O Grupo de Trabalho (GT) da Dengue do Centro de Saúde da Comunidade (Cecom), em parceria com a prefeitura de Campinas, realizou ações por toda a manhã, buscando eliminar possíveis focos. Também participaram da ação, membros do Centro de Saúde de Barão Geraldo e da Comissão Interna de Prevenção de Acidente (CIPA) da Unicamp.

De acordo com Paulo Humberto Fozatti, do setor de administração e manutenção da Moradia, foram retirados materiais que propiciam o acúmulo de água, tais como garrafas, potes vazios e baldes e foram colocadas telas em caixas de água, o que evita a entrada de mosquitos. O processo de colocação de telas, que já estava em andamento, é dificultoso, já que envolve a retirada de telhas, colocação da tela em cima das caixas, e recolocação das telhas, sem mexer na estrutura de madeira, que é fixa. Paulo Fozatti explica que há cerca de 250 casas na Moradia e cada casa conta com duas caixas. “Falta cerca de 90 casas. Hoje colocamos tela em cerca de 40 caixas. Essa ação - de colocar telas - continuará durante os meses de março e abril”, diz. As caixas que já possuem tela passam por manutenção de acordo com a necessidade. “Nossa intenção é colocar uma torre central de água, eliminando todas as caixas. O projeto já está em andamento”, informa Paulo.

Outra ação que tem projeto em andamento na Moradia é a substituição de ralos abertos por ralos com sistema “abre-fecha”. Já foram comprados cerca de mil unidades e a substituição ocorrerá em todas as casas. Com relação às calhas, Paulo informa que o problema estrutural que existia foi resolvido – todas que tinham problemas foram trocadas. Durante a limpeza, que é feita duas vezes por ano, verifica-se se há defeitos nessas calhas. Encontrando alguma irregularidade, a calha é trocada.

De acordo com a enfermeira do Cecom, Edite Kazue Taninaga, vistorias são feitas há algum tempo na Moradia. Em 2014 foram duas. Ela conta que a última foi em novembro e que, em comparação com a primeira daquele ano, já se percebia uma melhora significativa. As ações da administração, do Grupo de Trabalho da Dengue da Moradia e dos próprios moradores têm dado bons resultados. “Na ação de hoje, vejo que a área está mais limpa e mais cuidada. A administração agiu retirando material que poderia ser fonte de acúmulo de água. Com os casos de dengue ocorridos em 2014, muitos alunos se conscientizaram e também passaram a agir, eliminando focos”, diz a enfermeira. Edite relembra que no dia 18 ocorreu o "Dia D" contra a dengue na Unicamp. “Agora a intenção é orientar e cobrar ações das unidades”, diz.

A agente de controle ambiental da prefeitura de Campinas, Thaís Cristiane da Silva, acompanhou a vistoria dessa quinta. A equipe da prefeitura, formada por 12 agentes de apoio ao controle ambiental e 6 agentes comunitários de saúde, participou de forma ativa. “O pessoal entrou de bloco em bloco, onde havia moradores, para retirar focos de criadouro do mosquito. Entregamos sacos plásticos para que depositem material a descartar e vasculhamos áreas externas, de onde foram retirados produtos que poderiam acumular água”, informou. Os produtos foram colocados num caminhão da prefeitura de Campinas, que dará a destinação correta aos produtos.

De acordo com Paulo Fozatti, cerca de 30 pessoas participaram da vistoria. “Estamos tentando evitar casos de dengue na Moradia. Queremos informar as pessoas como agir na limpeza e precisamos conscientizá-las”, disse.  Paulo também dá orientações ao alunos. “Quando houver esse tipo de ação e não tiver ninguém na casa, orientamos para que a pessoa deixe a chave com algum vizinho. Não podemos entrar nas casas sem autorização do aluno”, diz. Se os moradores perceberem a existência de algum foco, a orientação é comunicar a administração da Moradia ou o Cecom, para que ações sejam tomadas.

 
26/03/2015

A diminuição do índice de chuvas nos próximos meses deverá impactar o sistema produtor de energia do Sudeste e Centro-Oeste, assim como os sistemas fornecedores de água, avalia o professor Antônio Carlos Zuffo, do Departamento de Recursos Hídricos da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEEC) da Unicamp. O especialista participou do lançamento da campanha “Eu e a água na Universidade”, ocorrido na manhã desta quarta-feira (25) na Unicamp. 

“É muito provável que este ano a crise no Estado seja pior do que a do ano passado. Isso porque o nível do Cantareira hoje está bem menor do que no mesmo período de 2014. Por conta das chuvas recentes, existe uma falsa sensação de que está tudo normal, mas não está. Os reservatórios estão secos, vazios”, alerta o especialista. “Este efeito das chuvas tem sido cíclico, como verificado nas séries históricas no período de 35 a 50 anos. Nós devemos entrar agora num período de baixa, não uma seca severa como foi a do ano passado, mas a média deverá diminuir”, completou. 

O lançamento da campanha de conscientização da Unicamp integrou as atividades da Semana da Água, realizada em razão do Dia Mundial da Água (22 de março). A campanha, que será gerenciada pela Coordenadoria Geral da Unicamp (CGU) com o apoio de diversos órgãos, consiste em ações de conscientização junto à comunidade universitária. Além disso, outras ações se integram à campanha, como o Plano de Contingência de Água na Unicamp, a identificação de vazamentos e implementação de tecnologias para o melhor aproveitamento da água. 

“A ideia da campanha ‘Eu e a água na Universidade’ é a difusão, e difusão para todos. Estamos aqui com as crianças, pais e professores do Centro de Convivência Infantil da Unicamp para compartilhar os nossos conceitos sobre sustentabilidade voltados especificamente a água, em comemoração a Semana da Água e também em razão de todo este cenário de crise. Neste momento crítico, em que a sociedade está em busca de soluções, a Universidade reafirma o seu papel no sentido de contribuir com soluções”, sustentou o coordenador-geral, Alvaro Penteado Crósta. 

Sobre as ações práticas da campanha, ele explicou que uma série de materiais educativos serão distribuídos, de modo a estimular o uso da água de forma racional. “Isso se integra a outras medidas de maior vulto, com relação a vazamentos e tecnologias para aproveitar melhor a água. Além disso, a Universidade contribui de maneira muito relevante com suas pesquisas e com a formação de pessoas. O conceito de sustentabilidade hídrica faz parte da formação de nossos alunos”, completou. 

Durante o evento, o economista e funcionário da Prefeitura do Campus, José Benedito de Castro Henrique, falou sobre o Programa Rega Sustentável, criado no ano passado visando instituir uma série de procedimentos de racionalização para a rega das áreas verdes do campus. Também participaram do evento, além de alunos, funcionários, docentes e membros da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes), o pró-reitor de Graduação, Luís Alberto Magna; a pró-reitora de Pós-Graduação, Rachel Meneguello; o prefeito do campus, Armando José Geraldo; o coordenador do Grupo Gestos de Benefícios Sociais, Edison Cardoso Lins; e o assessor do Grupo Gestor Universidade Sustentável (GGUS), Eloi Jose da Silva Lima. 

A programação da Semana da Água, organizada pelo Grupo Gestor Universidade Sustentável, conta com exposição de trabalhos dos alunos da Dedic; exposição de filmes no Espaço Cultural Casa do Lago; exposição interativa do laboratório móvel da Sanasa com alternativas de economia de água; e eventos culturais com a Companhia Artística Semeando Encanto.

Além da CGU e do GGUS, a Campanha conta com a parceria da Vice-Reitoria de Administração (Vrea), Prefeitura Campus, Grupo Gestor de Benefícios Sociais, Diretoria Geral de Recursos Humanos (DGRH), Espaço Cultural Casa do Lago, CIPA e Divisão de Educação Infantil e Complementar (Dedic). Há também a parceria da Sanasa e do ECOCINE, Festival Internacional de Cinema Ambiental e Direitos Humanos. 

 
23/03/2015

No dia 20 de março de 2015 aconteceu a primeira reunião de organização da Semana Interna de Prevenção de Acidentes- SIPAT/ 2015, com a participação de vários cipeiros e apoiadores. A SIPAT/2015 será realizada de 27 a 31 de julho de 2015 e abordará temas ligados a “Segurança do Trabalho, Saúde e Sustentabilidade - Por uma Gestão Integrada”. A programação será muito rica e diversificada. [ id=45]

 
19/03/2015

 
19/03/2015

A CIPA Unicamp esteve presente no Encontro Permanente sobre vivência e gestão na Unicamp - Projeto refletir, evento promovido pela Coordenadoria Geral da Universidade (CGU),  visando estimular a troca de ideia e experiencias na comunidade universitária, contribuindo  para melhorar a vivencia e aumentar a eficiencia da gestão da instituição. As atividades foram realizadas na sexta-feira (13 de março) no Centro de Convenções. [ id=44]

 
19/03/2015

O problema da gestão dos recursos hídricos em meio à histórica crise de abastecimento que afeta a região Sudeste foi um dos focos dos debates do Fórum Sustentabilidade Hídrica: Perguntas, Desafios e Governança, que aconteceu nos dias 17 e 18 de março,  no Centro de Convenções da Unicamp. A construção de barragens foi a principal medida adotada em São Paulo nas últimas décadas para gerir os recursos hídricos, mas isso se mostrou insuficiente para suprir as necessidades da população, afirmou durante o evento o professor Ademar Romeiro, do Instituto de Economia (IE) da Unicamp. “Faltaram outras medidas, como a redução das perdas, o tratamento da água, o reúso, a redução da poluição e, talvez a mais negligenciada das medidas, o uso e ocupação adequadas do solo”, alertou Romeiro. “Por que os gestores assumiram riscos excessivos?”, questionou o professor do IE.


Antonio Carlos Zuffo, professor da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Unicamp, defendeu que o gerenciamento hídrico somente poderá ser bem-sucedido se for feito de forma descentralizada e junto da população. Luciana Cordeiro, professora da Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp, destacou também a necessidade de criação de mecanismos de gestão da água mais participativos e questionou a falta de iniciativa e atuação da sociedade nessa área. A professora da FCA lembrou que apenas 2,7% da água do planeta é doce e que o Brasil dispõe de 13% desse total. Apesar disso, a região Sudeste concentra 42% da população, mas conta com apenas 6% da água doce do país.

A cientista política Margaret Keck, professora da Johns Hopkins University e responsável por pesquisas sobre gestão hídrica no Brasil desde a década de 1990, abordou em sua palestra as dificuldades de implantação de políticas nessa área. No caso da gestão compartilhada dos recursos hídricos, que substituiu o antigo modelo centralizado, muitas vezes a divisão das responsabilidades entre as várias esferas leva a falta de ações práticas, como entre a União e os Estados, defendeu.

No caso específico de Campinas, a questão da ação pública contra a redução da perda de água foi abordada pela Sanasa, empresa de abastecimento do município. O engenheiro Marco Antonio dos Santos, diretor técnico da Sanasa, mostrou como a companhia investe em substituições das redes, ligações e hidrômetros para combater o problema.

A necessidade de preservação de bacias e de sua vegetação como uma maneira para diminuir os custos de tratamento da água potável foi um dos focos da palestra de José Galizia Tundisi, professor do Instituto Internacional de Ecologia e Membro da Academia Brasileira de Ciências. Em seus estudos, o professor apontou uma piora da qualidade da água nos últimos 150 anos, sendo que atualmente é possível identificar mais de 200 mil substâncias orgânicas dissolvidas na água.

Tundisi defendeu também uma ação mais incisiva dos governos na ampliação da cobertura vegetal em áreas urbanas, considerando também as mudanças climáticas. “Temos que nos adaptar ao clima e uma das maneiras é produzir as chamadas ‘cidades verdes’, aumentar a vegetação natural, fazer mais parques que permitam recarregar os aquíferos, aumentar a biodiversidade e dar oportunidade de mais lazer à população.”

Em defesa da atuação governamental paulista na crise, Rui Brasil Assis, coordenador de recursos hídricos da Secretaria de Recursos Hídricos do Estado de São Paulo, explicou que todos os comitês de bacias possuem planos de recursos hídricos, mas não se pode esperar que as medidas levem a risco zero. “Risco zero significa quase investimento infinito, ou seja, risco zero é algo que a sociedade não consegue pagar”, justificou o gestor.

O evento está sendo organizado pelo Fórum Pensamento Estratégico (Penses), Coordenadoria Geral da Universidade (CGU), Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA), Instituto de Economia (IE) e Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) da Unicamp. A programação do Fórum Sustentabilidade Hídrica continua nesta quarta-feira (18), no Centro de Convenções da Unicamp.

 
16/03/2015

Tão importante quanto pensar sobre temas relacionados à sustentabilidade é transformar essa reflexão em ações concretas. A mensagem foi transmitida pelo reitor da Unicamp, José Tadeu Jorge, ao público presente à primeira edição do Refletir - Encontro Permanente sobre vivência e gestão na Unicamp, evento promovido pela Coordenadoria Geral da Universidade (CGU). O objetivo da iniciativa, voltada à comunidade universitária, é estimular a troca de ideias e experiências que possam contribuir para melhorar a vivência e aumentar a eficiência da gestão no âmbito da instituição. As atividades foram realizadas durante a manhã e parte da tarde desta sexta-feira (13) no Centro de Convenções.

Participaram da mesa de abertura do Refletir, além do reitor, o coordenador-geral da Universidade, Alvaro Crósta; a pró-reitora de Pesquisa, Gláucia Pastore; o pró-reitor de Extensão; João Frederico da Costa Azevedo Meyer; e o assessor da Pró-Reitoria de Desenvolvimento Universitário (PRDU), Djalma de Carvalho Moreira Filho, que representou a pró-reitora Teresa Atvars.

Em sua fala, Tadeu Jorge disse que é importante que a Unicamp faça internamente tudo aquilo que recomenda que os outros façam lá fora. “A Universidade desenvolve pesquisas e gera conhecimentos que muitas vezes suscitam recomendações à sociedade. Nós precisamos absorver essas sugestões e transformá-las em ações concretas nas áreas de vivência e gestão, que são os temas deste encontro. Um exemplo é o estímulo às mudanças de hábitos que podem levar, por exemplo, ao uso mínimo de papel”, disse.

 

De acordo com Alvaro Crósta, o propósito do Refletir é se estabelecer como um espaço permanente para a troca de ideias e experiências da comunidade universitária. Ele destacou que serão lançados editais para a recepção de propostas de novas edições. “Inicialmente, queremos realizar um encontro por semestre. Nesta e nas futuras edições, queremos que o tema da sustentabilidade seja tratado da forma mais ampla possível, de modo que ele se torne uma preocupação do dia a dia da Universidade”.

O formato do Refletir compreende a realização de palestras, oficinas e de uma plenária na qual são apresentados os resultados das atividades. Nesta primeira edição, uma das conferências foi apresentada pelo coordenador executivo da Rede Nossa São Paulo, Maurício Broinizi Pereira. Ele abordou o tema “Recursos Hídricos: sustentabilidade e inovação”. A Nossa São Paulo é uma ONG que trabalha para a construção de uma força política, social e econômica capaz de comprometer a sociedade e os sucessivos governos com uma agenda e um conjunto de metas a fim de oferecer melhor qualidade de vida para todos os habitantes da cidade.

Pereira chamou a atenção do público para o fato de a humanidade consumir e destruir os recursos naturais em velocidade superior à que a natureza precisa para se recompor. “Nós estamos caminhando para o esgotamento dos recursos que garantem a sobrevivência da espécie humana”, advertiu. Segundo ele, porém, há experiências tanto no exterior quanto no Brasil que transitam na contramão dessa tendência predatória e que podem ser reproduzidas pelas cidades brasileiras.

Um dos exemplos apresentados por ele vem de Tóquio, no Japão. Enquanto no Brasil a perda de água tratada é, em média, de 40%, na cidade japonesa ela está em torno de 2%, graças a medidas como a troca de encanamento antigo e a instalação de sensores que detectam vazamentos. “Essa solução tem um impacto altamente positivo tanto no plano ambiental quanto econômico. A título de comparação, no Brasil o prejuízo causado pela perda de água tratada é da ordem de R$ 7,4 bilhões ao ano”.

Na sequência, o assessor da CGU, Orlando Fontes Lima Jr, falou sobre as medidas que têm sido e que serão adotadas pela Unicamp destinadas à racionalização do uso da água, energia e papel. De acordo com ele, a preocupação da Universidade com essas questões é antiga. Tanto é assim que o Programa Pró-Água, que está entrando em sua terceira fase, já proporcionou uma redução expressiva no consumo da comunidade.

“A média de consumo mensal de água na Unicamp em 2014 foi de 71.967 m3, pouco superior à registrada em 1999 (70.008 m3), quando a instituição era, em termos físicos, cerca de 40% menor que hoje”, comparou Lima Jr. “É nesse sentido que vamos continuar caminhando, tendo como foco três eixos: conscientização, racionalização e prevenção”, acrescentou.

 

 
13/03/2015

Confira o video na integra!!!
https://www.youtube.com/watch?v=A1HOZzxHJ8s
 
12/03/2015

A CIPA Unicamp, Grupo Gestor Universidade Sustentável, Divisão de Meio Ambiente (Prefeitura) e a Divisão de Educação Infantil e Complementar da Unicamp(DEDIC-DGRH)   promoverão  na “Semana da Água” com as seguintes a palestras:  Crise Hídrica com o Profº Dr. Antonio Carlos Zuffo – Departamento de Recursos Hídricos/DRH/FEC e "Rega Sustentável" com Benedito Castro - Economista da Divisão do Meio Ambiente da Prefeitura do Campus.

Dia 25 de março de 2015 – às 09h30 – no auditório da DGA

A agenda completa da semana serão divulgadas no site da CIPA: www.sergio.gr.unicamp.br e/ou Grupo Gestor Universidade Sustentável http://www.cgu.unicamp.br/ggus

 
12/03/2015

No dia 11 de março de 2015 um grupo de cipeiros do Campus Campinas foi à CPQBA em Betel - Paulínia conhecer o trabalho desenvolvido por esta unidade na prevenção, formação e capacitação de brigadista contra Incêndio. A formação da Brigada teve início no ano de 2000 e é composta com 15 membros, que realizam um trabalho muito eficiente e preventivo.  Em 2011 um grupo de brigadistas e cipeiros receberam o prêmio PAEPE, com a apresentação do “Sistema Gestão em Segurança e Saúde Ocupacional do CPQBA”. É um trabalho inovador no setor público e demostra uma preocupação desta unidade com a segurança de todos, funcionários, alunos e professores  e com a preservação do meio ambiente. [ id=43]

 
11/03/2015

A Comemoração do “Dia Internacional da Mulher “2015 realizada no dia 10 de março de 2015, abordou o tema “Afinal o que querem as mulheres”. Após a manifestação das alunas (os) colocando seus anseios e direitos, tivemos a abertura do evento com as autoridades e em seguida a apresentação de um vídeo promovido pelos organizadores do evento, com apoio da RTV. Neste vídeo as trabalhadoras da Unicamp abordaram assuntos da atualidade, direitos, igualdade, avanços, conquistas, vida familiar, profissional, cuidados e saúde. Em seguida foi proferida a palestra “A Mulher e o Amor” com Regina Navarro Lins, Psicanalista, autora de 11 livros, consultora e participante do Programa Amor e Sexo da TV Globo.  Foi um sucesso pois a palestra abordou o papel cultural da mulher desde a comunidade primitiva, onde a mulher ocupava um papel destacado nesta sociedade, passando pelos demais períodos históricos da humanidade, onde imperou a dominação e opressão fruto de uma sociedade machista (patriarcal). Na atualidade  as mulheres vêm quebrando barreiras e preconceitos lutando pela igualdade de gênero, pela  emancipação sexual, social, cultural e econômica. [ id=42]

 
 
09/03/2015

 
06/03/2015

Cecom prepara medidas  contra a dengue no campus

O Centro de Saúde da Comunidade (Cecom) prepara uma série de medidas de controle para enfrentar a dengue no campus. Rôse Trevisane, coordenadora adjunta do Cecom e responsável pelo Grupo de Trabalho (GT) da Dengue da Universidade, explica que, normalmente, os picos de casos de dengue começam em março, se acentuam em abril e vão até maio, mas neste ano começaram já em janeiro. "O cenário se repete em todo o município de Campinas e indica que a epidemia está se antecipando, preocupando os profissionais da saúde".


Rôse considera grande a chance de uma epidemia como a de 2014, embora o vírus seja do mesmo tipo, como apontaram os testes feitos nos casos que chegaram ao Cecom. "Estamos programando uma série de ações a partir de março, com base na mobilização do ano passado: vamos repetir o mutirão na Moradia Estudantil, que se localiza em um dos bairros mais afetados da região, completando o telamento de mais de 500 caixas d'água (70% já foram protegidas) e com nova vistoria nas casas. Para isso, contaremos com a ajuda de alunos treinados e a parceria da Prefeitura de Campinas e do Centro de Saúde de Barão Geraldo."

Segundo a responsável pelo GT da Dengue, até o final desta quinzena haverá uma reunião com todos os assistentes técnicos de diretoria (ATD's) e de unidades (ATU's) para explicar como cada unidade e órgão deve se organizar para realizar a vistoria dentro e fora dos prédios. "Identificado um criadouro de Aedes aegypti, o funcionário deve saber a quem recorrer, por exemplo, para coleta de larvas. Vamos promover 'o dia da dengue' ou mesmo 'a semana da dengue' para que as unidades façam esta vistoria. E nós do GT estamos nos organizando para solucionar todo problema que surgir em decorrência desta mobilização."

A exemplo do que ocorreu no ano passado, várias ações estarão voltadas à educação, com informações sobre a dengue nos sites do Cecom e de comunicação da Unicamp, e sobre ações corretivas no campus, através de treinamento de cipeiros e do pessoal de empresas terceirizadas em canteiros de obras. "Também vamos retomar a Vigilância Entomológica da Dengue (VED), ou seja, ativando as armadilhas para o controle do mosquito transmissor, pelo grupo de alunos coordenado pelo professor Carlos Fernando Andrade, do Instituto de Biologia. É preciso identificar as larvas, que não são todas de Aedes; se positivo, o diretor da unidade será notificado para que organize um grupo de busca de criadouros."

Cecom cria força-tarefa
Patrícia Leme, coordenadora do Cecom, observa que a antecipação da epidemia de dengue não significa, necessariamente, que ela será pior que a de 2014, quando se registraram 612 casos no campus. De qualquer forma, o Centro organizou um fluxo de atendimento diferenciado para dar conta de um aumento na incidência. "Estamos preparados para dar a melhor assistência possível, envolvendo todas as áreas do Cecom, desde a recepção: identificado um possível doente, ele contará com uma agenda específica, sendo atendido pela enfermagem, realizando os exames, recebendo toda a medicação, e o melhor, com todos os retornos necessários. A preocupação com a dengue não está no diagnóstico, mas na evolução ao longo dos dias, quando pode haver uma complicação. O doente terá todo o acompanhamento recomendado pelo Ministério da Saúde, do diagnóstico até a alta."

De acordo com Patrícia, a dengue é uma doença de fácil diagnóstico, tendo como sintomas febre alta, dores de cabeça, no corpo e atrás dos globos oculares, manchas vermelhas na pele e prostração. "Esperemos que a epidemia não venha com tanta força como no ano passado. Como o vírus é o mesmo, espera-se, teoricamente, que quem já teve dengue não volte a adoecer. Preocupa, também, a grande incidência nos municípios do entorno de Campinas e o vai-e-vem intenso de pessoas na Unicamp. O fato é que a responsabilidade pelo combate à dengue é de todos, não podemos monitorar cada metro quadrado do campus."

 
04/03/2015

Programação: dia 13/03/2015 - Centro de Convenções da Unicamp

9h– abertura

Prof. Dr. José Tadeu Jorge – Reitor da Unicamp

Prof. Dr. Álvaro Penteado Crosta – Vice-Reitor e Coordenador Geral de Universidade

Prof. Dr. Oswaldo da Rocha Grassiotto – Vice-reitor Executivo Vice Reitor Executivo de Administração

Profa. Dra. Teresa Dib Zambon Atvars – Pró-reitora de Desenvolvimento Universitário

9h30 às 10h15

Palestra: Os desafios e a importância do uso racional dos recursos

Rede Nossa São Paulo (nome a confirmar)

10h20hs às 11h

O uso racional dos recursos na Unicamp:

Prof. Dr. Orlando Fontes Lima Jr  (FEC/UNICAMP e assessor da CGU)

11h05 às 11h40

Brunch

11h40 às 13h10

Oficinas para refletir sobre R3R

13h15hs às 14h

Relatorias, encaminhamentos futuros e encerramento

 

Vivência e gestão na pauta de discussões

Diferentes aspectos ligados à vivência e à gestão na Unicamp serão temas de um novo espaço para reflexão na Universidade. Batizado de “Refletir - Encontro Permanente sobre vivência e gestão na Unicamp”, o evento terá a sua primeira edição no próximo dia 13 de março, a partir das 9h, no Centro de Convenções.  “O público alvo do encontro é a comunidade universitária, embora ele seja aberto à participação de todos os interessados. Nosso objetivo é convidar professores, funcionários e alunos a trazer contribuições para melhorar a vivência e aumentar a eficiência da gestão na Unicamp”, explica o coordenador-geral da Universidade, professor Alvaro Crósta.

Para o reitor José Tadeu Jorge, o Refletir vem em boa hora, uma vez que o Programa de Gestão – A Unicamp de Todos os Saberes – já propunha a criação de um ambiente de constante diálogo e reflexão com a comunidade. Nesse sentido, ele considera que as demandas surgidas no contexto da chamada para os Fóruns Permanentes foram um indicativo da necessidade de se criar um espaço de debate específico de envolvimento da comunidade interna da Unicamp.

Conforme o reitor, foi a somatória destas demandas que estimulou a administração a criar o Refletir, “um espaço comunitário onde se pretende discutir nossos problemas e, sobretudo, valorizar nossas experiências exitosas”. De forma complementar, Crósta reforça que o Refletir é inspirado na experiência dos Fóruns Permanentes, cuja proposta é discutir temas de interesse da sociedade em geral. “No caso desse novo espaço, entretanto, os assuntos a serem tratados têm caráter interno. No evento de abertura, por exemplo, vamos discutir questões relativas ao uso racional de recursos como a água e energia elétrica”, detalha o coordenador-geral da Unicamp.

De acordo com o assessor da Coordenadoria Geral da Universidade (CGU), professor José Marcos Pinto da Cunha, as atividades serão constituídas de uma ou mais palestras, seguidas de oficinas. “Nesta primeira edição vamos contar com a participação de um representante da organização não governamental Rede Nossa São Paulo, que fará a conferência de abertura. O tema será ‘Os desafios e a importância do uso racional dos recursos’”, informa.

A Rede Nossa São Paulo é uma ONG que trabalha para a construção de uma força política, social e econômica “capaz de comprometer a sociedade e sucessivos governos com uma agenda e um conjunto de metas a fim de oferecer melhor qualidade de vida para todos os habitantes da cidade”. O propósito da Rede é “transformar São Paulo em uma cidade segura, saudável, bonita, solidária e realmente democrática”.

Tanto Crósta quanto Cunha observam que a CGU lançará brevemente um edital de chamada para selecionar propostas para as próximas edições do Refletir. “Nossa intenção é promover pelo menos dois encontros por ano”, diz o assessor da Coordenadoria. Outras informações sobre o evento podem ser obtidas no site da CGU neste link.

 
02/03/2015

   A Coordenadoria Geral da Unicamp (CGU) apresentou na tarde desta segunda-feira (23) aos diretores de faculdades e institutos e aos dirigentes de órgãos o Plano de Contingência da Universidade para enfrentar a crise hídrica que afeta o Estado de São Paulo como um todo e a região de Campinas de modo particular. No encontro, ocorrido na sala do Conselho Universitário (Consu), a CGU também expôs aos presentes várias medidas que já estão sendo executadas para promover o consumo racional no âmbito da instituição. As ações, como destacou o coordenador-geral da Unicamp, professor Alvaro Crósta, envolverão tanto a área acadêmica quanto a administrativa. A Unicamp é o segundo maior consumidor de água de Campinas, ficando atrás somente da Prefeitura Municipal. 

   A elaboração do Plano de Contingência, explicou Crósta, envolveu diversos órgãos da Unicamp, como a Vice-Reitoria de Administração (Vrea), a Prefeitura da Cidade Universitária e o Grupo Gestor Universidade Sustentável (GGUS), além de contar com a colaboração de docentes e pesquisadores. O documento estabelece diferentes ações, que variam de acordo com o cenário a ser enfrentado. Assim, estão previstas medidas que vão desde a manutenção da situação atual até a eventualidade de ocorrer um racionamento crítico no fornecimento de água.

   Parafraseando o poeta português Fernando Pessoa, Crósta observou que o princípio do Plano de Contingência é “esperar pelo melhor, mas preparar-se para o pior”. “Nesse sentido, queremos contar com a cooperação da comunidade universitária. Todas as colaborações e sugestões serão importantes para que consigamos superar esta fase de crise hídrica”, pontuou. O coordenador-geral da Unicamp detalhou, ainda, algumas das ações contempladas no Plano de Contingência.

   As medidas serão orientadas por três vetores: conscientização, racionalização e prevenção. No contexto do primeiro vetor, estão previstas campanhas de esclarecimento voltadas à comunidade universitária, promoção de eventos como a “Semana da Água” e a realização de seminários e workshops, nos quais especialistas da Universidade e de outras instituições, inclusive estrangeiras, discutirão a problemática da escassez de água.

   Entre as ações contidas no vetor “racionalização” há a disposição da Unicamp em aumentar a extração de águas subterrâneas. Segundo o assessor da CGU, professor Orlando Fontes Lima Jr, técnicos estão analisando a viabilidade da abertura de poços na área contígua ao campus de Barão Geraldo e que foi adquirida em março de 2014 pela Universidade. “Também vamos trabalhar a questão da água de reúso, ativar a Estação de Tratamento de Água (ETA) da Unicamp e deflagrar a segunda fase do Programa Pró-Água, que tem proporcionando uma significativa redução do consumo por parte da Unicamp ao longo dos últimos anos”, elencou.

   O argumento de Lima Jr é comprovado por números. A média de consumo mensal de água da Universidade em 2014 foi de 71.967 m3, pouco superior à registrada em 1999 (70.008 m3), quando a instituição era, em termos físicos, cerca de 40% menor que hoje.

   Por último, o vetor “prevenção” estabelece a criação do Comitê de Crise e a mobilização de uma força-tarefa para o cumprimento de ações emergenciais. A par de todas essas intervenções, acrescentou o prefeito da Cidade Universitária, professor Armando José Geraldo, o órgão segue executando trabalhos voltados à redução de perdas de água, como a operação caça-vazamentos, a troca de torneiras e válvulas sanitárias, bem como a manutenção predial.

   O Plano de Contingência da Unicamp para enfrentar a crise hídrica foi anunciado menos de um mês depois de uma reunião realizada em São Paulo, ao final da qual reitores e vice-reitores das universidades públicas do Estado de São Paulo divulgaram um documento com propostas para enfrentar o atual momento. “É importante destacar que o Plano de Contingência da Unicamp não é uma peça acabada. Queremos contar com a colaboração da comunidade universitária, para torná-lo ainda mais eficiente e exequível”, afirmou o coordenador-geral da Universidade.

 
27/02/2015

Na Reunião mensal da CIPA realizada, no dia 26 de fevereiro de 2015, o Dr. Marco Antonio Alves  de Morães do Cecom,  ministrou a palestra sobre “ Ergonomia no Trabalho” e abordou as condições organizacionais, as relações interpessoais  e os  riscos ergonômicos no ambiente de trabalho que podem ocasionar doenças, como as doenças osteoarticulares relacionadas ao trabalho- DORT-LER),  afastamentos e restrições  ocupacionais.  Estas lesões são as que mais afastam trabalhadores do ambiente de trabalho na Unicamp e podem ser evitadas.

O Dr. Marcos está participando de um grupo de estudo, junto com médicos da Saúde Ocupacional (DSO) e  a Divisão de Segurança do Trabalho (DSTr), visando a criação de uma Gestão de Ergonomia na Universidade.

Além disso, ele orientou os funcionários que estiverem com queixas físicas, devem agendar consultas na Divisão de Saúde Ocupacional (DSO), os que estiverem problemas no trabalho que necessite de avaliação ergonômica, procurar a Divisão de Segurança do Trabalho (DSTr) e no caso da prevenção e orientação para posturas corretas e outras indicações, os trabalhadores podem agendar palestras do Cecom nas unidades. [ id=41]

 
26/02/2015

Segurança do paciente,  em busca de uma abordagem organizacional

Ocorrências trágicas de acidentes envolvendo pacientes são habitualmente imputados a erros, negligencia ou imprudência dos profissionais de saúde, que passam por processos acusatórios, sendo finalmente culpabilizados como os responsáveis pelos eventos. Felizmente parece que este não foi o desfecho da investigação do caso que envolveu mortes nos exames de ressonância magnética ocorridas no Hospital Vera Cruz, Campinas - SP em Janeiro 2013. A investigação foi conduzida de modo multi-institucional envolvendo a Secretaria Municipal de Saúde e a Polícia Civil de Campinas, conseguiu, de modo inédito no país, descortinar importantes aspectos organizacionais envolvidos no evento.

Dia 11/março de 2015, quarta-feira, das 8:30-12:30hs Local: Faculdade de Saúde Pública, USP. Auditório João Yunes, Av. Dr. Arnaldo, 715, – Cerqueira Cesar, São Paulo – SP. Prox. ao Metrô Clínicas

Este será o tema do nosso 45o Encontro Presencial que se debruçará com maior detalhamento sobre a metodologia utilizada na condução do caso. Solicitamos sua participação e  empenho na divulgação do nosso encontro junto à sua rede de contatos.    

 

Programação: 

Coordenação da Mesa: Professora Sayuri Tanaka Maeda – Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva, Escola de Enfermagem da USP.
8:30h - Abertura
8:45-Relato e desdobramentos da investigação conjunta conduzida pelo Departamento de Vigilância à Saúde e pela Policia Civil de Campinas.

 Palestrantes:
-­‐ Dra. Brigina Kemp ­‐ Diretora de Vigilância em Saúde/DEVISA –SMS Campinas;
-­‐ Delegada Cibelle Sanches (aguardando confirmação)
9:30hs – Comentários sobre o caso e apresentação de aspectos conceituais e metodológicos

Debatedor: Prof. Ildeberto Muniz Almeida - FMB. UNESP Botucatu
10:20h – Intervalo com café
10:30h – Debate
12:00h – Encerramento

• Textos de apoio e mais informações sobre o fórum disponíveis na página do Fórum AT: www.forumat.net.br
• As inscrições são livres e gratuitas no momento do evento.

Apoio: Fundo de Fomento às iniciativas de Cultura e Extensão da Pró-­‐Reitoria de Cultura e Extensão Universitária – USP; PROEX-­‐UNESP; CEREST Piracicaba; DVST/CVS/SES-­‐SP e CEREST ESTADUAL SP; Gerencia Regional do Min. do Trabalho e Emprego de Piracicaba; Ministério Público do Trabalho da 15ª Região; FUNDACENTRO; CGSAT-­‐SVS-­‐MS; CNPq; FAPESP Proc. 12-­‐04721-­‐1.
Coordenação do Fórum: Prof Dr Ildeberto M Almeida (ialmeida@fmb.unesp.br) e Prof Ass Rodolfo AG Vilela (ravilela@usp.br)

 

 
25/02/2015

No dia 24 de fevereiro de 2015, a CIPA Setorial do HC apresentou uma proposta de formulário eletrônico para o preenchimento dos Mapas de Ricos Ambientais. Inicialmente este questionário será aplicado nas áreas do Hospital, visto a necessidade de atualização dos mapas de riscos naquela unidade.

O formulário eletrônico poderá ser aplicado em outras unidades, para isso a CIPA Central deverá agilizar a disponibilização de um link no site da CIPA.

 
23/02/2015

Participem!!!

 
20/02/2015

 
20/02/2015

 
20/02/2015

Próxima reunião da Cipa acontecerá no dia 26/02/2015, ás 10h no Auditório do DGA, com a palestra do FIsioterapeuta do CECOM Marco Antonio A. de Moraes sobre o tema "Ergonomia" visando orientar e treinar os cipeiros no preenchimento dos mapas de risco.

Participem, a presença e a opinião de vocês é muito importante!!!

 
19/02/2015

A CIPA Setorial de Limeira, a CIPA Central e o Sr. Maurício Gervenutti,  técnico de segurança do trabalho/Divisão de Segurança do Trabalho da Unicamp, fizeram uma visita na  cabine de transformação de energia da Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp, no dia 19 de fevereiro de 2015,  para verificação da situação de segurança desta cabine, por ter sido construído  um abrigo para cães ao lado do transformador de energia.  O Diretor da FCA,  Prof. Dr. Peter Alexander Bleinroth Schulz acompanhou a visita e se mostrou disposto a garantir a segurança e a instalação de um portão na área do transformador, garantindo o acesso de pessoal na cabine do transformador, sem ter que passar na área do abrigo. [ id=40]

 
19/02/2015

A TerraCycle comemora 10 anos e está em operação em 20 paises entre eles Austrália e Nova Zelândia. Para isso se tornar realidade a ajuda dos próprios consumidores é indispensavel. As Brigadas da TerraCycle são programas nacionais onde ocorre a coleta de resíduos difíceis de reciclar, que cotidianamente são dispensadas por cooperativas de reciclagem. Cada Brigada é patrocinada por uma empresa, que paga para que o resíduo de determinada categoria seja reciclado pela TerraCycle. Os times de coletas são formados por pessoas em escolas, empresas ou individualmente que juntam os resíduos de diversas categorias dentre elas lápis grafite, lápis de cor, lapiseiras, canetas, canetinhas, borrachas, apontadores, destaca textos, marcadores permanentes e marcadores para quadro branco usados e que não tenham mais utilidade, independente da marca. Aquilo que viraria lixo é recolhido por você, colocado em caixas de papelão e assim que as mesmas estiverem cheias, são levadas para o correiro e cada caixa de papelão deve ser devidamente etiquetada. O próprio site paga a postagem, nós temos apenas que coletar, embalar e enviar, onde os mesmos são transformados em outros produtos que vão desde bancos de jardim reciclados até mochilas feitas com a técnica ‘upcycle’.

Os Cipeiros interessados em participar dessa campanha podem se inscrever no site abaixo: http://www.terracycle.com.br/pt-BR       

Segundo passo: recolher o material em suas unidades e conforme as instruções do site enviar o material coletado por correio pago pelo próprio site

 
13/02/2015

 
11/02/2015

Solicitamos a colaboração dos cipeiros para a realização de vistorias nas suas respectivas unidades.

Os problemas encontrados devem ser comunicados aos respectivos responsáveis, conforme a Portaria do Reitor - GR 084/2001 "ficam designados como responsáveis pelo controle da eliminação e criadouros nas unidades os seus respectivos diretores-coordenadores".

A CIPA também se reuniu com o Professor Paulo César, Chefe de Gabinete e ficamos de encaminhar para a reitoria os problemas encontrados no campus, que não são possíveis de resolver juntos as respectivas unidades.

Informações e documentos da Dengue estão no nosso site, no link "Documentos para Cipeiros".

 
11/02/2015

Assista ao vídeo no YouTube : https://www.youtube.com/watch?v=SWrsyJL7zZQ

 

 
05/02/2015

O fórum “lixo & cidadania”  se reuniu com os representantes do Grupo Gestor Universidade Sustentável e do Grupo de Trabalho da Semana do Meio Ambiente da Universidade, da qual a CIPA faz parte,  nesta quinta-feira, dia 05/02/2014, na sala DGA, para uma troca de experiências e informações sobre os descartes de resíduos e lixos orgânicos e não-orgânicos dentro e fora da Universidade.  Conheceram os trabalhos em andamento do Grupo Gestor Ambiental (GGUS) e apresentaram várias sugestões sobre coleta e armazenamento de lixos  e resíduos encontrados na universidade.  [ id=39]

 
05/02/2015

A CIPA Unicamp participa, desde o ano passado,  do Grupo de Trabalho da Semana do Meio Ambiente.  O grupo se reuniu nesta quarta-feira, dia 04/02/2014, na sala de treinamento da DGA e tem encaminhado as propostas elencadas na "Carta de Intenções rumo à Univerdade Sustentável". São vários projetos visando a conscientização ambiental e ações de sustentabilidade:  Revitalização dos Abrigos de ônibus dentro do Campus, Programa “Rega Sustentável” (capitação de água de chuva); utilização de resíduos sólidos, projeto de aproveitamento de copos descartáveis; lixo eletrônico, prevenção da dengue, entre outros. O grupo é composto de funcionários, alunos e docentes, de várias áreas e órgãos da Universidade e que estão organizando a Semana da Água e trânsito e Semana do Meio Ambiente. [ id=38]

 
05/02/2015

Os reitores e vice-reitores das universidades públicas do Estado de São Paulo divulgaram nesta terça-feira (3), em São Paulo, documento com propostas para enfrentar a crise hídrica no Estado. Leia abaixo:

 

"As universidades públicas do Estado de São Paulo congregam grande número de pesquisadores que ao longo dos últimos anos vem se dedicando ao estudo dos recursos hídricos, em especial sobre o potencial desabastecimento público em função da crescente degradação ambiental e necessidade de ações efetivas de controle e conservação dos recursos hídricos.

Nós, reitores das instituições públicas de ensino superior do Estado de São Paulo, ressaltamos o papel de nossas instituições frente a atual crise hídrica e declaramos que estamos articulados e mobilizados para propor ações conjuntas que visam enfrentar os cenários que se desenham em curto, médio e longo prazos. Nesse sentido, as nossas ações iniciais são as seguintes:

 - Criar o fórum de reitores das universidades públicas do Estado de São Paulo para o debate de questões estratégicas para a sociedade e a universidade;

 - Colocar à disposição nossas competências na área de recursos hídricos para os governos municipal, estadual e federal, com o envolvimento das instituições públicas de ensino e de saúde na organização das ações gerais de contingência, a fim de planejar a adaptação de suas atividades, causando o menor prejuízo possível de atendimento ao público;

 - De modo a garantir a elaboração adequada dos planos de contingência das universidades, solicitar aos órgãos competentes de gestão de recursos hídricos a disponibilização de informações sobre o estado da quantidade e qualidade da água destinada ao abastecimento público e geração de energia hidrelétrica no Estado de São Paulo;

 - Implementar, aprimorar e intensificar medidas concretas de economia e uso racional da água nas nossas instituições, desenvolver ações de conscientização ambiental e oferecer nossos planos de contingência como modelo de gestão institucional para a sociedade;

 - Criar um comitê de gestores das universidades para compartilhamento de boas práticas no uso racional da água e energia, disponibilizando-as à sociedade como exemplos para a sociedade;

 - Criar o Painel Técnico-Acadêmico Permanente de Recursos Hídricos (PTA-Hidro), composto por pesquisadores e técnicos que lidam diretamente com o tema, responsável por compartilhar entre si e com a sociedade em geral as soluções técnicas e organizacionais adotadas pelas universidades no planejamento, gestão e contingência da crise hídrica;

 - O PTA-Hidro terá dinâmica de trabalho análoga à do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), criando e mantendo uma plataforma de informações geradas pela academia sobre os recursos hídricos no Estado de São Paulo para amplo acesso público, além de material de divulgação direcionado especialmente ao público não-acadêmico;

 - O PTA-Hidro se disponibilizará a participar ativamente dos fóruns governamentais estratégicos de gestão da crise hídrica, a fim de contribuir com a qualificação do debate e com a adoção de ações de governo implementadas nos diferentes setores da sociedade;

 - Mobilizar os governos municipal, estadual e federal para garantir a imediata liberação de recursos financeiros necessários à adequação da infraestrutura física e organizacional das instituições públicas, essencial para reduzir o consumo de água no desenvolvimento de suas atividades;

 - Mobilizar instituições de fomento às atividades acadêmicas para direcionamento de recursos financeiros específicos para financiar de projetos de pesquisa, de ensino e de extensão relacionados à conservação dos recursos hídricos.

Nesta oportunidade, declaramos nossa concordância e apoio à “Carta de São Paulo”, divulgada em 11 de dezembro de 2014 pela Academia Brasileira de Ciências, que descreve o atual cenário de risco e recomenda uma série de ações a serem adotadas pelas autoridades municipais, estaduais e federais.

São Paulo, 03 de fevereiro de 2015.
 

Profa. Dra. Soraya Soubhi Smaili
Reitora da Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP

Prof. Dr. Eduardo Antonio Modena
Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP

Prof. Dr. Álvaro Penteado Crósta
Vice-Reitor da Universidade de Campinas - UNICAMP

Prof. Dr. Marilza Rudge
Vice-Reitora da Universidade Estadual Paulista - UNESP

Prof. Dr. Klaus Werner Capelle
Reitor da Universidade Federal do ABC - UFABC

Prof. Dr. Marco Antonio Zago
Reitor da Universidade de São Paulo - USP

Prof. Dr. Adilson Jesus Aparecido de Oliveira
Vice-Reitor da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar"

 
04/02/2015

O CTA do CECOM realiza campanhas para  o teste rápido para o diagnóstico do HIV, utilizando FLUIDO ORAL (SALIVA). O Cecom também  realiza testes para  Sífilis, Hepatite B e C. 

As dúvidas quanto ao  atendimento e  Campanhas na Unicamp, podem ser obtidas através do ramal 19020 ou dos   e-mails: sau@cecom.unicamp.br e cta@cecom.unicamp.br

Para mais informações sobre a Campanha e locais de testagem, fora da Unicamp, acesse: http://www.saude.sp.gov.br/centro-de-referencia-e-treinamento-dstaids-sp/fique-sabendo/ ou escreva para dique-dstaids@crt.saude.sp.gov.br e ligue para o Disque HIV/Aids e informe-se: 0800 16 25 50.

O teste é um direito seu. É gratuito e sigiloso.

LIVRE-SE DA DÚVIDA!

 
28/01/2015

A 1ª reunião da CIPA 2015 aconteceu no dia 27 de janeiro de 2015, às 10h00 na DGA. Os  cipeiros participaram com muito entusiasmo das atividades propostas. A psicóloga Terezinha Lima Faria e a cipeira Jéssica Ferreira,  da Divisão de Planejamento e Desenvolvimento (DGRH/DPD) aplicaram uma dinâmica muito interessante  usando bexigas coloridas,  para os cipeiros se conhecerem melhor e  terem uma postura de equipe colaborativa  frente aos problemas e desafios da CIPA em 2015. Em seguida a presidente da CIPA, Sra Rosângela apresentou o planejamento 2015 e os cipeiros foram se incorporando nos Grupos de Trabalho, conforme o interesse de cada um, como segue abaixo: 

 [ id=37]

 
22/01/2015

A reforma da rampa foi uma importante luta dos pacientes e dos trabalhadores que circulam diariamente no hospital na prevenção de acidentes.

“Alvaro Crósta entrega as obras da rampa de acesso do HC

 (20/01/2015) O superintendente do Hospital de Clínicas da Unicamp, João Batista de Miranda, o coordenador geral da Universidade, Alvaro Crósta e o coordenador de Assistência do HC, Antonio Gonçalves de Oliveira Filho, entregaram hoje (terça-feira 20-01), a primeira fase de reforma da rampa de acesso ao hospital. Crosta visitou ainda, a área da futura UTI Anestesia que será inaugurada esse ano.”

 

     

“A segunda fase, prevista para ser concluída ainda no primeiro semestre de 2015, contará com a montagem de uma nova recepção, colocação de piso tátil e corrimão. A retomada das obras ocorre um ano após a conclusão da reforma realizada por uma empresa terceirizada e que não atendeu os requisitos estabelecidos pelo hospital, devido a baixa qualidade dos serviços entregues. O HC recorreu judicialmente contra a empresa. Também foi refeito o paisagismo dos canteiros de entrada do hospital e dos taludes abaixo da rampa.”

 

Caius Lucilius com Caroline Roque
Assessoria de Imprensa do HC Unicamp

 



 

 


 
19/01/2015

Reunião da CIPA, dia 27 de Janeiro às 10 horas no Auditório do DGA, participem!!!

 Planejamento das ações de segurança da CIPA para 2015.

 

 
07/01/2015

Fotos da Reunião da CIPA de planejamento para 2015, realizadas nos dias 10 e 16 de dezembro de 2014, com membros das CIPAs Central e Setoriais da Unicamp. As ATAS estão disponíveis no menu CIPA > Atas das Reuniões. 

[ id=34]

 
20/12/2014

Alunos da FCA produzem vídeos que discutem o acidente de trabalho como construção social, sob a orientação da Professora Sandra Gemma - responsável pela disciplina de Higiene e Segurança do Trabalho, ministrada nos cursos de Engenharia de Produção e Manufatura da Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp.

Leia o texto de Cristiane Kämpf publicado no site da FCA:

O acidente de trabalho é uma construção social e, portanto, não pode ser visto simplesmente como decorrência de uma "falha", "insucesso" ou "descuido" individual do trabalhador. Há fatores tecnológicos, econômicos e políticos que determinam as condições sociais para que o acidente ocorra e que deveriam ser levados em conta quando se propõe uma análise de suas causas – o erro não pode ser individualizado. Estes conceitos foram discutidos no segundo semestre deste ano na disciplina Higiene e Segurança do Trabalho, sob responsabilidade de Sandra Gemma, professora dos cursos de Engenharia de Produção e Manufatura e especialista em ergonomia, saúde e trabalho.

 Com o apoio de uma densa bibliografia acadêmica, aproximadamente 120 alunos foram divididos em grupos e traduziram os conceitos relacionados à temática da disciplina para o formato de vídeos, os quais compuseram a avaliação final do semestre. "Eles elaboraram também um trabalho escrito que me permitiu verificar o entendimento dos conceitos e os vídeos foram avaliados segundo critérios como adequação ao tema proposto, inovação e qualidade do conteúdo, assim como em relação ao que chamei de 'poder pedagógico' – o quanto ele realmente serve para esclarecer o assunto para o público não-especialista", explica a professora.

Ela afirma que o objetivo do projeto (denominado Vídeo Mukit, palavra em sânscrito que significa liberdade ou libertação) é que os vídeos produzidos sirvam para elucidar o assunto para trabalhadores e estudantes do ensino médio e, portanto, estimular os graduandos a compartilhar o conhecimento produzido durante as aulas na universidade. "A ideia é que o processo de produção do vídeo pode ser libertador, pois permite, ao mesmo tempo, ensinar, aprender e se divertir", diz Sandra. A disciplina é oferecida no segundo semestre de cada ano e, no segundo semestre de 2013, os temas propostos se relacionavam com as normas regulamentadoras brasileiras, conhecidas como NRs.

Díficil e divertido ao mesmo tempo "Estes alunos são futuros engenheiros e devem saber quais são e como podem ser identicadas as verdadeiras causas dos acidentes de trabalho. Em algum textos da disciplina são analisados casos muito clássicos de acidentes de trabalho, como o Desastre de Bophal, Chernobyl, Three Mile Island... ou seja, são análises detalhadas não somente das causas, mas também das repercussões destes acidentes para toda a sociedade e para a comunidade onde eles ocorreram", explica a professora.

Os grupos têm bastante trabalho com a produção do filme, que pode ter no máximo 10 minutos de duração. É preciso criar um roteiro, bolar trilha sonora, escolher personagens, atuar, fazer a filmagens e edição, colocar legendas e, principalmente, produzir conteúdo adequado aos temas e conceitos teóricos discutidos durante as aulas. É necessário também que os alunos façam uma avaliação escrita sobre o processo de produção do vídeo, contando sobre dificuldades que enfrentaram e novas habilidades que puderam desenvolver, já que a formação em engenharia normalmente não conta com atividades que fomentem capacidades mais relacionadas às artes. Os grupos também avaliam e atribuem notas aos trabalhos dos outros colegas.

Os grupos consideraram a nova forma de avaliação ao mesmo tempo didática e dinâmica. "Apesar de apresentar informações bastante técnicas e específicas, o vídeo também ficou educativo e simples. Produzi-lo foi um desafio pois, para ser capaz de descomplicar conceitos, é preciso primeiro conhecê-los muito bem. Nos sentimos desafiados a aprender para poder ensinar melhor", avaliou um deles.

"A experiência de gravar o vídeo foi ao mesmo tempo bem divertida e difícil. A filmagem foi difícil pois o grupo não tinha experiência alguma sobre disposição de câmeras, luz, som, nem mesmo criação ou direção de roteiro. O resultado ficou amador, mas foi possível se aprofundar nos conceitos e produzir um conteúdo com referência ao tema abordado na disciplina", escreveu outro.

A professora avalia que a iniciativa é válida, pois percebe que os alunos acabam tendo que estudar mais os artigos e livros para poder compreender melhor os conceitos abordados a fim de transformá-los em vídeos de valor pedagógico. Ela comenta que outra professora da engenharia gostou da ideia e já adotou sistemática semelhante em sua disciplina.

A intenção de Sandra é que os engenheiros egressos da Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp possam contribuir para a construção de espaços e ambientes de trabalho que contribuam para o desenvolvimento humano, na medida em que aprendem a refletir sobre o papel das organizações na construção da saúde ou de acidentes e doenças: "É preciso que eles questionem a visão dominante e simplificadora das causas dos acidentes e doenças do trabalho, pois não são somentes fatores humanos, mas também tecnológicos e organizacionais que contribuem para que eles ocorram". Espera-se ainda que, com o passar dos anos, os alunos de engenharia construam e aperfeiçoem estas habilidades e sejam capazes de elaborar vídeos cada vez melhores com o intuito de divulgar conceitos relacionados à higiene e segurança do trabalho para um público não-especialista.